O HOMEM QUE INTERPRETAVA COM A NUCA – DOCUMENTÁRIO
SOBRE PAULO JOSÉ — EM CARTAZ

+ PAULO JOSÉ ILUMINADO

+ CANAL THOMAZ FARKAS,

NA REVISTA DE CINEMA/Uol

+ CHICO BUARQUE (SESCTV)

+ TRAJANO & PINHEIRO

(MPB E JORNALISMO)

1. Canal Thomaz Farkas
(na Revista de Cinema/Uol)

2. Chico Buarque no SESCTV
(Super Libris, programa de Torero)

3. Trajano conversa com
Chico Pinheiro no Canal Brasil

Deliciosa conversa com o jornalista que foi assessor de
imprensa de Milton Nascimento e trupe e comandou,
por 17 anos, o SARAU, na GloboNews. Um cara louco por MPB.

****CANAL THOMAZ FARKAS:

http://revistadecinema.com.br/2018/05/thomas-farkas-tem-sua-obra-reunida-em-canal-online/

*******PAULO JOSÉ:

O HOMEM QUE INTERPRETAVA
COM A NUCA É TEMA DE
FILME ARREBATADOR

Fui assistir ao filme “Todos os Paulos do Mundo”, de uma dupla de jovens documentaristas, com uma expectativa enorme. Amara o trailer. E pensara: se o filme for metade deste trailer, que prazeroso será assistir a este documentário. Mal cheguei do México, mal recuperara o sono, e lá fui eu para a sessão das 14h40, na Reserva Cultural (último sábado). Assisti ao trailer de “Paraíso Perdido”, novo filme de Monique Gardenberg, e preparei-me para um reencontro com o Padre (e a Moça), com o alter-ego de Domingos Oliveira, com Macunaíma, com Policarpo Quaresma, etc, etc.
O filme começou e eu quase perdi o fôlego com sua primeira sequência: Paulo José interpretando com sua famosa NUCA. Lembrei-me, enquanto as imagens, montadas com poesia vertiginosa, corriam pela tela, que PJ gosta de lembrar que Joaquim Pedro de Andrade chegara da França, apaixonado pelo cinema de Bresson. Não queria intérprete representador, queria corporalidade. E Mário Carneiro, o grande fotógrafo, sob ordens de Joaquim e inspirados ambos pelo belo poema de Drummon, mergulharam nas Minas profundas e danaram a filmar os atores (Paulo e Helena Ignez) vistos de costas. Nunca se viu NUCA tão bem filmada. E como os dois jovens documentaristas valorizaram o cinema de invenção pura de Quinca-Carneiro-Paulo-Helena. Tive uma epifania. O filme seguiu com imagens de Paulo correndo (o apavorado homem nu, muitas corridas). E eu em êxtase, não acreditando no que estava vendo. Quem são estes dois diretores jovens? Nada sei deles. São também montadores (ajudados pelo mestre Mair Tavares e por Tina Safira), são amantes profundos do cinema brasileiro e deste grande ator que é Paulo José. E toma Macunaíma, o mais tropicalista dos filmes brasileiros. Guitarra, ternos verde-amarelos, flores de papel crepom, Grande Otelo “quebrando a sisudez do Cinema Novo”… E Cy, a guerrilheira, fazendo amor com Macunaíma. E PJ contando como ele e Dina Sfat se apaixonaram. Estavam num ensaio da peça “O Filho do Cão” (errei, por excesso de emoção??) e veio uma força, “um éter”, e tomou os dois corpos. Pararam o ensaio, apaixonados em último grau. A judia e o gaúcho iam do Teatro de Arena, até a casa dela, em longa caminhada, com os corpos eletrizados de tanto sentimento amoroso-erótico. Nunca tinha visto definição tão linda do amor. Ele, PJ, dará outra quase tão linda lição de amor, quando contar de sua paixão pela figurinista Kika Lopes, que conhecera no set de filmagem do primeiro e único longa de Bial (baseado em Rosa: “Outras Estórias”). Tudo que trazia Domingos de Oliveira era lindo, pois Domingos escolheu Paulo para duplicá-lo. Sofrem até da mesma doença (o Parkinson). Juntos fizeram poemas fílmicos: “Todas Mulheres do Mundo” (que empresta nome ao novo filme), “Edu Coração de Ouro”, “Juventude”… E Paulo com Leila Diniz, quanta beleza num só fotograma!! E Anecy Rocha e seus lábios cheios em “As Amorosas”, amando Paulo. O Paulo de Maurício Gomes Leite (Vida Provisória), o Paulo de “Saneamento Básico” (ator amado por Jorge Furtado), o Paulo colorido de “O Palhaço”… Tantos filmes, tantas imagens, tantos dizeres (todos proferidos por PJ, mas ditos por vozes femininas e masculinas, como se de Paulo fossem). O documentário superava — e muito — a minha imensa expectativa. Eu estava feliz, muito feliz, com o que via. Só tenho um reparo: detestei o final. OK: trata-se de registro dos 80 anos de Paulo José, razão de existência do filme-homenagem-invenção. Mas o registro é precário, mesmo com os dois Paulos em cena (o verdadeiro e o domingueiro). Depois de ver imagens tão belas, tão arrebatadoras (em especial as de Mário Carneiro) eu queria que aquele aniversário fosse podado na moviola (ok, na ilha de edição). Não está à altura da invenção que domina 98% deste filme notável, obrigatório, criativo, lição de amor e vigor… Enfim, prova de paixão pelo cinema brasileiro destes dois meninos que encontraram na produtora Vânia Catani seu esteio. E repito aqui: que bom contar com atores-pensadores da grandeza (e brasilidade) de Paulo José, Lima Duarte, Matheus Nachtergaele… Ah, não saiam do cinema antes dos créditos. Além da deliciosa frase (“Nós fazemos o melhor cinema brasileiro do mundo”) somos brindados com um Macalé jovenzinho cantando. O que faz ali o ator de Amuleto de Ogum e Tenda dos Milagres? Aguardem para ver. E aos jovens Rodrigo de Oliveira e Gustavo Ribeiro, mais Vânia Catani: o meu mais agradecido “muito obrigado” por este filme. Aguardando o DVD, rô caetano

DOCUMENTÁRIO SOBRE A CARREIRA
DO ATOR PAULO JOSÉ – EM CARTAZ
EM VÁRIAS CIDADES BRASILEIRAS:

DOCUMENTÁRIO SOBRE A CARREIRA DO ATOR PAULO JOSÉ ESTREIA NESTA QUINTA ?Todos os Paulos do Mundo? produzido por Vania Catani estreia dia 10 de Maio com distribuição pelo Projeto Sessão Vitrine Petrobras Fotos: Trailer: Mídias Sociais: A carreira de P

DOCUMENTÁRIO SOBRE
A CARREIRA DO ATOR PAULO JOSÉ

‘Todos os Paulos do Mundo’
produzido por Vania Catani:
estreia do último dia 10 de Maio com distribuição
pelo Projeto Sessão Vitrine Petrobras

imagem