“VUELVEN”, DE ISSA LOPEZ, FOI O GRANDE VENCEDOR DOS TROFEUS “DIOSA DE PLATA”, da PECIME (ASSOCIAÇÃO DE
PERIODISTAS CINEMATOGRÁFICOS DO MÉXICO)

“VUELVEN”, DE ISSA LOPEZ, É O
VENCEDOR DOS PRÊMIOS “DIOSA
DE PLATA”, NO MEXICO

CDMX (MEXICO) — A PECIME (Associação de Periodistas Cinematográficos do México) entrega, há 47 anos, o prêmio “Diosa de Plata” aos melhores filmes mexicanos. Dias atrás, com homenagem à atriz Christiane Mortel e aos 25 anos de carreira de Guillermo del Toro, foram entregues os trofeus às melhores produções lançadas no mercado mexicano em 2017.
Coube ao longa-metragem VUELVEN, de Issa López, as duas principais premiações: melhor filme e melhor direção (Prêmio Emilio “Indio” Fernandez). O cineasta Michel Franco foi escolhido como melhor roteirista por “Las Hijas de Abril”, protagonizado pela atriz espanhola Emma Suárez (de TERRA, de Julio Medem, e JULIETA, de Almodóvar). Os brasileiros viram o corajoso e belo filme de Franco, ano passado, na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.
O filme VERONICA rendeu o prêmio María Felix de melhor atriz a Arcélia Ramírez. Por seu trabalho em “Acapulco, La Vida Vá”, Patricio Castillo foi escolhido como o melhor ator. Os coadjuvantes foram Vico Escórcia, por “Los Crímenes de Mar del Norte”, e Hector Kotsifakis, por “Me Gusta Pero Me Asusta”.
Guillermo del Toro, que vive nos Estados Unidos, mandou discurso de agradecimento para ser lido pela produtora Bertha Navarro, uma das mais atuantes do audiovisual mexicano. E fez questão de protestar contra a morte de três estudantes de cinema, em sua Guadalajara natal. Os rapazes foram confundidos com membros de facção rival de grupo narco e, depois de mortos, tiveram seu corpos dissolvidos com ácido. O responsável por tamanho brutalismo seria um “rapero”, que vive de mesada dos narcotraficantes.
A atriz Christiane Mortel estava emocionada na noite dos premiados e homenageados. Afinal, já se aproximando dos 80 anos, ela vive das lembranças do passado, em especial de dois nomes da era de ouro do cinema azteca: Emilio “Indio” Fernandez e Mario Moreno, o Cantinflas. Em 1953, Christiane foi eleita Miss Universo. No ano seguinte, estava no elenco de um filme do maior astro cômico da história do México. Cantinflas, que co-protagonizou “A Volta ao Mundo em 80 Dias”, filme laureado com vários Oscar, tornou-se astro também no Brasil. A atriz faz questão de chamá-lo Mario Moreno (e não pelo nome do personagem que o consagrou). Muitos filmes se seguiram no currículo de Christiane Mortel. No dia em que ela foi homenageada, a TV exibiu um deles, ROSA BLANCA.

Enviado do Ipad de Rosário