A NOVA BABILÔNIA (no fotograma cinco, abaixo, o “ator” PUDOVKIN) + RAMALHO E ANNAs KARENINAs + KUCINSKI E O SPOILER + ALFREDO SIRKIS E O DOCUMENTÁRIO “LILA”

A NOVA BABILÔNIA E OS 70 DIAS DA COMUNA
DE PARIS (1871)

Estou em estado de graça. Descobri, aos 65 anos!!!, um dos mais belos filmes da era soviética: “A Nova Babilônia”, de Grigori Kozintsev e Leonid Trauberg (FEX- Fábrica dos Atores Excêntricos). Sobre a COMUNA DE PARIS, que durou parcos 70 dias (de 18 de março a 28 de maio, em 1871, semanas que se seguiram à derrota da França na Guerra Franco-Prussiana, ambiente social de BOLA DE SEBO, de Maupassant, uma das maiores paixões da minha vida… Como é que eu, que amo o cinema soviético-e-russo desde a juventude, só fui conhecer esse filme nessa adiantada altura da minha vida??????!!!!! Mesmo assim valeu. Estou em estado de graça. bjs rô

********KUCINSKI E O SPOILER:

Quem leu a capa da Ilustrada, hoje? Lindíssima, com desenhos do loucaço lusitano-brasileiro António Manuel, da geração Cildo Meirelles (artistas conceituais e assemelhados)… E entrevista de Bernardo Kucinski sobre seu novo romance (Editora ALAMEDA, de Haroldo Cerávolo e Joana Monteleone). Texto de Ivan Finotti. Sem mais nem menos o repórter avisa que dali em diante haverá spoilers. Kucinski solta a língua… Revela que há “edipianismo” na trama, que pai torturador vai torturar filha que não sabia ser dele, etc, etc…..E mais, para meu espanto (aí já fora do campo do spoiler e adentrando a seara da FRANQUEZA) diz que o livro foi rejeitado pela Rocco, que foi considerado ruim, que retrabalhou as tramas, que já está com 83 anos e vai publicar tudo que tem, inclusive 50 contos…. E que a Rocco deve ter rejeitado o livro também porque o anterior não foi sucesso de venda.. Sincericídio tamanho, há muito eu não via… Confesso!!!! Por falar em spoiler, creio que o texto que o cineasta e produtor Francisco Ramalho Jr (autor de brilhante ensaio sobre o CANGAÇO NO CINEMA BRASILEIRO, escrito em parceria com Lucila Ribeiro Bernardet) me enviou tem a ver com o assunto spoiler (segue abaixo). Bjs rô

*****Pensando o

Cinema: Ana, Annas…..

POR FRANCISCO RAMALHO JR

Ana Karenina ou Anna Karenina ou Anna Kariênina: Anas de Leão Tolstoi ou Liev Tolstoi (1828-1910), a famosa personagem desse romance muitas vezes filmado. Greta Garbo a interpretou por duas vezes, uma no cinema mudo outra no sonoro; Keira Knightley a viveu recentemente numa versão desdramatizada em que as cenas se misturam aos bastidores da filmagem. Por aqui, o cinema argentino fez uma adaptação e a nossa Tonia Carrero (1922-2018) a interpretou numa novela da TV Rio em 1966.

“Ana Karenina” foi escrito por Tolstoi na segunda metade do século 19 ao longo de 1873 a 1877 e publicado em partes a partir de 1875. Seu conterrâneo, Dostoievski (1821-1881), considerou-o como uma obra de arte perfeita.

Reli recentemente em papel bíblia numa edição em tradução portuguesa dos clássicos Aguilar de 1976; as oitos partes do livro estão em 702 páginas e cada parte contém de 30 a 33 episódios exceto a parte final mais curta. É a excelência do que se chama “criação” em sua programação em páginas. A narrativa mostra a sociedade russa da época: aristocratas com títulos de nobreza trabalham como juízes, advogados, militares e funcionários do governo, alguns arruinados pelos excessos de gastos. Bebem champanhes, Chablis e outros vinhos da Borgonha. Vão a óperas, conversam em francês, frequentam bailes suntuosos e corridas de cavalos; viajam pela Europa além do percurso frequente de Moscou a São Petersburgo. Há longas descrições de um parto, de colheitas e da vida no campo; um casamento, pensões imundas, a agoniante morte de um rebelde. Transportam-se em viagens de trens e nas carruagens próprias ou nas de aluguel (os taxis da época). É um transbordamento raro em narrativas. Discutem-se filosofias e filósofos, questões dos camponeses, ideias comunistas e a tragédia da personagem Ana: o “adultério” tolerado mas criticado, com o divórcio legalmente existente à época.

E uma surpresa para mim, uma grande surpresa diante da narrativa: Ana como personagem protagonista aparece em menos da metade dos episódios – ela, a personagem que dá título ao romance e ficou em tantos filmes e séries! Nem na metade! E Levine (ou Liévne, dependendo das muitas grafias), porta voz da inquietação de Tolstoi, o auto retrato de sua crise moral e espiritual, ocupa a maior parte do romance sem contracenar com Ana mas pouco aparece ou não aparece em muitas versões no cinema. Mas ficou Ana!

E Ana ficou com a anátema do “adultério” como ficaram Emma e Constance! Antes de Anna ser criada na literatura, Emma levou seu autor ao tribunal por existir em “Madame Bovary (1856)/Gustave Flaubert (1821-1880). Já no século 20 Constance, a Lady Chatterley de “O Amante de Lady Chatterley” do autor inglês D. H. Lawrence (1885-1930) ficou conhecida ilegalmente em todo o mundo pois foi impressa clandestinamente na Itália em 1928 e proibida na Inglaterra saindo somente em 1960. Hipocrisias!

Ana Karenina é Greta Garbo, Vivien Leigh, Sophie Marceau, Keira Knightley, Tonia Carrero e muitas e muitas outras atrizes. Para os leitores ficará a sempre citada frase de abertura do romance: Todas as família felizes se parecem; as famílias infelizes são infelizes cada uma à sua maneira. Ana, Emma, Constance são mais do que personagens: romperam e implodiram valores sociais! Rompem costumes e tradições. Conhecidas por multidões que as viram em filmes e séries. (FRJ/ 2020)

+ SEMINARIO UNICAMP & DIPLÔ

+ ALFREDO SIRKIS E O FILME “LILA”
(dele com Sílvio Da-Rin??? Quem viu??? Onde encontro???)

+ PODCAST ABRACCINE 10 (NO AR) + FILME DE AUGUSTA RAMOS + FEST GRAMADO + BUKASSA KABENGELE: PROTAGONISTA DE “ATRAS DA SOMBRA” e “PACIFICADO” + CARTA DE JIMMY CARTER

**********SEMINÁRIO SOBRE
A DIREITA BRASILEIRA – UNICAMP
E LE MONDE DIPLÔ –
Acabo de assistir à terceira palestra dessa série de 17…
Com RACHEL MENEGUELLO, da Unicamp, e ANDRÉ SINGER, da USP. Debate luminoso. Moderação do cientista político André (não consegui captar o sobrenome dele). Assistam, pois foi maravilhoso. Pena que a imagem da professora desapareceu na metade do debate. Mas sobrou a voz clara e poderosa dela. E que SINGER ficou na maior parte do tempo com o pescoço cortado (imperdoável —risos — erro de enquadramento de um cientista que já foi porta-voz presidencial). ***Detalhes pequeninos frente ao brilho dos três participantes do debate.
+ Canal Brasil homenageia Alfredo Sirkis

Para homenagear o ambientalista, político, jornalista e escritor Alfredo Sirkis, morto na tarde desta sexta, o Canal Brasil exibe sua participação em “Amigos, Sons e Palavras”, programa apresentado por Gilberto Gil, no sábado, dia 11, às 16h50, com rebatida no domingo, dia 12, às 8h55. O episódio também está disponível, inclusive para não-assinantes, no Canal Brasil Play. Sirkis foi um dos pioneiros na luta pela preservação do meio ambiente no Brasil.

******Já está no ar o
10º Podcast Abraccine.

O tema da edição é “Estreias no streaming”
e tem a participação de Ailton Monteiro,
Bárbara Demerov e Francisco Russo.

Podcast Abraccine #10: Estreias no streaming
https://anchor.fm/abraccine/episodes/Podcast-Abraccine-10-Estreias-no-streaming-eggb8l/a-a2ljpop

Comentamos os destaques entre os filmes que seriam exibidos nos cinemas, mas que acabaram no streaming devido ao fechamento das salas.

Na 10ª edição do podcast da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema), selecionamos alguns filmes que se destacaram entre os lançamentos das plataformas de streaming e VOD no primeiro semestre de 2020, já que os distribuidores não puderam exibi-los nos cinemas devido à pandemia de Covid-19.

Os associados da Abraccine que participam do debate são Ailton Monteiro (Diário de um Cinéfilo, CE), Bárbara Demerov (Adoro Cinema e Cinematecando, SP) e Francisco Russo (Papo de Cinema, RJ/Portugal). Apresentação: Amanda Aouad (Cine Pipoca Cult, BA) e Renato Silveira (Cinematório, MG).

Relação de filmes citados e comentados: “Fim de Festa”, de Hilton Lacerda; “Aeroporto Central”, de Karim Aïnouz; “Indianara”, de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa; “WASP Network”, de Olivier Assayas; “Destacamento Blood”, de Spike Lee; “The Souvenir”, de Joanna Hogg; “Emma”, de Autumn de Wilde; “Ema”, de Pablo Larraín; “A Vastidão da Noite”, de Andrew Patterson; “Tigertail”, de Alan Yang; “Blow the Man Down”, de Bridget Savage Cole e Danielle Krudy; “Você Nem Imagina”, de Alice Wu.

No Podcast Abraccine, críticos de todo o país filiados à entidade se reúnem mensalmente para debater temas relacionados ao exercício da crítica de cinema no Brasil, entre outros assuntos relacionados à sétima arte.

Edição: Renato Silveira

Trilha sonora: “Tubarão de Bacia”, de Buguinha Dub e Jorge Du Peixe, do filme Febre do Rato, dirigido por Cláudio Assis, vencedor do Festival de Paulínia de 2011.

***FEST GRAMADO 2020 + BUKASSA KABENGELE:
PROTAGONISTA DE “ATRAS DA SOMBRA” e “PACIFICADO”

***BUKASSA KABENGELE
PROTAGONIZA “ATRÁS DA
SOMBRA” E “PACIFICADO”

http://revistadecinema.com.br/2020/07/atras-da-sombra/

ATOR E CANTOR BRASILEIRO E CONGOLÊS
é filho do antropólogo Kabengele Munanga, da USP,
e da UFRB (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia)

BUKASSA ganhou prêmio de melhor ator em San
Sebastián, na Espanha, e no Festival Aruanda (por “Pacificado”).

“ATRÁS DA SOMBRA”, com Bukassa, Elisa Lucinda,
Érico Brás, Stepan Nercessian e atores do Centro-Oeste,
estreia no streaming na próxima sexta-feira, dia 17 de
julho. Leia entrevista do ator à Revista de Cinema.

http://revistadecinema.com.br/2020/07/atras-da-sombra/

Festival de Cinema de Gramado

Festival de Cinema de Gramado

prorroga inscrições para curtas gaúchos

Interessados têm até 17 de julho para fazer a inscrição

As inscrições para o Prêmio Assembleia Legislativa de Cinema – Mostra Gaúcha de Curtas, que inicialmente seriam encerradas domingo, 12, foram prorrogadas. Os interessados têm até as 23h59 do dia 17 de julho para preencher a ficha de inscrição no link
https://inscricoescinema.com.br/pt/.

Os participantes concorrem ao troféu em 11 categorias: Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Direção, Melhor Roteiro, Melhor Fotografia, Melhor Montagem, Melhor Direção de Arte, Melhor Música, Melhor Edição de Som e Melhor Produção Executiva. Além disso, o Melhor Filme recebe R$ 8 mil e as demais categorias, R$ 4 mil cada. O regulamento permanece disponível no site. www.festivaldegramado.net.

O 48º Festival de Cinema de Gramado acontece entre os dias 18 e 26 de setembro.
Confira algumas imagens em vídeo da premiação de 2019.
http://abre.ai/curtasgauchos

**FAKE NEWS, FACEBOOK
E O GABINETE DO ÓDIO:
Assunto de gravíssima importância. Leiam a coluna de César Felício, no Valor Econômico de 03-07-2020 (sexta-feira da semana passada), o editorial do Estdadão de hoje, mais cobertura da Folha e O Globo..

***NINGUÉM TOCA
NO MEU COMPANHEIRO.
******Direção de Maria Augusta Ramos

FILME SOBRE A GREVE DA CEF 1991,
aquela em tempo de Collor, quando mais de cem bancários foram demitidos e a categoria os manteve com salário por mais de um ano (até a queda do Collor e a reintegração dos demitidos). Dia 20 de julho, uma segunda-feira, ela abre seminário digital sobre DOCUMENTARIO BRASILEIRO CONTEMPORANEO. 19h00. Curadoria de Carlos Alberto Mattos e Bebeto Abranches.