DEMOCRACIA EM VERTIGEM, DE PETRA COSTA + PREMIO ARIEL (MEXICO) + SOL DA BAHIA + A PERDA DE JELLINEK (URUGUAI) + RISOTO DE CAJU (TOUROS-RIO GRANDE DO NORTE) +

+ O FILME DE PETRA COSTA (OBRIGATÓRIO, NA
NETFLIX) + A PERDA DO CRITICO URUGUAIO JORGE JELLINEK (1957) + DORES DE RUBINHO EWALD FILHO

+ PREMIO ARIEL NA REVISTA DE CINEMA/Uol + BILHETERIAS + NEI LOPES + NANNI MORETTI + CINECLUBE CPC-UMES + DVDs CPC-UMES

+ PREMIO ARIEL (ANO 61)
nesta segunda-feira. ROMA, de Cuarón,
que já tem 176 troféus, concorre a mais 15

+ FILME DE PETRA COSTA (Na Netflix:
DEMOCRACIA EM VERTIGEM)

****PREMIO ARIEL-MÉXICO
nesta segunda-feira, dia 24.
ROMA, que já tem 176 troféus, concorre a mais 15

http://revistadecinema.com.br/2019/06/premio-ariel-o-oscar-do-mexico-ultima-disputa-de-roma/

**** A MORTE DO CRÍTICO, CURADOR DO
FESTIVAL DE PIRIÁPOLIS e ATOR EM “LA VIDA
UTIL”, JORGE JELLINEK (URUGUAI)

****CRÍTICO DE CINEMA E ATOR DE “LA

VIDA ÚTIL”, JORGE JELLINEK, nascido em 1957, aparece
nestas fotos, com Fatimarlei Lunardeli, EM GRAMADO 2018.
Ele está de suéter cinza.

******IMENSA PERDA.

Fico sabendo por meu

amigo peruano, o crítico de cinema JOSÉ

ROMERO CARILLO, da morte prematura de

JORGE JELLINEK (nascido em 1957), crítico e curador de festivais e mostras no URUGUAI. Estivemos juntos em festivais de Montevideo, Punta del Este e Gramado. Ele esteve com o saudoso Manuel Martinez Carril no filme LA VIDA ÚTIL, um ato de amor à cinefilia. Perda prematura e triste. Estas fotos (ver abaixo ou em anexo) foram feitas por mim em nossa despedida, em Gramado 2018. Era curador do Festival de Piriápolis, cidade onde filmado o longa “minimalista e melancólico” WHISKY.

***DEMOCRACIA EM VERTIGEM:
chegou ao catálogo do NETFLIX o documentário
da cineasta PETRA COSTA sobre o golpe contra
o governo Dilma. veja repercussões. Filme termina ao som de “Canto de Ossanha”, melodia de Baden Powell.

www.redebrasilatual.com.br/cultura/2019/06/democracia-em-vertigem-golpe-brasil/

. Sol da Bahia — NOVO FILME DE
ORLANDO SENNA, DIA 2 DE JULHO,
EM SALVADOR

DIA 2 DE JULHO: PRE-ESTREIA DE

Sol da Bahia, novo long-metragem de Orlando

Senna – Convite para pré-estreia baiana

+ SANTOS FILM FESTIVAL
quarta edição. Começa nesta quarta-feira, com homenagem
a Daniel Rezende, diretor (Bingo + Turma da Mônica) e montador, (Cidade de Deus + Tropas de Elite) e tributo à memória de Rubens Ewald Filho, santista da gema.

+ “CINEMAS DA AFRICA”,
EM JULHO, NO CINESESC

********* PÁSSAROS DE VERÃO,
filme colombiano do diretor de “A Árvore da Serpente”, Cyro Guerra, em parceria com a esposa e produtora Cristina Gallegos (participou de Cannes, venceu o Prêmio FÊNIX e o Fest Havana). Na Cahiers de Cinéma de abril (número 754), ótima crítica ao filme. ****Me pergunto quem o terá em sua programação, no Brasil: Gramado, CineCeará, Festival Latino-Americano de São
Paulo (Memorial), Mostra SP ou Fest do Rio??????????

******Na Netflix, ao terceiro longa de
Petra Costa, sobre o Brasil em transe.

+ SABOTAGE NA CAPA
DO CATÁLOGO DO FES IN-EDIT 2019

+ DUAS ESTREIAS BRASILEIRAS:

. Amor Divino, de Gabriel Mascaro: com Dira Paes

. O Olho e a Faca, de Paulo Sacramento, com Rodrigo
Lombardi, Maria Luiza Mendonça e Caco Ciocler.

+ *STALKER, DE TARKOVSKI,
NO Circuito SPCine,
nesta terça-feira + 4 DVDs especiais do CPC-UMES
(Bola de Sebo, Quando Voam as Cegonhas, Dersu
Uzala, Anna Karenina (Vronsky).

**********RISOTO DE CAJU (EM TOUROS-RN):

Minha irmã, Graça Caetano Jales, acaba de me deixar uma longa mensagem (da potiguar Natal) me agradecendo por dica culinária que ela “pescou” no Almanakito: risoto de caju, na Praia de Touros, perto de São Miguel do Gostoso, a capital do kitesurfe (no Rio Grande do Norte) e sede da Mostra de Cinema Gostoso. Dia destes, ela me deixara uma mensagem pedindo o nome do restaurante e o nome do prato. O nome do restaurante eu não sabia (não lembrava). O prato, que nos foi indicado por Orlando Margarido, era um inacreditável risoto de caju, suavemente adocicado. Expliquei, como pude, as referências do lugar (um restaurante branco, perto das falésias, etc) e lembrei que o risoto tinha que ser solicitado com antecedência, pois só é feito a pedidos. Bem, resumindo: ela encontrou o local e o prato. Saboreou-o com o marido, meu cunhado Francisco Sales Jales, e amigos. E adorou. De quebra, ganhou a receita (leva vinho, etc, etc). Jurou que vai tentar fazê-la em MG, na sua Paracatu (somos de Coromandel, município situado a 200 km da cidade onde ela vive há três décadas). De São Miguel do Gostoso eles foram para Natal e de lá tomarão o rumo de Pau Ferros, município onde meu cunhado, criado em Brasília, nasceu. ***Quem gosta de praias, falésias, comida deliciosa — e risoto de caju — tem que tomar o rumo do Rio Grande do Norte, estado agora governado por uma mulher, Fátima Bezerra (PT-RN), aquela que vimos, tantas vezes, ao lado de Dilma Roussef, no filme “O Processo”, de Maria Augusta Ramos. ******Por falar em “Processo”, não percam, na Netflix, “Democracia em Vertigem”, o belo — e reflexivo — longa documental de Petra Costa (o melhor dos três longas dela). Uma (dolorosa, porque nos custa muito reviver este pesadelo que nos consome há mais de três anos), mas obrigatória viagem às entranhas do “monstro”. Com Heitor Villa-Lobos e Baden Powell na trilha sonora.