FEST VITÓRIA 2019 – ANO 26 — Hoje à noite, o festival capixaba vai homenagear a prata da casa: a escritora e professora de cinema BERNADETTE LYRA, que mês que vem fará 81 anos. Radiante com o reconhecimento de seus conterrâneos, Bernadette, que em 2018 foi premiada como “Pesquisadora do Ano” pela SoCine (Sociedade de Pesquisadores de Cinema e Audiovisual) é autora do conceito CINEMA DE BORDA. Ela explica o que foi conceituado por ela e rendeu três livros que a têm como principal articulista e colaboradora: trata-se de “um cinema pobre, feito por pessoas sem formação, autodidatas, sem traquejo fílmico e muito simples, diferente do cinema marginal feito por intelectuais”. E mais, tais pessoas “repetem a ficção que viram na tela, quase sempre filmes de Hollywood, e traduzem ao seu modo, o modo regional. Ali são mostrados os muitos sotaques de um Brasil profundo. É uma espécie de paracinema”. Bernadette, que foi Secretária de Cultura do Espírito Santo, fez graduação na UFES, mestrado na UFRJ, doutorado na USP e pós-doutorado em Paris (Sorbonne). Ela organizou seis mostras com o Cinema de Borda para O Itaú Cultural de São Paulo. Um de seus muitos livros (de ficção ou pesquisa histórica) retrata A CAPITOA, única mulher, nas épocas primeiras do Brasil, a comandar uma capitania hereditária. Ela escreveu romances e contos e participou de coletânea sobre o compositor capixaba SÉRGIO SAMPAIO. O Fest Vitória dedicou a ela um Caderno de Cinema (e Literatura), com muitas fotos.