MOSTRA SP: REPESCAGEM apresenta “FILME, o Registro Vivo de Nossas Memórias” + CALENDARIO DE FESTIVAIS ACUMULA NOVE EVENTOS EM SETE SEMANAS

MARATONA DE FESTIVAIS FECHA O TUMULTUADO ANO DE 2021

Mostra Play exibe “Filme, o Registro Vivo de Nossa Memória” e lembra crise da Cinemateca Brasileira

Repescagem da Mostra traz três pré-finalistas ao Oscar

Por que poucos cinéfilos e críticos assistiram ao filme “Clara Solo”, vencedor do troféu Bandeira Paulista?

Maria do Rosário Caetano
No Almanakito

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo encerra hoje (domingo, 7 de novembro) sua quadragésima-quinta edição. Com 50 filmes programados, on-line, em sua fase derradeira – a Repescagem — o maior festival do país permite que sejam vistos três pré-candidatos ao Oscar internacional (“Brighton 4th”, da Geórgia, “Olga”, da Suíça, e “Yuni”, da Indonésia), além de fina iguaria para cinéfilos, em especial os brasileiros, que sofrem há quase três anos com a tragédia da Cinemateca Brasileira: o longa documental “Filme, o Registro Vivo de Nossa Memória”, produção da Espanha e Canadá, dirigida por Inés Toharia Terán (ler mais sobre o filme na coluna de Amir Labaki, no Valor Econômico). Este e mais 49 longas-metragens poderão ser vistos na plataforma Mostra Play, até as 23h59′ de hoje.
Antes de listar o calendário da maratona de festivais que se acumularão-chocarão ao longo das próximas semanas, registro aqui ‘post’ de Margarita Hernández, cineasta (“Che, Memórias de Um Ano Secreto”) e um dos esteios do CineCeará, Festival de Cinema Ibero-Americano de Fortaleza. Ela escreveu em seu facebook, a propósito da premiação do júri oficial da Mostra paulistana: “264 filmes de 50 países e foi um filme da Costa Rica, dirigido por uma mulher, que ganhou o prêmio principal na 45a. Mostra de São Paulo. Por sinal não li nenhuma crítica nem recomendação do mesmo. Parabéns Nathalie Alvarez Mesén, você arrasou. E que viva o cinema das mulheres latino-americanas!
Eu mesma, que sou uma missionária de várias causas, uma delas a difusão do cinema latino-americano, não vi “Clara Sola”, a produção costarriquenho-sueca que ganhou dois Troféus Bandeira Paulista (filme e atriz) e um prêmio de direção de arte. E por que? Porque a Mostra é grande demais (como ver pelo menos um quinto de seus mais de 250 filmes?)
Dos premiados, nove no total, não vi o grande vencedor centro-americano (“Clara Solo”), nem “Onoda, Dez Mil Dias na Selva” (França-Japão), nem “Summer of Soul: …Ou Quando a Revolução Não Pôde Ser Televisionada”, o “Woodstock black”, dos EUA.
Vi os seis outros: “Compartment no. 6”, da Finlândia-Rússia, os brasileiros “Urubus” (Cláudio Borrelli), “A Felicidade das Coisas” (Thaís Fujinaga) e “O Melhor Lugar do Mundo” (Caco Ciocler), o turco “O Compromisso de Hasan” e o libanês “Pequena Palestina, Diário de Um Cerco”.
A Mostra é um festival muito particular. Para começo de conversa, os finalistas ao Prêmio principal (atribuído a realizador de até um segundo longa-metragem) saem de votação popular. E quando os escolhidos são anunciados, a Mostra está chegando ao final de sua maratona de mais de 15 dias. Os finalistas (13, este ano) não ganham espaço de exibição centralizado para que possamos assisti-los.
Renata Almeida e sua equipe, em parceria com o CineSesc, poderiam buscar solução que permitisse a cinéfilos e críticos ver todos os finalistas. A ideia é de difícil execução, mas merece ser estudada.
Outro segmento (“Pré-Candidatos ao Oscar Internacional”) poderia ser colocado em espaço pré-determinado – pelo imenso interesse que desperta. Este ano, a Mostra SP exibiu 17 filmes, vindos de todos os cantos do mundo e inscritos por seus países de origem junto à Academia de Hollywood (ver lista no final).
Passo, agora, ao calendário de festivais e mostras que se acumularão nas próximas seis semanas de novembro/dezembro:

. Festival de Vitória (ES): 23 a 28 de novembro

. Festival Mix Brasil: de 10 a 21 de novembro

. Fest Varilux (Cine Francês): 25/11 a 8/12

. Mostra de São Miguel do Gostoso (RN): de 26 a 30 de novembro

. CineCeará (Fortaleza): de 27/11 a 03/12

. Festival de Brasília (DF): 7 a 14 de dezembro

. Festival Aruanda (PB): de 9 a 15 de dezembro

. Festival do Rio (RJ): de 9 a 19 de dezembro

* Entrega dos Troféus Grande Otelo aos Melhores do Cinema Brasileiro: dia 28 de novembro, domingo, no Teatro Municipal de São Paulo, com transmissão ao vivo pela TV Cultura. Promoção da Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais.

  • ** Filmes indicados ao Oscar Internacional exibidos pela Mostra SP 45:
  • . Brasil – “Deserto Particular”, de Aly Muritiba
  • . França – “Titane”, de Julia Docournau
  • . Colômbia – “Memória”, de Apichatpong Weerasethakul
  • . Finlândia – “Compartment No. 6”, de Juno Kuosmamn
  • . Irã – “Um Herói”, de Asghar Farhadi
  • . Rússia: “Unclenching the Fists”, de Kira Kovalenko
  • . Geórgia – “Bringthton 4th”, de Levan Koguashvili
  • . Áustria – “Great Freedom”, de Sebastian Meise
  • . Islândia – “Lamb”, de Valdimar Jóhannsson
  • . Malta – “Entre Águas”, de Alex Camilleri
  • . Suíça – “Olga”, de Elie Grappe
  • . Eslovênia – “Samremo”, de Miroslav Mandic
  • . Polônia – “Sem Deixar Rastros”, de Jan Matszynski
  • . Indonésia – “Yuno”, de Kamila Andini
  • . Bulgária – “Medo”, de Ivaylo Hristov
  • . Bélgica – “Playground”
  • . Macedônia de Norte – “Irmandadade” ( “Sisterhood”), de Dina Duma