FEST DO CINEMA ITALIANO (fotos)+ BUSCA DO MAESTRO LEONARDO BRUNO + TRADUÇÕES ABRACCINE + MOSTRA EGIPCIA + GERALDO DEL REY NA REVISTA DE CINEMA

 + Mostra do Cinema ITALIANO
começa nessa sexta-feira com 20 filmes
Recomendo SELFIE e A PASSAGEM.
E, claro, embora reprise, MARTIN EDEN

http://revistadecinema.com.br/2020/08/selfie-e-um-dos-destaques-da-festa-812-de-cinema-italiano/

***MAESTRO LEONARDO BRUNO,
meu conterrâneo (Coromandel-MG)
busca cópia do filme “OBRIGADO DOUTOR” (Moacyr Fenelon, 1948).
Só para lembrar, Leonardo teve a quem puxar: é filho do
clarinetista e compositor Abel Ferreira (1915-1980) e irmão da cantora Vânia Ferreira. Nós, coromandelenses, nos orgulhamos muito dessa família musical. Segue mensagem dele. Vamos nos desdobrar para ajudá-lo a encontrar o filme no qual sua segunda mãe atuou…..

Rô, amiga tão querida
Grato, sempre , pelo envio do Almanakito.
Como você bem sabe, assim como você, nasci em nossa amada Coromamdel. Depois de minha chegada, Mamãe viveu só mais 2 anos. Papai se casou com uma “girl” do Cassino Atlântico, *Hebe Guimarães* , minha Hebinha, minha segunda mãe. Ela era , além de bailarina, atriz e fez, na década de 40 , um filme – com o famoso ator Rodolfo Mayer – que teve muito sucesso OBRIGADO DOUTOR. Lembro-me de tê-lo visto no cinema , quando menino, e nunca mais. Já busquei-o de todas as formas, sem conseguir a cópia que tanto desejo . Você acredita, Rô , se eu teria alguma chance de conseguir rever “Obrigado Doutor”?… Sem pressa, me conte, tá?
Bj afetuoso, do seu Maestro Leonardo Bruno

SUPER LIBRIS (SESC TV) + 80 ANOS DE
ANTÔNIO TORRES EM SETEMBRO + SEMINARIOS

+ ÚLTIMO DIA DA
MOSTRA RECINE:
Como exibição de “Ver Ouvir” (Fontoura, anos 1960) e
“VER OUVIR Roberto Magalhães” (este, novíssimo). E
“live” com Antonio Carlos da Fontora (e Carlos Alberto Mattos)

+ 80 ANOS DE ANTONIO TORRES + TRADUÇÕES
ABRACCINE + MOSTRA DE CINEMA EGIPCIO
CONTEMPORANEA

+ GRACILIANO RAMOS (SÃO BERNARDO)

+ GERALDO DEL REY (REVISTA DE CINEMA) + CINEMA NO FEMININO: FESTIVAL DAS AMAZONAS + MOSTRAS: FESTA ITALIANA + MOSTRA ARABE (CINEMA EM CASA – SESC)

+ JORGE AMADO NA RADIO USP: PROGRAMA DE 54 MINUTOS.

****CINEMA SUIÇO ON LINE:
HOMENAGEM A BRUNO
GANZ E ALAIN TANNER
14 longas, até seis de setembro
www.sescsp.orgbr/panoramasuico

*****ASSISTIRAM AO
doc sobre Davôs???
“O FORUM”
Distruição O2 Play

+ 80 ANOS DE ANTÔNIO
TORRES EM SETEMBRO

Super Libris e seminários

***Episódio no programa de José Roberto
Torero, da série Super Libris (SESCTV):
https://www.youtube.com/watch?v=Lu2dhvzj75g&t=973s

+ Dois seminários:
****Um, nas JORNADAS BRASILEÑAS, série de “lives” promovidas pela PUC de Valaparíso, no Chile, reunirá o escritor baiano, autor de “Essa Terra” e membro da ABL, a Lilia Schwarz, Marcela Croce, Vladimir Safatle, José Miguel Wisnik e Nuno Ramos. 17h00 no horário chileno (18h00 no horário Brasileiro). Mais informações pelo email
jornadas.brasileiras@gmail.com
***OUTRO seminário (Narrativas e viagens do sertão ao mundo: 80 anos de Antônio Torres), promoção da Academia de Letras da Bahia. ONLINE. Inscrições pelo e-mail: cursocastroalves@gmail.com

***LISTA DOS MELHORES FILMES DA MOSTRA DE CINEMA CONTEMPORÂNEO EGIPCIO: Mostra prossegue até domingo, online (CCBB). No domingo será exibido um vídeo-balanço, com depoimento de espectadores de várias regiões brasileiras, que acompanharam a Mostra.

***Os escolhidos de Joba Tridente, de Curitiba:

…..se de cada um gostei por alguma razão muito particular, não há razão para colocar em ordem de gosto crítico…Saída para o Sol e Verde Seco são belíssimos filmes gêmeos! :

Fotocópia, de Tamer Ashry (2017).

Yomedine, de Abu Bakr Shawky (2018).

Entre Dois Mares, de Anas Tolba (2019).

O Portão de Partida, de Karim Hanafy (2014).

Mawlana, de Magdi Ahmed Ali (2016).

Vila 69, de Ayten Amin (2013).

Saída para o Sol, de Hala Lotfy (2012).

Verde Seco, de Mohammed Hammad (2016).

e na repescagem:

Decor, de Ahmad Abdalla (2014).

Eu Tenho uma Foto, de Mohamed Zedan (2017).

Caos e Desordem, de Nadine Khan (2012).

****Os escolhidos de Maria do Rosário Caetano (São Paulo):

  1. Saída para o Sol (da diretora Hala Lotfy, por tudo e pelo magnífico diálogo entre a protagonista e uma moça perturbada por “feitiço”, que a enclausuraria na condição de “solteirona”
  2. Yomedinne, por enfrentar temas tão difíceis (como o Mal de Hansen, a pobreza extrema, etc), sem cair no miserabilismo.
  3. Fotocópia, pela densidade dos personagens, pelo formidável elenco, pelo diálogo orgânico com o cinema (sem a metalinguagem como fetiche)
  4. Vila 69 – Por muitas razões e por nos revelar um ator maravilhoso – Khaled Abol Naga – que apelidei de “Wagner Moura do Egito”. Além de interpretar um arquiteto rabugento em “Vila 69”, ele protagoniza “Fora do Comum” e está no elenco de “Decor”. Portanto, em três dos 24 filmes programados.
  5. Entre Dois Mares, feminino e essencial.
  6. “Para Onde Foi Ramsés?”, como o melhor dos muitos documentários programados nessa Mostra Contemporânea Egípcia.
  7. ***Desde já, nossos agradecimentos a Amro Saad, o curador da Mostra, a quem elegemos o “embaixador do cinema egípcio no Brasil” e a quem cobramos, em edições futuras edições (tomara que anuais!) a criação de um núcleo histórico com filmes da era de ouro. E duas retrospectivas: uma de Youssef Chahine e outras com os filmes egípcios de Omar Sharif. ***** E ao CCBB, nossos cumprimentos por patrocinar festival com produções de uma cinematografia tão pouco conhecida entre nós. Esta é a missão maior de um centro cultural.

***Abraccine Traduções – Streaming e filmes pretos em dois textos inéditos em português

A Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema) publica o segundo texto do projeto “Abraccine Traduções”: “Quando a mídia se torna gerenciável – Streaming, pesquisa de filmes e o Multiplex Celestial”, de David Bordwell, com tradução de Renato Cabral.

O texto de Bordwell e “Reivindicando os Estudos de Filme e Mídia Pretos”,

tradução da Kênia Freitas, estão no site da Abraccine www.abraccine.org

O projeto Abraccine Traduções surgiu como uma forma de incentivar a

leitura de textos relevantes para o exercício da atividade da crítica, e publicará

mensalmente artigos inéditos em português, em traduções devidamente

autorizadas, realizadas por associados/as da entidade. Estas traduções visam

também um diálogo com a produção acadêmica, com isto alargando a

abrangência de interesse dos leitores do site e contribuindo para a

formação de uma nova geração na crítica.

O primeiro texto do projeto, Reivindicando os Estudos de Filme e Mídia Pretos, de Racquel J. Gates e Michael Boyce Gillespie, com tradução de Kênia Freitas e interlocução de Heitor Augusto, foi publicado pela Film Quarterly, periódico da University of California Press, e traz um manifesto sobre os estudos dos filmes pretos. A tradução, por sua vez, propõe um deslocamento inventivo para a termo “black” e ao invés de usar a palavra “negro”, opta pela expressão “preto”.

Já o texto de David Bordwell, publicado originalmente em Observations on Film Art, aborda a perspectiva de uma nova forma de acesso aos filmes num futuro em que a mídia física encara uma obsolescência iminente. Bordwell, além de crítico, é professor emérito da Universidade de Wisconsin-Madison e já lançou mais de uma dezena de livros, entre eles o seminal “Narration in the Fiction Film”.

Link para acesso às traduções: https://abraccine.org/traducoes-abraccine/

+ ADEUS A WASHINGTON NOVAES
(matérias, quarta-feira, 26/08/20)
, em todos os jornais). Com o
cineasta e diretor de fotografia Lula Araújo — premiado em Huelva como “Eu Receberia as Piores Notícias de Seus Lindos Lábios”, de Brant & Ciasca