A INDICAÇÃO ENTUSIÁSTICA DE “BICICLETAS DE NHANDERÚ” É
DE Rô Caetano, autora da foto abaixo, de seus realizadores, Ariel Ortega e
Patrícia Ferreira. Atenção, CRÍTICOS E
PESQUISADORES gaúchos,
que deixaram o filme escapar do
importante livro com “50 OLHARES
SOBRE O CINEMA GAÚCHO”
(Editora Opinião/ACCIRS, 2022).

Itaú Cultural Play estreia nesta sexta-feira novos filmes de diretores
negros e indígenas

DA ASSESSORIA DE IMPRENSA:

A partir deste 9 de setembro, a Itaú Cultural Play
estreia em seu catálogo mais nove filmes que
se juntam aos mais de 400 títulos disponíveis
na plataforma de streaming gratuita do Itaú Cultural.
Dessa atualização, dois filmes são dirigidos
por cineastas indígenas e sete unem
o real com a fantasia.
Destaque para Nũhũ Yãgmu Yõg Hãm – Essa terra
é nossa! (2020), que reuniu quatro diretores para
a realização do filme: Isael Maxakali, Sueli Maxakali,
Carolina Canguçu, Roberto Romero. Eles mostram a ação devastadora do homem branco sobre os indígenas, desde a chegada dos portugueses até os dias de hoje.Tikmũ’ũn narram a história da colonização e da violência dos não indígenas contra eles e a floresta, segundo a sua visão. A morte dos rios e das matas, a invasão de terras e o extermínio de aldeias inteiras são descritos a partir de uma indignada e iluminadora perspectiva.

Outro destaque é o filme Egum (2020), onde o diretor Yuri Costa trata da violência e do genocídio da população negra. Ao mesmo tempo, resgata a ancestralidade e a cultura de origem africana. A obra, composta por uma equipe formada majoritamente por negros, é inspirada na história do psicanalista e filósofo político Frantz Fanon, natural das Antilhas da colônia francesa da Martinica e cujas obras tornaram-se influentes no campo dos estudos pós-coloniais e da teoria crítica.

Compartilho anexo o release com as informações de todos os filmes e frames de divulgação. Abaixo o serviço de ambos os filmes:

Egum (2020, Rio de Janeiro)

De Yuri Costa

Duração: 23 minutos

Classificação indicativa: 12 anos (drogas lícitas, medo e linguagem imprópria

Nũhũ Yãgmu Yõg Hãm – Essa terra é nossa! (2020)

De Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu, Roberto Romero

Duração: 70 minutos

Classificação indicativa: 10 anos (angústia e violência)

Lembrando que a Itaú Cultural Play é uma plataforma de streaming de cinema gratuita. Seu App está disponíveis nos dispositivos Android e IOS e seu acesso também pode ser feito pelo site

www.itauculturalplay.com.br

M. Vinicius Magalhães

Núcleo Itaú Cultural
55 11 99295-7997
www.conteudocomunicacao.com.br

Itaú Cultural Play amplia programação de produções indígenas e fantásticas de seu catálogo

Plataforma de streaming gratuita recebe mais sete obras do Norte, Sul e Sudeste que unem histórias realistas e fantasiosas. Mais dois longas-metragens dirigidos por cineastas indígenas, cujas narrativas mergulham sobre a cultura, os costumes e os desafios de dois povos originário, reforçam a programação

Na quarta-feira 9 de setembro, a Itaú Cultural Play fixa em sua programação a mostra Janelas Extraordinárias, uma seleção de sete filmes, dirigidos em Tocantins, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, que flertam com o realismo e a fantasia de suas histórias. A programação é completada com as inclusões de mais dois títulos de cineastas indígenas: Bicicletas de Nhanderú e Nũhũ Yãgmu Yõg Hãm – Essa terra é nossa!

A plataforma de streaming Itaú Cultural Play é gratuita e pode ser acessada por dispositivos móveis IOS e Android ou pelo site www.itauculturalplay.com.br.

O fantástico e o real

Realizados nos últimos anos por jovens diretores das regiões Norte, Sul e Sudeste, a seleção da mostra Janelas Extraordinárias aponta um dos caminhos que o audiovisual brasileiro tem trilhado para romper as fronteiras entre as histórias realistas e fantasiosas.

No filme de terror Chacal (2020), a diretora paraense Marja Calafange trata o processo de envelhecimentos de seus personagens de forma poética e original, em um roteiro sem diálogos. Nele, uma senhora idosa, sufocada por uma inexplicável pulsão de morte, abandona seus bens, sua casa e sua família. Ela decide viver na floresta, até se integrar completamente à natureza.

Coprodução de Brasil e Portugal, Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (2018) resulta de uma relação dos cineastas João Salaviza e Renée Nader Messora com o povo Krahô, que vive em uma aldeia indígena de Pedra Branca, no estado do Tocantins. Premiado na mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes, o longa-metragem faz uma experimentação híbrida entre o documental e o ficcional.

O filme mostra a história de um jovem Krahô que é convocado pelo seu pai a se tornar um xamã. Após negar o pedido, ele foge para a cidade grande, mas, distante da sua cultura e da sua ancestralidade, sentirá as consequências da sua decisão.

Em Egum (2020), o diretor Yuri Costa trata da violência e do genocídio da população negra. Ao mesmo tempo, resgata a ancestralidade e a cultura de origem africana. A obra, composta por uma equipe formada majoritamente por negros, é inspirada na história do psicanalista e filósofo político Frantz Fanon, natural das Antilhas da colônia francesa da Martinica e cujas obras tornaram-se influentes no campo dos estudos pós-coloniais e da teoria crítica.

O filme acompanha os desafios de um renomado jornalista, perturbado pela morte de forma violenta do irmão. Ele volta para casa para ajudar a cuidar da mãe, que tem uma doença desconhecida. Uma série de acontecimentos e encontros estranhos envolvendo seu pai o levam a suspeitar e temer que uma tragédia se abata novamente sobre a sua família.

Com direção de Beatriz Seigner, Los Silêncios (2019) mostra a ressignificação das fronteiras da Amazônia e aborda temas ligados aos refugiados, luto e alteridade. Após fugirem de um conflito armado, um pai e seus dois filham chegam a uma ilha na fronteira entre o Brasil, Peru e Colômbia. Enquanto tentam uma nova vida, a família descobre que a ilha é conhecida por ser povoada por fantasmas.

Contemplado pelo Rumos Itaú Cultural, Mãtãnãg, A Encantada (2019),deShawara Maxakali e Charles Bicalho, é uma história de amor com toques de espiritualidade que faz o espectador conhecer a cultura do povo da Aldeia Verde, no município de Ladainha, em Minas Gerais, que dá nome ao filme.

O longa-metragem de animação conta a mitologia Maxakali ,segundo a qual Mãtãnãg seguiu o espírito do marido, fulminado por uma picada de cobra, até a aldeia dos mortos. Apesar de ultrapassarem juntos os obstáculos entre esses dois mundos, a alma de Mãtãnãg precisa voltar para o plano terreno. Essa não será a última vez em que vivos e mortos se reencontram.

Com direção de Marina Meliande, Mormaço (2019) mescla realismo e fantasia para abordar a especulação imobiliária brasileira, durante a preparação do maior evento esportivo do mundo no Rio Janeiro. O filme mostra a história de uma defensora pública, que trabalha na defesa de uma comunidade carioca, às vésperas das Olimpíadas de 2016, no Rio. Ameaçada de ser expulsa de seu posto, para que não impeça a realização das obras no Parque Olímpico, ela começa a apresentar sintomas de uma doença misteriosa, enquanto o mormaço toma conta da cidade

Esta seleção de filmes é completada com o curta Sem Asas (2018), de Renata Martins. A produção mostra os perigos que a população negra da periferia enfrenta em seu cotidiano. Ele retrata os desafios constantes para serem ultrapassados nas famílias, a transição da infância para uma maturidade forçada, o racismo e a truculência policial.

A narrativa inicia com um jovem estudando para uma prova, enquanto o seu pai começa a trabalhar em um novo emprego e a mãe faz coxinhas para vender fora. Um dia, ela pede para o filho ir comprar farinha de trigo, mas o simples ato de sair para buscar o ingrediente no mercado ocasiona um grande conflito impactando a realidade de todos.

Sob o olhar dos povos originários

Incrementando as produções audiovisuais de realizadores indígenas no catálogo da Itaú Cultural Play, a mostra Filmoteca Indígena reúne dois filmes que mostram a cultura, os costumes e os desafios de dois povos originários.

Dirigido por Patrícia Ferreira Mbya e Ariel Duarte Ortega, Bicicletas de Nhanderú (2011)traz o cotidiano e a espiritualidade do povo da aldeia Koenju, em São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul. Realizado pelo Coletivo Mbyá-Guarani de Cinema e produzido pelo Vídeo nas Aldeias, o documentário coloca em debate, a partir de dois meninos, os efeitos do contato com a cultura dos não indígenas.

O filme mostra que, de acordo com a crença dos Mbya-Guarani, que a queda de um raio significa que Tupã enviou uma mensagem de Nhanderú, descontente com as atitudes dos habitantes da aldeia. Todos precisam rever seus conceitos.

Nũhũ Yãgmu Yõg Hãm – Essa terra é nossa! (2020) reuniu quatro diretores: Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu, Roberto Romero. Eles mostram nesse filme a ação devastadora do homem branco sobre os indígenas, desde a chegada dos portugueses até os dias de hoje.Tikmũ’ũn narram a história da colonização e da violência dos não indígenas contra eles e a floresta, segundo a sua visão. A morte dos rios e das matas, a invasão de terras e o extermínio de aldeias inteiras são descritos a partir de uma indignada e iluminadora perspectiva.

SERVIÇO:

Itaú Cultural Play

www.itauculturalplay.com.br

9 de setembro (sexta-feira) – programação fixa no catálogo

JANELAS EXTRAORDINÁRIAS:

Chacal (2020, Paraná)

De Marja Calafange

Duração: 15 minutos

Classificação indicativa: 14 anos (nudez e medo)

Chuva é cantoria na aldeia dos mortos (2018, Tocantins)

De João Salaviza e Renée Nader Messora

Duração 114 minutos

Classificação indicativa: Livre

Egum (2020, Rio de Janeiro)

De Yuri Costa

Duração: 23 minutos

Classificação indicativa: 12 anos (drogas lícitas, medo e linguagem imprópria

Los silencios (2019, São Paulo)

De Beatriz Seigner

Duração: 89 minutos

Classificação indicativa: 12 anos (violência e temas sensíveis)

Mãtãnãg, A Encantada (2019, Minas Gerais)

De Shawara Maxakali e Charles Bicalho

Duração: 14 minutos

Classificação indicativa: 10 anos (Drogas lícitas, violência e nudez)

Mormaço (2019, Rio de Janeiro)

De Marina Meliande

Duração: 97 minutos

Classificação indicativa: 14 anos (violência, conteúdo sexual e drogas lícitas)

Sem Asas (2018, São Paulo)

De Renata Martins

Duração: 20 minutos

Classificação indicativa 12 anos (Medo e violência)

FILMOTECA INDÍGENA

Bicicletas de Nhanderú (2011)

De Patrícia Ferreira Mbya e Ariel Duarte Ortega

Elenco: PPovo Mbya-Guarani

Duração: 45 minutos

Nũhũ Yãgmu Yõg Hãm – Essa terra é nossa! (2020)

De Isael Maxakali, Sueli Maxakali, Carolina Canguçu, Roberto Romero

Duração: 70 minutos

Classificação indicativa: 10 anos (angústia e violência)

Itaú Cultural

www.itaucultural.org.br
www.twitter.com/itaucultural
www.facebook.com/itaucultural
www.youtube.com/itaucultural

ASSESSORIA DE IMPRENSA:

Conteúdo Comunicação

Cristina R. Durán: (11) 9 8860 9188

cristina.duran
Larissa Correa: (11) 9 9722 1137

larissa.correa

Mariana Zoboli: (11) 9 8971 0773

mariana.zoboli
Roberta Montanari: (11) 9 9967 3292

roberta.montanari
Vinicius Magalhães: (11) 9 9295 7997

vinicius.magalhaes
Programa Rumos Itaú Cultural:

Carina Bordalo: (11) 9 8211 6595

carina.bordalo