VARDA E AKERMAN: DUAS BELGAS NA VANGUARDA DO CINEMA no FEMININO

“VARDA POR AGNÈS”,
NA REVISTA DE CINEMA/Uol:
estreia desta quinta-feira.

http://revistadecinema.com.br/2019/05/varda-por-agnes/

(….) Para completar sua grandeza, Agnès Varda tornou-se o nome mais famoso e influente do “cinema no feminino”. Neste momento em que a quarta vaga do feminismo varre o mundo, ela deixa mulheres de todas as idades em estado de euforia e engajamento. Seus 50 curtas e longas-metragens são redescobertos a cada novo dia. (…) Hoje, só uma realizadora, sua conterrânea Chantal Akerman (1950-2015) se aproxima da notoriedade e influência de Varda, mas em círculo menos amplo, o homoafetivo. Realizadoras lésbicas como (…)

* “Varda por Agnès” (França, 2019). De Agnès Varda. Documentário que se inicia como uma master class para ampla plateia e soma diálogos e trechos de dezenas de filmes da diretora belga realizados entre 1954 e 2017. Duração: 116 minutos.