BILHETERIAS BRASILEIRAS + O GENIO DO CRIME, LIVRO DE J.C. MARINHO,
DEU ORIGEM A LONGA INFANTO-
JUVENIL DE TITO TEIJIDO

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS + O GENIO DO CRIME, LIVRO DE JOÃO CARLOS MARINHO, DEU ORIGEM A LONGA INFANTO-JUVENIL DE TITO TEIJIDO

+ CINEMA INFANTO-JUVENIL (ARTIGO DE CLAUDIA MOGADOURO) + BILHETERIAS BRASILEIRAS + O GÊNIO DO CRIME (LIVRO E
FILME) + NA REVISTA DE CINEMA/Uol: MARIGHELLA só em 2020??? + CINEJORNAL (CANAL BRASIL)

+ TELA CHEIA (QUINTA-FEIRA, NO PROGRAMA “TÁ BOM PARA
TODOS”, NA TVT + PREMIOS DAVID DI DONATELLO (ITALIA,
SEMANA QUE VEM, DIA 27 DE MARÇO) + A FORTUNA CRITICA
DE “PASTOR CLAUDIO”

+ FEST GRAMADO (INSCRIÇÕES ABERTAS) + CURITIBA_LAB
(INSCRIÇÕES ABERTAS) + PRÊMIOS PLATINO 2019: FINALISTAS
SERÃO CONHECIDOS NESTA QUINTA-FEIRA + UM BANHO
DE VIDA + CHORAR DE RIR + O TRADUTOR + 2 X RBG

*** BILHETERIAS BRASILEIRAS

. Estreias:
. Sobre Rodas……………………..774
. Eleições…………………………….392
. Pastor Cláudio………………….363
. Elegia de Um Crime………….

. Continuações:
.Minha Vida em Marte…………….5.331.987
. Sai de Baixo, o Filme………………..465.508
. Cinderela Pop…………………………..434.297
. Minha Fama de Mau…………………112.833
. Fevereiros……………………………………14.158
. Albatroz………………………………………..5.861
. Raiva (Portugal)……………………………1.523
. Diário de Classe………………………………528
. O Último Trago……………………………….266

* “MARIGHELLA”
SÓ EM 2020???

***MUDANÇA NO
CALENDÁRIO DE
lançamentos brasileiros de 2019.
NADA A PERDER 2 adiado para agosto
“MARIGHELLA” pode ficar para 2020

http://revistadecinema.com.br/2019/03/em-busca-de-circuito-exibidor/

*****OLHAR DE CINEMA
FESTIVAL INTERNACIONAL
DE CINEMA – CURITIBA 2019
De 5 a 13 de junho

As inscrições para o
Curitiba_Lab estão abertas
PERÍODO: DE 12 A 16 DE MARÇO

+ MOSTRA TIRADENTES EM SÃO PAULO + REVISTA DE CINEMA/Uol + ELEGIA DE UM CRIME (EM CARTAZ) + DUAS COMÉDIAS: “CINE HOLLIÚDY: A CHIBATA SIDERAL” E “CHORAR DE RIR” (ESTREIAS NESTA QUINTA) + FESTIVAL É TUDO VERDADE (DE 4 A 14 DE ABRIL)

+ NESTA QUINTA-FEIRA
saem os finalistas aos
Prêmios PLATINO 2019, que serão entregues
no México, em 10 de maio, na Riviera Maya.

+ A CIDADE NO BRASIL

Aguardem série documental “A Cidade no
Brasil”, de ISA GRISPUM FERRAZ, no Sesctv.

**TITO TEIJIDO & ADRIAN TEIJIDO,
FOTÓGRAFO DE “MARIGHELLA”

*****QUEM CONHECE O
FILME BASEADO NO LIVRO
“O GÊNIO DO CRIME”????

*****MORREU ONTEM (18-03-19) O ESCRITOR DE

LIVROS INFANTO-JUVENIS JOÃO CARLOS MARINHO,

aos 83 anos (grandes obituários nos jornais de hoje). Confesso que nada sabia dele.

Fui “conhecê-lo” oito dias atrás, ao ler matéria em O Globo (capa do Segundo Caderno). Hoje fiquei sabendo que seu livro mais famoso e vendido (1,2 milhão de exemplares) deu origem ao filme DETETIVE BOLACHA CONTRA “O GENIO DO CRIME”. Autor: Tito

Teijido. Não conheço o filme, nem o diretor. Alguém conhece???? EXISTE COPIA

NA CINEMATECA BRASILEIRA OU DO MAM, OU NO ARQUIVO NACIONAL????

Gostaria de conhecer este filme, pois me interesso muito por filmes destinados a

esta faixa de público. Já foram ver SOBRE RODAS, de Mauro D’Addio?

*******Fernando Meirelles acaba de me esclarecer:
Tito Teijido, diretor do longa-metragem infanto-juvenil
baseado em “O GENIO DO CRIME”, realizado no Brasil, em 1973, é pai do grande fotógrafo ADRIAN TEIJIDO, que assina a direção de fotografia de “Marighella” (entre muitos outros filmes). Aguardem mais detalhes desta aventura de noso cinema infanto-juvenil. E uma sugestão: Quem sabe o CineSesc programa o filme “DETETIVE BOLACHA CONTRA O GENIO DO CRIME” numa de suas Sessões Infantis dominicais (caso haja cópia boa), na presença de Tito e de Adrian Teijido, seguida de debate com a criançada.

****************CINEMA INFANTO-JUVENIL: POR CLAUDIA
MOGADOURO: FILME BASEADO EM “O GENIO DO CRIME”

“O GENIO DO CRIME” — LIVRO E FILME
+ CINEMA INFANTO-JUVENIL BRASILEIRO

Por Cláudia Mogadouro

Realmente João Carlos Marinho foi um importante escritor de obras infanto juvenis de muita qualidade. “O Gênio do Crime” completou 50 anos e lembro de ler no meu curso primário (caramba!!!). Foi (e talvez ainda seja) uma sensação para a garotada de 10 a 12 anos. Mas só li esse livro dele. Minha filha Cecília (que hoje tem 33) leu TODA a obra dele, acho que mais de uma vez. Amava. E alguns de seus livros são “tijolões”. Ela devorava. Nunca vi o filme e nem sabia de sua existência (até ontem).

Quanto ao filme SOBRE RODAS, de Mauro D’Addio, eu gostei bastante. Você sabe que são raros os filmes brasileiros pra faixa de 11 a 14 anos. Minha apreciação: é um filme bastante poético e por isso mesmo muito inspirador. Muito bem filmado, com tomadas aéreas lindas, que remetem ao desejo de liberdade e autonomia dos personagens, assim como a trilha sonora. Linguagem bem adequada à temática. Ótima direção de atores também, não apenas das crianças protagonistas (que me convenceram), como do elenco adulto (ótimo). O Mauro tem uma trajetória de ótimos curtas e esse filme recebeu um prêmio no Canadá de filmes pra adolescência. Chega aqui bem premiado e obviamente condenado ao esquecimento, como todos os nossos bons filmes.
Não “testei” esse filme ainda o público pré-adolescente. Não sei o que eles estão achando. Pode ser que achem uma bobagem.
Neste momento, estou na militância pra que professores assistam ao filme.
Explico o que quis dizer com “inspirador”: vejo nele muita potência para debates com essa faixa etária. Reflexão e debate sobre afetos, inclusão, sexualidade, relacionamentos familiares, autonomia. Ele é bem singelo mas aberto o suficiente pra permitir esses debates. Neste aspecto, é fundamental a mediação dos professores (pensando na minha área de atuação que é Cinema e Educação).
Estou agora debruçada neste filme para propor aos professores possibilidades de abordagem.
Diante dos trágicos acontecimentos da semana passada e de acordo com minha prática de formação audiovisual de professores,digo que é URGENTE ouvirmos essa molecada, suas angústias, seus desejos,dramas escondidos nas brincadeiras de mau gosto, compreendermos essa nova ordem comportamental e sentimental.
Gostei MUITO também do filme ELEIÇÕES, da Alice Riff, justamente pelo mesmo motivo de SOBRE RODAS. Ele pode desencadear ótimos debates e nos mostra uma realidade difícil de entender. Pra mim, o filme mostra um abismo geracional. Adultos não podem esperar dele um filme que fale da participação política na nossa ótica. Gostemos ou não, esses adolescente estão com a cabeça em outro lugar… O filme de Alice Riff é totalmente protagonizado por eles. Taí sua força e sua urgência em debatê-los com os adolescentes. Nós e eles, porque o filme tem muito a nos ensinar.

Beijos
Cláudia Mogadouro
Janela Aberta – Cinema & Educação

Anúncios