+ FEST GRAMADO 2019

+ “SANTOS DE TODOS OS GOLS”
(na foto, a diretora e autora do desenho de som do longa documental, Lina Chamie)

+ FILME DE DINO RISI NO CINECLUBE CPC-UMES (SP) + CineFoot Play + BRICS EM NITERÓI? + AYKA: atenção feministas!!!!!

+ CINECEARÁ 2019 + CARLOS LYRA POR AQUILES REIS: Dica da semana + PALOMA DUARTE + OLHAR DE CINEMA (CURITIBA)

+ NO SEGUNDO SEMESTRE:
está confirmado o Festival de Cinema
BRICS (Brasil, Rússia, Índia,
China e África do Sul???????):
tomara que a abertura se dê com
o filme de episódios que tem
Walter Salles e Jia Zhang-Ke
entre seus idealizadores.

+ Inscrições prorrogadas
para o 47ºFestival de Cinema
de Gramado (ver abaixo)

+ O russo-casaque

AYKA prossegue em SP (no Rio também???), em
um horário. Hoje, ótima

crítica de Celso Sabadin no
PLANETA TELA (e no “face”)

+ Dois DOCs brasileiros
estreiam hoje:
“Santos de Todos os Gols”,
de Lina Chamie (além de diretora, ela, que é música, faz
um trabalho de som PODEROSO!!) + “Márcia Haydée”,
produção de Marco Altberg.

+ Kleber & Dorneles (Bacurau) e
Karim Ainouz, em Cannes

+ PALOMA DUARTE:
A ótima atriz brasileira de volta às telenovelas (“Malhação”). Ganhou, hoje, nota dez de Patrícia Kogut (O Globo). *******E
eu sem ver ORFÃOS DA TERRA. Só consegui ver o primeiro capítulo (estava na maratona do Fest É Tudo Verdade, no Fest Sesc Melhores do Ano — hoje vou ver RAN — e, ontem, no circuitão e na pré-estreia de “Santos de Todos os Gols”, de Lina Chamie (vi filmes das 10h30 da manhã, uma cabine, até 23h00).

+++No Correio
Popular, de Campinas:

BLOG DO JOÃO NUNES:

https://www.campinas.com.br/blog/serie-top-dez-o-cinema-em-dez-listas-10-cenas-afetivas-inesqueciveis-no-cinema/

+ Boataria brava,
ontem, dando conta que
MARIGHELLA estrearia hoje. Na hora, contatei
Fernando Meirelles, da O2, produtora do filme,
e ele me disse que a informação não procedia….

+ GRAMADO:
Inscrições prorrogadas para
o 47º Festival de Cinema de Gramado

+ CINECERÁ (inscrições abertas)

+ EM JUNHO: OLHAR DE
CINEMA, EM CURITIBA

*********HOJE TEM RAN,
de Kurosawa, no CineSesc.

*****1˚CINEFOOT PLAY

Estamos entrando em campo com

mais uma novidade nesta

tabelinha audiovisual & futebol.

Beijos, Leal

===

1˚CINEFOOT PLAY-MERCADO

AUDIOVISUAL & FUTEBOL ENTRA EM CAMPO.

FORMAÇÃO, MENTORIA, PITCHING, PAINÉIS,

GAMES, ENCONTRO DE NEGÓCIOS, E-SPORTS.

Firme na sua missão de dar protagonismo ao audiovisual de futebol, o CINEFOOT-Festival de Cinema de Futebol lança o CINEFOOT PLAY-Mercado de Audiovisual & Futebol, a ser realizado no Rio de Janeiro, de 7 a 9 de maio.

Iniciativa inédita, o CINEFOOT PLAY atua no campo da geração de negócios, da economia criativa, da capacitação, da reflexão, do conhecimento e da abertura de oportunidades, tendo a tabelinha audiovisual-futebol como eixo central das suas ações.

O CINEFOOT PLAY apresenta na sua programação a realização de masterclass, mentoria de projetos & pitching, script doctoring, workshop de roteiro, rodada de negócios e diversos painéis abordando grandes temas que promovam a conexão entre o audiovisual, cultura e futebol: games, e-sports, a realidade das TVs dos clubes, processos de produção e geração de conteúdos para formatos variados de difusão, estudos de caso, literatura, mulheres com atuação no campo audiovisual de futebol e o cenário dos canais esportivos.

Todo o time de palestrantes e mentores do CINEFOOT PLAY possuem trabalhos audiovisuais vinculados ao futebol: Ricardo Aidar (Canal Azul), Anna Azevedo (Geral), Adirley Queirós (Fora de Campo), Pedro Asbeg (Democracia em Preto e Branco), Marcelo Pizzi (Os Indomáveis), Tatiana Leite (Aspirantes), (Jefferson Rodrigues (Os Indomáveis), Carlos Estigarribia (Rightzero Games), Filipe Alves (Dreamhack Festival Digital). Outros craques estão sendo convocados para compor a equipe de palestrantes.

O CINEFOOT PLAY promoverá também uma rodada de negócios (1×1 Meetings) com a presença de players dos canais televisivos interessados em conteúdos de futebol, um ponto de encontro para oportunidades de parcerias e co-produções. Uma verdadeira tabelinha, aquela conhecida jogada feita em grande velocidade e a curta distância entre players e realizadores com projetos em desenvolvimento.

O CINEFOOT PLAY-Mercado de Audiovisual & Futebol será realizado de 7 a 9 de maio, na FACHA-Botafogo, Rua Muniz Barreto, 51. Inscrições abertas. Regulamento e ficha de inscrição: cinefoot.org/cinefootplay

+ FEST GRAMADO 2019:
Inscrições prorrogadas para
o 47º Festival de Cinema de Gramado
Prazo para inscrição de obras vai até o dia

25 de abril. Festival acontece de 15 a 24 de agosto.

Estão prorrogadas as inscrições para o 47º Festival de Cinema de Gramado. Cineastas brasileiros e latinos podem inscrever seus trabalhos até às 23h59 do dia 25 de abril, no site oficial do evento: www.festivaldegramado.net.

São três mostras competitivas com inscrições abertas: longas brasileiros e estrangeiros e curtas brasileiros. Para a 47ª edição do Festival, só são aceitas as obras finalizadas a partir de 1º de maio de 2018, com duração mínima de 70 minutos para longas e duração máxima de 20 minutos para curtas. Presa-se, ainda, pelo ineditismo regional para curtas brasileiros e ineditismo nacional para longas brasileiros e estrangeiros.

Além do cobiçado Kikito, que há mais de quatro décadas premia os mais diferentes talentos do cinema brasileiro e latino, os filmes selecionados concorrem a premiações em dinheiro, conforme regulamento. O montante a ser entregue neste ano é de R$ 285 mil.

+ Dica da semana:
o novo CD de Carlos Lyra

Bom dia a todos! Contando com a leitura de vocês, aqui vai a minha dica desta semana, já publicada no JB Online de sábado, e que durante esta semana estará também em alguns jornais impressos. Obrigado pela atenção.
Fraternalmente. Aquiles
NOVO CD DE CARLOS LYRA:

Um homem rejuvenescido

Aos 85 anos de vida, 65 anos de carreira e hoje lançando um disco autoral depois de um hiato de 25 anos, Carlos Lyra, ainda mais compromissado com seus sonhos, suas composições e seus arranjos, ressurge revigorado em Além da Bossa (MCK – independente).

Lyra está feliz. Seu álbum é o reflexo do requinte alegre e maduro que ilumina sua música. Que lhe permite enfrentar o futuro protegido por seu passado e presente. Sua serenidade, somada à certeza de ser ainda hoje um dos caras mais importantes que a música popular brasileira tem, é a sua fortuna.

Algumas das músicas ora gravadas estavam guardadas numa gaveta qualquer de sua alma; outras são inéditas. Todas reforçam a certeza de que Carlos Lyra é a síntese de uma era que vem desde a segunda metade do século 20, embrenhando-se pelos anos 2000.

Começando a conversa: a realização do CD esteve em mãos competentes, sua companheira e empresária Magda Botafogo e o produtor Alex Moreira, guardiões do destino musical desejado de Lyra.

Como é bonito ver instrumentistas e arranjadores consagrados que, ao sentir qual era o anseio de Carlos Lyra, deram-lhe seus melhores atributos, multiplicando sua felicidade. Cada arranjo é uma obra de arte.

A inédita “Além da Bossa” (CL e Daltony Nóbrega) abre a tampa. Marcos Valle divide o arranjo com Lyra. Flauta (Dirceu Leite) e trompete (Jessé Sadoc) brilham, e junto com piano (Marcos Valle), baixo acústico (Adriano Giffoni), batera (Ricardo Costa) e violão (Flavio Mendes), têm a primeira chance de fazer do álbum um trabalho à altura da pluralidade almejada por Carlos Lyra.

“Belle Époque” (CL e Ronaldo Bastos) é outra inédita. Um quarteto de violinos (Carlos Rincon e Luca Kevorf), viola (Clara dos Santos) e cello (Marcus Ribeiro), mais clarinete e clarone (Dirceu Leite), piano (Itamar Assiere) e acordeom (Marcelo Caldi), integram o grupo que, num arranjo que o violonista Flavio Mendes divide com Lyra, reforça a boniteza da música.

Também inédito, o sacudido “Na Batucada” (CL) tem arranjo de Jessé Sadoc e Carlos Lyra. Além do piano de Fernando Merlino, a formação instrumental conta com os mesmos músicos de “Além da Bossa”. Suingado que só ele, o samba deita e rola.

Composta por Lyra, imaginando que o rei Roberto Carlos a gravaria – mas o lance não rolou, e “Achados e Perdidos – Samba da Breca” (CL) ficou inédita. Até que, com arranjo de CL e Jessé Sadoc, contando com os mesmos músicos dos arranjos de “Além da Bossa” e “Na Batucada”, o samba de breque esquentou a letra alegre e bem-humorada.

Fechando a tampa, “Tango Suburbano” (CL e Paulo César Pinheiro) tem Lyra cantando com emoção e força impressionantes – aliás, além da bossa, o seu cantar é vibrante… comovente.

Enfim, Carlos Lyra realizou a vontade que sonhou e alimentou: gravar um disco plural, que não se pudesse rotular, mas sim florescer em toda a diversidade que pulsa no peito de um homem feliz.

Carlos Lyra e sua inquietude são sinônimos de música popular brasileira.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

*SEGUNDA-
FEIRA(22/04/19):
Mostra Permanente
de Cinema Italiano

A Mostra Permanente de Cinema Italiano

do Cine-Teatro Denoy de Oliveira apresenta:

22/04 – 19H: “O VIÚVO” (1959), DE DINO RISI

SINOPSE – Alberto Nardi é um jovem industrial com sonhos de grandeza e que vive perseguido por credores. Casado com Elvira, uma empresária de sucesso em Milão, a quem Nardi recorre, não sem resistência dela, sempre que precisa de investimento para suas ideias delirantes. Como Elvira já havia decidido a não lhe emprestar mais um tostão, Nardi passa a ter ideias ainda mais mirabolantes para obtê-lo.

O DIRETOR – Dino Risi nasceu em Milão, estudou medicina, formou-se em psiquiatria. Foi crítico de cinema, roteirista, trabalhou como assistente de Mario Soldati e Alberto Lattuada. Nos anos 50 se instalou em Roma, se tornando um dos grandes inventores da commedia all’italiana, ao lado de Ettore Scola, Mario Monicelli e Pietro Germi. Dirigiu 54 filmes, entre os quais “Férias com o Gangster” (1951), “O Signo de Venus” (1955), “Belas, mas Pobres” (1956), “Essa Vida Dura” (1961), “Aquele que Sabe Viver” (1962), “Operação San Genaro” (1966), “Esse Crime Chamado Justiça” (1971). “Perfume de Mulher” valeu a Vittorio Gassman o grande prêmio de interpretação masculina no Festival de Cannes de 1975. Em 2002, recebeu um Leão de Ouro, no Festival de Veneza, pelo conjunto da obra.

SERVIÇO – Filme: O Viúvo (1959), de Dino Risi – Duração: 87 minutos

Quando: 22/04 (segunda-feira) – Que horas: pontualmente às 19 horas.

Quanto: entrada franca – Onde: Rua Rui Barbosa, 323 – Bela Vista

(Sede Central da UMES SP)