A MAIS POLITIZADA NOITE DA HISTORIA DO FESTIVAL DE GRAMADO. E CEARÁ, PELA PRIMEIRA VEZ, VENCE O FESTIVAL GAÚCHO: OITO KIKITOS PARA “PACARRETE” E A SEGUNDA HORA DA ESTRELA DE MARCÉLIA CARTAXO + NA REVISTA DE CINEMA, NESTA SEGUNDA-FEIRA, MINHA MATÉRIA SOBRE A POLITIZADA NOITE. Ano passado, enquanto OSMAR PRADO, o melhor ator, discursava em defesa da democracia e clamava pela liberdade de Lula, metade do Palácio dos Festivais aplaudia e metade vaiava. Este ano não houve. Os bolsonaristas, parece que em menor quantidade, optaram pelo silêncio. Já nas cercanias do Tapete Vermelho, os intolerantes se manifestaram. Jogaram gelo, batata e sobras de comida nos manifestantes (os que defenderam a ANCINE, os mecanismos de fomento, a diversidade e combateram a Censura disfarçada de “filtro”. E a AMAZONIA, claro. O comando do Festival soltou nota hoje defendendo a manifestação pacífica dos cineastas, atores e técnicos e condenando a intolerância
****FEST GRAMADO 2019 – NOITE DOS KIKITOS MAIS POLITIZADOS QUE JÁ VI.
Vou a Gramado desde 1979, portanto, há 40 (dos 47) anos do festival gaúcho. Nunca vi, numa entrega de prêmios, e já assisti a muitas centenas deles, ao vivo ou pela TV, vi tanto protesto justo. ***Amanhã leiam na REVISTA DE CINEMA minha matéria sobre os premiados, com lista de todos os VENCEDORES. **** PARA O VENCEDOR Allan Deberton: você foi recebido em solo CEARENSE com bumbos e fanfarras?? Afinal, pela primeira vez em 47 anos, um CEARENSE, com cumplicidade PARAIBA E BAIANA, VENCE O FESTIVAL DE GRAMADO. OITO KIKITOs, um filme maravilhoso, atrizes iluminadas!!!! E MARCELIA CARTAXO vê brilhar de novo SUA ESTRELA. E a roupa e a botinha de cadarço vermelho (QUEM PODE COM Macabéia-Pacarrete???), na NOITE DOS KIKITOS. A CAJAZEIRENSE arrasou!!! E QUE NOITE maravilhosamente POLITIZADA!!! Agora é CineCeará para novo encontro com a adorável PACARRETE. Antes passo pela Bahia para casamento de meu filho Guto com Juliana e encontro com meus netos. Como já lhes contei, meus filhos são brasilienses apaixonados pela BAHIA. Um casou-se no Morro de São Paulo e outro casa-se nesta segunda-feira num lugar an70 km de Salvador, chamado Imbassahy. Passei por São Paulo só para trocar as roupas de frio por roupas de calor.

Enviado do Ipad de Rosário