Imagens do Inconsciente “é uma das atrações da SEMANA DO CINEMA, que busca retomada do diálogo com o público pós-Pandemia. Ingressos a dez reais.

Imagens do Inconsciente, de Leon Hirszman, entra em cartaz no São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, com sessões de Fernando Diniz – Em busca do espaço cotidiano, Adelina Gomes – No reino das mães, Carlos Pertuis – A barca do sol e Posfácio uma entrevista da Dra. Nise da Silveira a Leon Hirszman, realizada em 1987 poucos meses antes do falecimento do diretor. O material foi editado por Eduardo Escorel em 2014. Os filmes serão exibidos com ingressos a R$ 10,00 (preço único), dentro da promoção Semana do Cinema, que envolve todos os exibidores do país.

Os cinemas estão realizando está atividade para mobilizar o público que frequentava as salas antes da pandemia. Por isso, todos devem difundir o valor do ingresso para a SEMANA DO CINEMA, de 15 a 21 de setembro, válido para qualquer filme em cartaz,com exceção das salas IMAX.

São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte exibem o Festival “IMAGENS DO INCONSCIENTE”

Filmes dirigidos por Leon Hirszman em 1986, mais um posfácio com entrevista da Dra. Nise da Silveira, editado por Eduardo Escorel em 2014, serão apresentados no Espaço Itaú Augusta (SP), Espaço Itaú Botafogo (RIO) e no UNA Cine Belas Artes (BH)

Festival entra na promoção Semana do Cinema, de 15 a 21 de setembro, com ingressos a R$ 10,00 (dez reais)

A partir de casos clínicos e terapias, baseadas numa abordagem humanista e na expressão artística, conduzidas pela pioneira psiquiatra Nise da Silveira (1905 – 1999), no Centro Psiquiátrico Pedro II, o documentário reconta a história de Fernando Diniz, Adelina Gomes e Carlos Pertuis que, por meio de pinturas altamente expressivas, estabelecem uma ponte entre seus interiores mais íntimos e a realidade mais aguda.

São três artistas. Três histórias de vida. Três casos clínicos. Uma trilogia em que o realizador procurou “uma linguagem cinematográfica que permitisse narrar os filmes a partir dos próprios trabalhos pintados pelos artistas”, no serviço de terapia ocupacional e reabilitação criado em 1946 pela dra. Nise da Silveira, no Centro Psiquiátrico Pedro II. São pinturas, desenhos e modelagens que “expressam o mundo interior de três artistas”, Fernando Diniz (“a pintura em luta constante contra o caos para recuperar o espaço cotidiano”), Adelina Gomes (“a pintura em luta para expulsar os fantasmas e recuperar a condição feminina”) e Carlos Pertuis(“a dolorosa busca da consciência da humanidade pelas lendas”).

O filme é dividido em três episódios: Fernando Diniz – Em busca do espaço cotidiano; Adelina Gomes – No reino das mães; Carlos Pertuis – A barca do sol. Ao material foi acrescentado o Posfácio – uma entrevista da Dra. Nise da Silveira a Leon Hirszman, realizada em 1987 poucos meses antes do falecimento do diretor. O material foi editado por Eduardo Escorel em 2014.

PROGRAMAÇÃO

Em todos os cinemas, os filmes serão exibidos nos mesmos dias e horários.

Dias 15 (quinta-feira) e 19 (segunda-feira) às 18h

EM BUSCA DO ESPAÇO COTIDIANO – Fernando Diniz

Doc, cor, 80min, 1986

Este episódio tece considerações sobre o trabalho de Nise da Silveira à frente do Museu de Imagens do Inconsciente e o papel da atividade artística no tratamento dos pacientes. Em busca do espaço cotidiano, denuncia os limites da psiquiatria tradicional e a decadência dos lugares que acomodam os doentes. A partir daí, volta-se para o caso do Fernando Diniz, cujas pinturas funcionam como lugar de exposição de seus tormentos subjetivos.

Dias 16 (sexta-feira) e 20 (terça-feira), às 18h
NO REINO DAS MÃES – Adelina Gomes

Doc, cor, 55min, 1986

O episódio tem como principal personagem a paciente Adelina Gomes – moça pobre, filha de camponeses, internada num hospício no final dos anos 1930. Aos 18 anos, Adelina apaixonou-se por um rapaz, mas seu casamento foi proibido pela mãe. Em sinal de revolta, ela estrangula a gata de estimação da família e recebe o diagnóstico de esquizofrenia. Ao longo do filme, conhecemos as esculturas e pinturas feitas por Adelina no ateliê da Seção de Terapêutica Ocupacional do Centro Psiquiátrico Nacional, organizada por Nise da Silveira em 1946.

Dias 17 (sábado) e 21 (quarta-feira), às 18h

A BARCA DO SOL – Carlos Pertuis

Doc, cor, 70min ,1986

O episódio mergulha no universo místico de Carlos Pertius, filho de uma família de imigrantes franceses, internado aos 29 anos. Depois de enfrentar problemas pessoais como a morte do pai, ele certo dia vislumbrou uma imagem cósmica, a que deu o nome de “o planetário de Deus”. Foi encarcerado no hospital da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, e recebeu o diagnóstico de esquizofrenia. Em 1946, passou a frequentar o ateliê criado por Nise da Silveira, afeiçoando-se por ele como se fosse sua casa. Suas obras são marcadas pela presença de mandalas, sinais de suas tentativas de organizar o caos psíquico.

Dia 18 (domingo), às 18h

POSFÁCIO – Entrevista Dra. Nise da Silveira

Doc, cor, 79min, 2014

Depoimento da Dra. Nise da Silveira, psiquiatra e fundadora do Museu de Imagens do Inconsciente a Leon Hirszman. Complemento da trilogia Imagens do inconsciente, de Leon Hirszman (1937-1987). O material bruto não editado pelo cineasta tornou-se um filme em montagem de Eduardo Escorel.

Obs:a partir do dia 23 os filmes estarão disponíveis na plataforma do Itaú Cultural Play.

LEON HIRSZMAN

Ainda estudante de Engenharia, Leon Hirszman (Rio de Janeiro, 1937 – 1987), iniciou suas atividades em cineclubes e ligou-se a Augusto Boal, Gianfrancesco Guarnieri e Oduvaldo Viana Filho. Foi um dos fundadores do CPC – Centro Popular de Cultura, da União Nacional dos Estudantes (UNE), onde realizou seu primeiro filme, o curta “Pedreira de São Diogo” (episódio de “Cinco vezes favela”, 1962). Pelo filme “Eles não usam black-tie” (1981), adaptação da peça de Gianfrancesco Guarnieri, recebeu Leão de Ouro do Festival de Veneza.

Os últimos anos de sua vida foram dedicados ao projeto Imagens do inconsciente, uma série de três documentários sobre três artistas esquizofrênicos do Centro Psiquiátrico Pedro II do Rio de Janeiro, coordenado pela psicanalista Nise da Silveira. O trabalho foi concluído em 1986.

Assessoria de Imprensa

TROMBONE COMUNICA