100 MAIORES HISPÂNICOS + GRAMADO: VENCEDORES + Co-produção Uruguai-Brasil-Argentina-França /San Sebastián

+ GRAMADO 2020
(ANO 48): Os VENCEDORES (na Revista de Cinema)

+ 100 Maiores Filmes HISPÂNICOS
de todos os tempos (segundo BBC Mundo)

+ Egeda: Co-produção Uruguai-Brasil-Argentina-França premiada em San Sebastián

+ NA REVISTA DE CINEMA:
Gramado premia “King
Kong en Asunción”,
“La Frontera” e
“O Barco e o Rio”

http://revistadecinema.com.br/2020/09/gramado-premia-king-kong-en-asuncion-la-frontera-e-o-barco-e-o-rio/

+ LISTA DOS 100 MELHORES
FILMES HISPÂNICOS
DE TODOS OS TEMPOS
(SEGUNDO A BBC MUNDO)

https://www.bbc.com/mundo/noticias-54295572

+ CENTENARIO DE
SERGEI BONDARCHUK
Podcast no espaço YouTube
do CPC-UMES Filmes.
Hoje, último dia para
ver filme do realizador
soviético no mesmo espaço.
Link direto para o episódio:
https://youtu.be/FIGYRESZe7c

********Link do canal

CPC-UMES Filmes no Youtube:

http://bit.ly/CPCUMESFilmes

+ SANTOS FILM FESTIVAL

começa nessa terça-feira.

***Hoje tem maratona ETV – É
Tudo Verdade (Festival Internacional
de Cinema Documental SP-RJ)

+ MOSTRA TIRADENTES
em São Paulo:
festival on-line, no Cinema em Casa
do Sesc: de primeiro a 7 de outubro

+ FAM FLORIPA 2020
Acompanhe o FAM (Ano XXIV) – No Espaço
on-line do festival de Florianópolis, em Santa Catarina

+ DUAS “LIVES”
SOBRE QUATRO
DOS MAIORES NOMES
DO CINEMA RUSSO-SOVIÉTICO
(DIAS 3 e 10 DE OUTUBRO)
Detalhes abaixo

+ PRÊMIO EGEDA-PLATINO
Co-produção Uruguai-Brasil-Argentina-França

premiada em San Sebastián

“O empregado e o patrão” ganha o prêmio

EGEDA-PLATINO INDÚSTRIA, no WIP LATAM

Dirigida pelo uruguaio Manuel Nieto, co-produção reúne Uruguai, Brasil, Argentina e França e recebeu o prêmio de 30.000 euros

San Sebastián, 26 de setembro de 2020

O filme “O empregado e o patrão”, dirigida e produzida por Manuel Nieto, foi o vencedor do Prêmio Egeda-Platino Indústria, no valor de 30.000 euros. Mais de 200 projetos se candidataram nesta edição do prêmio, que se caracterizou pela alta qualidade das produções.

O patrão é um jovem de uma família burguesa que pratica uma vida moderna e não se encaixa no estereótipo tradicional de um produtor rural. O empregado é ainda mais jovem que ele e precisa encontrar com urgência um trabalho para sustentar sua família recém-constituída. Mas uma tragédia paira sobre o ambos: o bebê do empregado more em um acidente com o trator. É um filme sobre a relação de dois jovens com a felicidade, a liberdade é o trabalho.

Manuel Nieto (Montevidéu, 1972) escreveu e dirigiu seu primeiro filme, “La perrera”, em 2006, vencedor do Tiger Award no Festival de Rotterdam. Seu segundo filme, “O lugar do filho”, de 2013, estreou no Festival de Toronto e conquistou prêmios no Festival de Havana.

+ “BLACKOUT” E “DORIVAL” (DIÁLOGOS) + FEST GRAMADO 2020 (ANO 48) NA REVISTA DE CINEMA

+ CINEMA RUSSO EM CASA – CPC-UMES Filmes –
O DESTINO DE UM HOMEM – 25/09 A 27/09

**Mostra Cine África prossegue no
Cinema em Casa do Sesc: um novo filme a cada quinta-feira

***Mostra de Cinema Chinês
prorrogada por mais um mês

***Revista de Cinema
FEST GRAMADO 2020:
Sexta noite da competição apresentou a “evasão de
privacidade” de Sidney Magal e história homoafetiva vinda
do Chile. E dois curtas: “Você Tem Olhos Tristes” (com Giulda Nomacce e Bernardet em participações especiais) e “Remoninho” (com Zezita Mattos”

http://revistadecinema.com.br/2020/09/gramado-apresenta-a-evasao-de-privacidade-de-sidney-magal-e-historia-homoafetiva-vinda-do-chile/

+ “BLACKOUT” (2020) E “O DIA EM QUE
DORIVAL ENCAROU A GUARDA” (1986)
CINEASTA DISSE DE “DORIVAL”
Pedi ao cineasta e montador gaúcho Giba Assis Brasil, da
equipe de “O Dia Em Que Dorival Encarou a Guarda”, que comentasse as observações da cineasta carioca Rossandra
Leone (“Blackout”) , feita em debate on-line do Festival de Gramado. Depois de resumo (na Revista de Cinema) que fiz das considerações da jovem realizadora carioca, vem o
comentário de Giba:
(…) A jornalista gaúcha Carol Zatz viu no premiadíssimo “O Dia em Que Dorival Encarou a Guarda” (Jorge Furtado e José Pedro Goulart, 1996) uma das fontes de diálogo de “Blackout” (2020, na competição de Gramado). A jovem diretora Rossandra Leone concordou, estabelecendo, porém, a principal diferença: “Gosto muito de ‘Dorival’ e algumas falas do meu roteiro referenciam falas do filme gaúcho, mas no meu curta, a personagem negra acaba bem”. E acrescentou: “Dorival se dá mal no enfrentamento que faz aos militares que o interrogam. Nós, realizadores negros, entendemos que é hora de abandonar os clichês dos corpos pretos submetidos ao sofrimento, à tortura. Minha protagonista é uma mulher preta, inteligente, criativa, assertiva e capaz de derrotar o investigador branco e autoritário”.

**** COMENTÁRIO DE GIBA
ASSIS BRASIL (da equipe de DORIVAL):

Ótimo comentário da Carol Zatz. Concordo que é hora de termos novas narrativas pretas, e não somos nós brancos que vamos construí-las. Mas acho que ela se equivoca quando diz que Dorival se dá mal no enfrentamento aos militares. Ele leva uma surra, é verdade, mas consegue o que queria: tomar um banho. E melhor: conquista um aliado, o Sargento.

+ FEST GRAMADO 2020 (REVISTA DE CINEMA) + CENTENARIO BONDARCHUK + CINECLUBE UFF

*******Podcast Serguei
Bondarchuk (1920-1994)

POR IGOR OLIVEIRA
Do CPC-UMES FILMES

https://youtu.be/FIGYRESZe7c

Link do canal CPC-UMES Filmes no Youtube: http://bit.ly/CPCUMESFilmes

Vai ao a partir das 17h00 dessa sexta-feira.
Das 17h00 às 18h00, acompanharei o chat,
já que muita gente acaba
achando que é ao vivo. Então vou interagindo
com o pessoal e respondendo a eventuais perguntas.

*****PODCAST DO CPC-UMES
FILMES – CINEMA RUSSO E
SOVIÉTICO – EP. 2 – SERGUEI BONDARCHUK

No segundo episódio do PODCAST CINEMA
SOVIÉTICO E RUSSO, João Lanari Bo (professor da
UnB e pesquisador) e Igor Oliveira (CPC-UMES Filmes)
conversam com a jornalista Maria do Rosário Caetano
sobre a trajetória de Serguei Bondarchuk, cujo
centenário de nascimento completa-se em 25/09/2020.
Ator, diretor, roteirista, produtor e idealizador de projetos e políticas de valorização do cinema, Bondarchuk atuou em mais de 40 filmes e dirigiu 13, entre eles “Guerra e Paz”, considerado a mais fiel adaptação do clássico de Liev Tolstoi. Com 7 horas de duração e 4 partes, o filme venceu o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro (1968), o Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro (1969), e o Grande Prêmio do 4º Festival Internacional de Cinema de Moscou (1965).

+ FAM FLORIPA COMEÇOU QUINTA-FEIRA +
FEST É TUDO VERDADE (GUZMÁN, WENDERS E 60
FILMES BRASILEIROS E INTERNACIONAIS)

*** CINEMA RUSSO EM CASA:
CPC-UMES Filmes apresenta
“O DESTINO DE UM HOMEM”
Exibição gratuita dessa
sexta-feira, 25/09 a domingo, 27/09

http://bit.ly/CPCUMESFilmes.

Continuamos o
projeto “Cinema Russo em Casa”,
com a exibição gratuita de um filme

por semana no nosso canal do Youtube.

O filme desta semana (até HOJE, DOMINGO) é

O DESTINO DE UM HOMEM (Serguei Bondarchuk, 1959),
filme de estreia do diretor, celebrando o centenário de seu nascimento, ocorrido em 25/09/1920.

A exibição estará disponível de

sexta, 25/09, 19h, até domingo, 27/09, 19h.
Temos programação confirmada até

novembro deste ano.

Link para acessar o canal:

http://bit.ly/CPCUMESFilmes.

*******AQUILES REIS:
Sem o MPB4, abaixo segue
meu primeiro projeto solo

Meus queridos! Pela primeira vez, sem rede, trago
até vocês o meu projeto solo. Ficarei
feliz se vocês o assistirem.
Fraternalmente. Aquiles

Segue o release e a ficha técnica:
Release “Toda Canção é de Ninar”

Dividido em nove capítulos, o projeto “Toda Canção É de Ninar” conta com músicas gravadas a capella por mim num CD independente, e inclui contos de “Os ‘pensos’ de José Maria Lindoia, o Zé Junior”, incluídos num livro infanto-juvenil, ambos inéditos. O projeto iniciará 24 de setembro, quinta-feira, a partir das 17:00, quando num vídeo lerei um dos contos de “Os ‘pensos’ de Zé Maria Lindoia” e cantarei uma das músicas do CD “Toda Canção É de Ninar”.

Os ‘pensos’ de Zé Junior relatam o dia a dia de um garoto que só dorme quando o pai canta para ele dormir. É que o Sr. Lindoia só canta as canções que ele aprendeu, faz tempo, e que sempre gostou de cantar, para embalar o sono do filho. Ele canta baixinho, quase sussurrando, numa levada lenta, sem o ritmo original da música… pode ser baião, samba… qualquer coisa. Além de revelar seus ‘pensos’, o guri está sempre lembrando o que seu pai vive dizendo: “Toda canção é de ninar, meu filho, aprenda isso”.

E é assim, em meio a revelações pueris e sagazes, que Zé Junior revela suas aventuras e nomeia a música que o pai cantará a cada capítulo.

Durante esta primeira apresentação de “Toda Canção É de Ninar” e “Os ‘pensos’ de José Maria Lindoia, o Zé Junior”, e em todos os capítulos seguintes, texto e música estarão presentes no mesmo contexto, mas cada um em seu devido lugar.

Durante a transmissão, haverá na tela um QR Code e um link que levará ao site PagSeguro. Eu lhes peço que, a cada capítulo, avaliem o meu trabalho solo e contribuam solidariamente com a quantia que puderem.

Guardado comigo há mais de 15 anos, lanço esse projeto que é fruto da arte e da cultura que aprendi a criar e a valorizar com o MPB4.

“Não está morto quem peleia”

(expressão gaúcha)

Horário: 17h

Para assistir:

https://m.facebook.com/mpb4oficial/

https://www.youtube.com/c/mpb4oficial

AMIGOS: Estou aqui numa pauleira louca, com a maratona do Festival de Gramado, que vai até sábado, e o Festival É Tudo Verdade, que começa hoje. Sem tempo para fazer o Almanakito (o que segue é um amontoado de notas). Só assistindo a muitos filmes e escrevendo matérias enormes (na Revista de Cinema). Todo dia, por volta perto das 17h30, 18h00, entra um texto novo.

Seguem, pois, avisos rápidos:

* Quarta-feira, mais um capítulo da série
CRITICOS, de Luiz Alberto Cassol, produção da
Accorde (gaúcha). No Canal Prime Box Brasil

* CAFÉ COM CANELA:
Já foi exibido o filme baiano, de Glenda Nicácio e Ary Rosa, no Cineclube UFF (Universidade Federal Fluminense), seguido de debate com os realizadores. No elenco, Babu Santana, intrepretando médico gay, um personagem maravilhoso….

+ FEST GRAMADO 2020 (ANO 48)

Noite paraguaia com “Matar a un Muerto”, e
brasileira com Ruy Guerra aos pedaços,
Dominique e Joãosinho da Goméa

http://revistadecinema.com.br/2020/09/festival-de-gramado-tem-noite-paraguaia-e-brasileira-com-ruy-guerra/

+ DUAS “LIVES” COM QUATRO
DOS MAIORES NOMES DO
CINEMA RUSSO-SOVIÉTICO:

Sergei Eisenstein, Vsevolod Pudovkin, Lev
Kulechov e Dziga Vertov (o pião que roda)

No dia 3 de outubro, sábado, às 19h00, será exibido o primeiro programa da série Cinema ao Vivo, que vai focalizar o pensamento e a obra de grandes realizadores da História do Cinema. Os filmes, ensaios e experimentos de Lev Kulechov, Vsevolod Pudovkin e de Serguei Eisenstein são os temas dessa estreia que será transmitida no canal do jornalista, dramaturgo e cineasta Evaldo Mocarzel no Youtube, com mediação da jornalista Maria do Rosário Caetano e participação especial do professor e pesquisador João Lanari Bo, autor do livro Cinema para Russos, Cinema para Soviéticos, lançado recentemente.
No dia 10 de outubro, também sábado, às 19h00, estará em foco um dos maiores documentaristas da História do Cinema: Dziga Vertov, “autor-supervisor de experimentos”, como gostava de se definir, diretor de Um Homem com uma Câmera, um dos títulos mais seminais de uma poética voltada para as surpresas do risco e do inesperado que emanam do que costumamos chamar de “real”. O programa terá participação especial do pesquisador Luís Felipe Labaki, autor da dissertação de mestrado “Viértov no papel: Um estudo sobre os escritos de Dziga Viértov”, apresentada na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), João Lanari Bo, Evaldo Mocarzel e Maria do Rosário Caetano.
Evaldo Mocarzel Oficial Youtube
Inscreva-se no canal!

* NESSA SEXTA, 25 DE SETEMBRO:

CPC-UMES Filmes disponibiliza podcast em comemoração aos 100 anos de nascimento do ator e cineasta russo Sergei Bondarchuk (1920-1994), autor dos épicos “Guerra e Paz”, “Waterloo” e “Boris Godunov”. Aguardem o endereço e leiam, na HP (Hora do Povo) digital, excelente artigo de Sérgio Torres sobre a trajetória de Bondarchuk, amigo de Orson Welles, Geraldine Chaplin, Rod Steiger (que Lanari acha o melhor “Napoleão do cinema”), Franco Nero e Ursula Andress. Ele fez filmes com diretores da grandeza de Dovchenko (Mitchurin), Sergei Guerassimov (“A Jovem Guarda”), Trauberg (ex-FEX), Friedrich Ermler, Mikhail Room, Roberto Rossellini (“Era Noite em Roma”, 1960), e Andrei Konchalovski (Tio Vania)….Dirigiu, ainda, dois filmes baseados em John Reed (“México em Chamas”, sobre a revolução mexicana de 1910) e “Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo” (sobre a revolução bolchevique, de 1917). ****Vale lembrar que Paul Leduc também realizou filme sobre a Revolução Mexicana, vista pelo norte-americano (“Reed, México Insurgente”).

*********** 24º FAM
começa nesta quinta-feira
com ficção científica brasileira

FAM – Florianópolis Audiovisual Mercosul

De 24 a 30 de setembro de 2020

O primeiro filme a ser exibido amanhã na mostra competitiva internacional de longas é o brasileiro “Loop, dirigido por Bruno Bini.
O longa tem em seu elenco, Bruno Gagliasso (também
produtor do filme), Bia Arantes e Branca Messina.

Por Celso Sabadin – Planeta Tela
A 24ª edição do Florianópolis Audiovisual Mercosul – FAM – importante e tradicional evento não apenas para o mercado brasileiro, como também vitrine de realizações de qualidade produzidas por vários de nossos vizinhos geográficos e culturais, começa nesta quinta-feira (24/09) na capital catarinense. Totalmente on-line, o 24º FAM terá palestras, lives, oficinas, encontros de coprodução, além de uma extensa programação de curtas e longas em mostras competitivas e expositivas.

O primeiro filme a ser exibido na mostra competitiva internacional de longas é o brasileiro “Loop”, rara incursão do nosso cinema no gênero ficção científica.

Com roteiro e direção do cuiabano Bruno Bini (em sua estreia em longas), “Loop” chega a Florianópolis com o aval de duas importantes premiações recebidas no Festival de Manchester, na Inglaterra: Prêmio do Júri e Melhor Filme do evento.

A trama começa em ritmo de policial. No alto de um prédio, vemos um homem ferido no chão do terraço, uma mulher morta ao seu lado, e uma terceira pessoa que – antes de se suicidar atirando-se do edifício – diz: “Você tinha que ter chegado mais cedo”. Corta para a delegacia, onde o perturbado sobrevivente desta cena de horror tenta explicar o ocorrido para um investigador/delegado. A história do rapaz não faz sentido e, pior, o policial não duvida dela. Começa assim uma viagem – no mais amplo sentido da palavra – que só não dá pra dizer que é feita em flashbacks porque o inventivo roteiro tentará desconstruir exatamente esta noção de tempo linear. Ou seja, diluem-se no tempo e no espaço os conceitos de flashback e fast-forward.

Geralmente nossa mente colonizada associa os termos “ficção científica” e “cinema” a uma baciada de efeitos especiais digitais espetacularizados. Não é o caso de “Loop”. Ainda que o longa tenha produção executiva de Fernando Meirelles, cineasta sintonizada com os desejos e aspirações do mercado, aqui o aspecto científico-ficcional está fundamentado na possibilidade metafísica de viajar no tempo. Sem a necessidade de nenhum De Lorean. É embarcar ou largar.

Não se trata de nenhum Christopher Nolan, mas “Loop” tem a habilidade do entretenimento que mistura ficção, policial, drama familiar e uma pitada de ação.

No elenco, Bruno Gagliasso (também produtor do filme), Bia Arantes e Branca Messina. *****A programação completa do FAM, mais os acessos a palestras e filmes estão em www.famdetodos.com.br

***** Websérie brasiliense de ficção
científica estreia dia 30 on line

*************PLANETELLE

WEBSÉRIE PRODUZIDA EM BRASÍLIA

ESTREIA DIA 30 DE

SETEMBRO NA INTERNET

#As atrizes Felícia Johansson e Clarisse Johansson

interpretam e dublam todas as personagens desta

bem humorada ficção científica ambientada

em planeta habitado só por mulheres

DA ASSESSORIA DE IMPRENSA

Um pequeno planeta habitado apenas por mulheres e à beira do apocalipse. Esse é o cenário da websérie PLANETELLE, criada e realizada por Felícia Johansson, reconhecida diretora de teatro em Brasília, que estréia no dia 30 de setembro na Internet. Com patrocínio do FAC – Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria Estado de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal, a websérie será apresentada gratuitamente em quatro capítulos de 10 minutos no Youtube (1 por semana). Além disso, terá apoio do Instagram (@planetelle.serie), responsável por criar o “Universo Plantelle”, com conteúdos, curiosidades, making of, lives e temáticas tratadas na obra.

A própria Felícia e sua filha, a atriz Clarisse Johansson, interpretam e dublam as cinco personagens da série de ficção científica em forma de comédia, que aborda a relação entre mães e filhas em um universo futurista e exclusivamente feminino.