+ BILHETERIAS BRASILEIRAS + BERNARDET (texto AFIXIA) + FEST SESC MELHORES DO ANO

+ AYKA (UM FILME PARA SENSIBILIDADES FEMININAS) + TVT (TELA CHEIA + JUCA KFOURI + JOSÉ TRAJANO)

+ RESULTADO (COM TABELA) DOS VENCEDORES DO FEST ETV

+ OS GOLS DO SANTOS FUTEBOL CLUBE, POR LINA CHAMIE + O(LHAR DE CINEMA 2019

+ CINESESC + CINE CEARÁ 2-19 (INSCRIÇÕES ABERTAS)

**ALMANAKITO
TERÇA-FEIRA (16-04-19)

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS

+ TEXTO NOVÍSSIMO DE
JEAN-CLAUDE BERNARDET (AFIXIA)

+ RESULTADO (COM TABELA) DOS
VENCEDORES DO FEST É TUDO VERDADE 2019

+ OLHAR DE CINEMA (FESTIVAL INTERNACIONAL
DE CINEMA DE CURITIBA 2019): EM JUNHO

+ 30 ANOS DE ILHA DAS FLORES (E DE SUPEROUTRO)

+ NA TVT: TELA CHEIA (QUADRO COM
LUIZ ZANIN COMENTANDO ESTREIAS DE CINEMA)

+ “AYKA”, FILME-RUSSO-CAZAQUE
(atenção mulheres, não percam!!!)

+ EM BRASILIA (DF): “ROCK
BRASILIA” NA QUADRA DA
ESCOLA DE SAMBA (ARUC:
DIA 27 DE ABRIL)

+ NO CANAL BRASIL:
ARNALDO ANTUNES NO
SANGUE LATINO (OITAVA TEMPORADA)

+ DVDs DO CPC-UMES (QUANDO VOAM
AS CEGONHAS, BOLA DE SEBO, DERSU UZALA)

+ Clube de Leitura Capitólio

+ Inscrições para o CineCeará 2019

+ Canal Brasil exibe filme sobre o cineasta e
militante político Marcos Medeiros (parceiro de
Glauber Rocha em “Hystória do Brazyl”)

+ “ASFIXIA”,
TEXTO NOVÍSSIMO
DE JEAN-CLAUDE BERNARDET
https://outraspalavras.net/jcbernardet/

*****FESTIVAL É
Tudo Verdade premia “Cine
Marrocos”, na Revista de Cinema/Uol
http://revistadecinema.com.br/2019/04/e-tudo-verdade-premia-“cine-marrocos”/

+ FESTIVAL SESC
MELHORES DO ANO (ANO 45):
até dia primeiro de maio, com filmes, debates e três edições do CINEMA DA VELA e quatro Encontros com Realizadores. O CineSesc está lindamente decorado com caixas e uma intervenção nas paredes. O catálogo do mais antigo festival paulistano está ótimo (confesso que ainda não tive tempo de ler os artigos dos articulistas convidados, mas vou ler). ***Revi três filmes nesta edição: LOS SILENCIOS (que vira no Fest Brasília), ASAS DO DESEJO (sala abarrotada, assistimos no Bar envidraçado, aliás com muito conforto e pessoas tomando vinho em taças, quem levava para dentro do cinema, só em copo descartável), e BEIJO NO ASFALTO, o vencedor do Fest Sesc em vários categorias (todas segundo o júri popular). Pelo Júri da Crítica, o maior vencedor foi “Arábia” (MG). Ia para Santos, depois da pauleira do Fest É Tudo Verdade, mas adiei a descida da Serra para ver o novo filme de Lina Chamie sobre o alvinegro praiano e para rever RAN, o épico kurasowiano, no festival sesquiano. Como resistir a RAN no poderoso telão da Rua Augusta??????????

****BILHETERIAS
BRASILEIRAS

. ESTREIAS:

. De Pernas Pro Ar 3…………………………………417.611
. Los Silencios………………………………………………3.009
. Horácio…………………………………………………………349

. CONTINUAÇÕES:

. Cinderela Pop………………………………………………466.449
. Cine Holliúdy 2 (Chibata Sideral)…………………162.121
. Albatroz…………………………………………………………..6.451
. Happy Hour…………………………………………………….2.817
. Família Submersa (Arg. BR)……………………………..1.757
. Pastor Cláudio………………………………………………….1.637
. Jorge Guinle………………………………………………………..934
. Mussum, Um Filme do Cacildis…………………………..932
. Uma Viagem Inesperada (Arg. BR)………………………814
. Elegia de um Crime………………………………………………810
. Bio, Construindo Uma Vida………………………………….477
. The Cleanners (Alemanha, BR)………………………………404
. As Cores da Serpente……………………………………………..296
. Chalé é Uma Ilha Batida de Vento e Chuva……………..80

. DE PERNAS PRO AR 3: O filme foi lançado em 619 cinemas e fez 417.611 espectadores, com média de 737 ingressos/sala. O primeiro da série (2010) — informa o Boletim Filme B — fez 216 mil em três dias (na época os filmes estreavam na sexta-feira).
O boca-a-boca o fez crescer e multiplicar seu público. O segundo bombou, em 2012, com 548 mil nos 3 primeiros dias (a classe C estava indo bastante ao cinema). Vendeu milhões de ingressos. Passados sete anos, o filme fez 417 mil. A crise econômica tirou a classe C dos cinemas e as estreias se dão na quinta (finais de semana, portanto, de quatro dias).
. CINE HOLLIÚDY, A SIBATA SIDERAL: O filme que fecha a trilogia nordestino-roliúdiana de Halder Gomes é o que mais se ressentiu da ausência da classe C nos cinemas. Mesmo no Ceará, o filme deve desempenho aquém do esperado. Na quarta semana, “Chibata Sideral” está em cartaz em 20 salas e com média de 230 espectadores. Tudo indica que não passará dos 200 mil ingressos. Com o primeiro filme da trilogia, Halder fez, só no Ceará, mais de 300 mil ingressos.
. BILHETERIAS DE CORTAR OS PULSOS: Não me lembro, desde que comecei
a escrever o Almanakito, em 2003, de bilheterias brasileiras tão desesperadoras.Tanto as comédias destinadas a grandes públicos, quanto os filmes de arte, todos, estão com bilheterias inacreditavelmente baixas. Difícil encontrar, neste momento, filmes de empenho cultural com 20 mil, 30 mil, 50 mil ingressos. As comédias que faziam entre
1 milhão e 3 milhões, estão abaixo dos 500 mil. Claro que o streaming — além da crise econômica e do baixo astral que tomou conta do país — tem muito a ver com o que se passa. O triunfo espantoso de “Minha Vida em Marte” (5.338.000) é a exceção que confirma a regra. Vejam o caso de LOS SILENCIOS, super bem-recebido pela crítica. Lançado em 23 salas, fez média — segundo o Filme B — de 96 espectadores.

+ NA TVT – TV DOS TRABALHADORES:
ENDEREÇO DE ACESSO DO “TELA CHEIA”,
no “Bom para Todos”. COM PARTICIPAÇÃO DE
Luiz Zanin + NA MESMA EMISSORA, PROGRAMAS
DE JUCA KFOURI E DE JOSÉ TRAJANO

http://www.tvt.org.br/confira-as-dicas-de-cinema-do-bom-para-todos/

*****UM GRANDE
FILME IRANIANO:
“3 FACES”, de Jafar Panahi. O melhor filme
dele, na minha opinião, desde “O Balão Branco”.

*****AIKA, FILME RUSSO-CASAQUE:
quem escreveu crítica deste filme???? Por favor,
me mande. Gostei demais. Vi ontem, no Cinearte 2.
A crítica francesa foi negativa, pois enfiaram na cabeça que é um sub-ROSETTÁ (dos Dardenne). Para mim, é um mergulho na tragédia de uma mulher. Impressionante a compreensão do corpo feminino pós-parto. O sangue (uma hemorragia que lembra sempre o ciclo menstrual, que é só feminino), os peitos cheios de leite (também só femininos) causando febre… E mais: a neve em Moscou que vira quase um personagem, os males da IMIGRAÇÃO. Eu teria restrições ao filme se todos fossem insensíveis à dor dela… Mas a faxineira da clínica veterinária, que também é mãe, a ajuda…. Enfim, tudo indica que este filme, um dos nove pre-indicados ao OSCAR, vai passar batido como os russos SEM AMOR e VERÃO (Leto ou Letho??). A hegemonia norte-americana em nossa circuito tornou-se AVASSALADORA… Vide o Prêmio Sesc Melhores do Ano (filmes escolhidos pela Crítica e pelo Público). Parece que dos 20 filmes estrangeiros, só 4 não são made in USA. Sérgio Rizzo fez de sua fala no Seminário da CRITICA, lá no CineSesc, um manifesto sobre o tema. bjs rô
P.S. No final desta remessa,
comentários soltos sobre AYKA

+ BIBLIOTECA DO PAIAIÁ
(BAHIA): faça a sua avaliação

https://revistalongeviver.com.br/index.php/revistaportal/article/view/778/839
Quero comentários, OK? Assinado, Geraldo Alagoinha

+ NA REVISTA DE CINEMA/Uol:
Olivier Assayas filma “Wasp Network”,
adaptação da obra de Fernando Morais
QUINTO dos nove LIVROS DO ESCRITOR — “MONTENEGRO” — PODE CHEGAR AO CINEMA.
De Fernando MORAIS já foram filmados OLGA, CHATÔ E CORAÇÕES SUJOS. Agora, em Havana, o francês Olivier ASSAYAS filma
OS ÚLTIMOS SOLDADOS DA GUERRA FRIA (Cia das Letras)

http://revistadecinema.com.br/2019/04/olivier-assayas-filma-“wasp-network”-adaptacao-da-obra-de-fernando-morais/

****CINEMATECA

CAPITÓLIO PETROBRAS

LANÇA CLUBE DE LEITURA

EM PARCERIA COM A ACCIRS

A Cinemateca Capitólio Petrobras, através do seu Centro de Documentação e Memória, está lançando um novo projeto, realizado em parceria com a ACCIRS – Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul: o Clube de Leitura Capitólio, que a partir do dia 27 de abril irá promover o estudo de obras referenciais do pensamento cinematográfico. Nesta primeira edição do projeto, foram elencados quatro livros – O que é o Cinema?, de André Bazin, Os Filmes da Minha Vida, de François Truffaut, Trajetórias do Cinema Moderno, de Enéas de Souza, e Revisão Crítica do Cinema Brasileiro, de Glauber Rocha –, e cada um deles será objeto de dois encontros. No primeiro encontro, um mediador apresenta o livro e seu autor e no segundo encontro os participantes do grupo debaterão o livro conjuntamente. A mediação dos encontros ficará a cargo de críticos membros da ACCIRS. No dia 27 de abril, data de início das atividades, o livro O que é o Cinema?, de André Bazin, será apresentado pelos críticos Fatimarlei Lunardelli e Marcus Mello.

Esta primeira seleção de livros feita pela ACCIRS para o Clube de Leitura Capitólio optou por eleger obras de autores que estabelecem um diálogo entre si, a começar por André Bazin, o influente crítico e teórico francês que promoveu uma discussão profunda e apaixonada sobre cinema em páginas de jornais e revistas, numa série de textos que após sua morte foram reunidos em O que é o Cinema? (1958-1962), obra central do pensamento cinematográfico no século XX. A repercussão do pensamento de Bazin no trabalho do crítico e cineasta François Truffaut, a quem ele acolheu como um filho afetivo e para quem abriu espaço nas páginas da revista Cahiers du Cinéma, fica evidenciada nas páginas de Os Filmes da Minha Vida, coletânea de textos esparsos publicada por Truffaut em 1975. Já o livro de Enéas de Souza, Trajetórias do Cinema Moderno (1965), uma obra seminal da crítica cinematográfica no Brasil, ilustra a influência de Bazin na Porto Alegre dos anos 60. Por fim, Glauber Rocha, o cineasta-autor por excelência do cinema brasileiro, que em 2019 completaria 80 anos de vida, ganha espaço através do clássico Revisão Crítica do Cinema Brasileiro, um livro que demonstra o quanto a contribuição do diretor baiano ao cinema não se restringiu apenas à realização de filmes.

Os encontros do Clube de Leitura Capitólio serão na Sala Multimídia da Cinemateca Capitólio Petrobras (3º andar), sempre aos sábados, das 10h às 12h, e os livros serão disponibilizados aos participantes pelo Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras.

Ao longo de 2019, o Clube de Leitura Capitólio

terá o seguinte cronograma de encontros:

27 de abrilO que é o Cinema?, de André Bazin

25 de maioO que é o Cinema?, de André Bazin

29 de junhoOs Filmes da Minha Vida, de François Truffaut

27 de julhoOs Filmes da Minha Vida, de François Truffaut

31 de agostoTrajetórias do Cinema Moderno, de Enéas de Souza

28 de setembroTrajetórias do Cinema Moderno, de Enéas de Souza

26 de outubroRevisão Crítica do Cinema Brasileiro, de Glauber Rocha

30 de novembroRevisão Crítica do Cinema Brasileiro, de Glauber Rocha

14 de dezembro – Fechamento atividades e propostas para 2020

As inscrições para o Clube de Leitura Capitólio podem ser feitas a partir do dia 16 de abril, no Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras (Rua Demétrio Ribeiro, 1085 – 3º andar), ou pelo e-mail cdmcapitolio@gmail.com, ao custo de R$ 30,00 (pacote completo) e R$ 10,00 (para quem quiser participar da discussão de apenas um livro, opção no entanto condicionada à existência de vagas). Sócios da ACCIRS não pagam. As inscrições são limitadas ao número de 30 participantes, devido à capacidade da sala. Quem tiver 80% de presença, receberá certificado de participação.

Mais informações pelo e-mail cdmcapitolio@gmail.com ou pelos telefones 3289-7463 ou 3289-7464.

Sobre o Centro de Documentação e Memória

da Cinemateca Capitólio Petrobras

O Centro de Documentação e Memória da Cinemateca Capitólio Petrobras reúne obras e documentos diversos relacionados ao cinema gaúcho, nacional e internacional, com o objetivo de atender a pesquisadores da área e demais interessados pelo tema. Além de um acervo de filmes, o CDM possui uma biblioteca com material bibliográfico diferenciado sobre o cinema nacional e internacional, tais como livros, periódicos, catálogos, folhetos e monografias relacionados ao cinema. Já o seu acervo documental inclui arquivos pessoais de cineastas, fotógrafos e críticos de cinema como Antônio Carlos Textor, Fatimarlei Lunardeli, Jorge Furtado, Luiz Carlos Lisboa, Odilon Lopez, Tony Rabattoni, Tuio Becker e Telmo Kersting. Entre os documentos que constituem estes acervos estão roteiros e sinopses de filmes, recortes de jornais e revistas, boletins informativos, jornais, folders de programação de cinema, clippings de entrevistas em áudio, relatórios, projetos, correspondências, entre outros documentos relacionados ao cinema gaúcho e nacional.

29º Cine Ceará tem inscrições abertas

para longas ibero-americanos e curtas brasileiros

O Festival acontecerá em Fortaleza em setembro

de 2019 com mostras competitivas, debates e exibições especiais

O Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema abre no dia 15 de abril as inscrições para as mostras competitivas Ibero-americana de Longa-metragem e Brasileira de Curta-metragem da 29ª edição, que acontecerá no mês de setembro de 2019 em Fortaleza, Ceará. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 31 de maio, exclusivamente pelo website do festival

www.cineceara.com,

através do preenchimento e envio eletrônico da Ficha de Inscrição.

Os curtas cearenses inscritos que não forem selecionados para a Competitiva Brasileira, serão submetidos à comissão de seleção da Mostra Olhar do Ceará. Uma novidade é que a partir deste ano o Festival reservará para mulheres diretoras no mínimo 30% do total de produções concorrentes nas três mostras juntas: Competitiva de Longa, Competitiva de Curta e Olhar do Ceará. Com mostras competitivas e paralelas, exibições especiais, debates, oficinas e a forte presença de profissionais das mais diversas áreas do audiovisual, em especial do cinema, local, nacional e internacional, o 29º Cine Ceará reforça seu compromisso de levar ao público cearense uma parcela significativa da produção de cinema e vídeo ibero-americanos, proporcionando um rico intercâmbio entre cineastas e estudantes de diferentes culturas e promovendo a divulgação de novos talentos.

Quem pode participar das Competitivas — A Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem é destinada a filmes de produtores ou diretores ibero-americanos (países da América Latina, Caribe, Portugal e Espanha) nos gêneros de animação, ficção, documentário ou experimental, concluídos a partir de 2018 com duração mínima de 60 minutos. Podem participar da seleção para a Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem produtores e/ou diretores brasileiros ou radicados no país há mais de três anos, com filmes nos gêneros ficção, documentário, animação ou experimental de até 25 minutos, concluídos a partir de janeiro de 2018, que não tenham participado do processo seletivo de outras edições do Festival. Para ambas as mostras, a prioridade na seleção será para obras inéditas e os filmes devem ter a classificação indicativa conforme estabelecido pelo Ministério da Justiça.

JÚRI OFICIAL – Os selecionados na Competitiva de Longa-metragem concorrerão ao Troféu Mucuripe, que será concedido ao vencedor indicado pelo Júri Oficial nas categorias de Melhor Longa-metragem, Direção, Fotografia, Montagem, Roteiro, Som, Trilha Sonora Original, Direção de Arte, Ator e Atriz. Na Competitiva de Curta os selecionados vão disputar o troféu Mucuripe nas categorias de Melhor Curta-metragem, Direção, Roteiro e Produção Cearense. Também recebem o troféu Mucuripe o melhor longa-metragem e melhor curta das competitivas Ibero-americana e Brasileira eleitos pelo Júri Abracine (Prêmio da Crítica) e pelo Júri Olhar Universitário.

A Mostra Olhar do Ceará também vai premiar com o Troféu Mucuripe o melhor filme cearense. Todos os detalhes sobre as inscrições, processo seletivo e premiação das mostras competitivas, entre outras informações, podem ser consultados no regulamento disponível no site do Festival.

O 29º Cine Ceará é uma promoção da Universidade Federal do Ceará, através da Casa Amarela Eusélio Oliveira, com apoio do Governo do Estado do Ceará por meio da Secretaria da Cultura, e do Ministério da Cidadania – Secretaria Especial da Cultura. A realização é da Associação Cultural Cine Ceará e a Bucanero Filmes e conta com patrocínio de empresas públicas e privadas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (SIEC) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

SERVIÇO: 29° Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema

Inscrições abertas de 15 de abril a 31 de maio de 2019 para as mostras competitivas Ibero-americana de Longa-metragem e Brasileira de Curta-metragem desta edição, que acontecerá em setembro deste ano em Fortaleza, Ceará. Informações: www.cineceara.com. E-mail: contatos@cineceara.com. Tel: (85)3055-3465 e 3261-0646.

+ AYKA (FILME
RUSSO-CASAQUE):
nenhuma crítica em São Paulo.
Um filme que nenhuma mulher
que se sente FEMINISTA pode perder!!!!!

POR FRANCESCA AZZI
Da Zeta Filmes e do Fest Indie

Oi Rô,
que bom ouvir isso de uma voz feminina!
O filme nos aproxima mesmo de uma questão física, e tb projetamos a dor. Me encanta a valentia de Ayka, uma anti-heroina? Sei que o personagem incomoda bastante mas
ainda, sim, enxergo uma esperança.
O Carlos Heli escreveu em O Globo e aplaudiu… por aqui em SP ficamos sem um texto crítico, que pena (grifo de Rô Caetano).
E também um pouco sem espaço devido às inúmeras estreias da semana. Porque vc não escreve algo?
Colocamos no Facebook e IG da Zeta.
Posso publicar lá seus comentários.

Beijos e muito obrigada
pelos comentários,
Francesca
**** Francesca, amanhã faço uma maratona de filmes, a partir de de 10h30 da manhã. Se encontrar W, escreverei, sim. bjs rô

Comentários soltos sobre
AYKA, QUE RENDEU A PALMA
DE OURO A SUA PROTAGONISTA:

(…) Intuo (intuo, sem provas, riso!!!) que o filme
AYKA toque mais as mulheres por causa de temas como gravidez, abandono de filho, peitos estourando de leite, hemorragia pós-parto… Vimos o filme ontem, no Cinearte, e fiquei imantada pelas imagens, não pisquei.
Zanin achou que havia sofrimento demais… Eu que fui mãe duas vezes assisti a tudo sem desgrudar os olhos da tela (e olha que sou frágil para muito sofrimento)…….O público presente (umas 15 pessoas, na sala 2) era formado majoritariamente por mulheres. MILAGRE que estivessem lá. Na Folha, o filme nem tem cotação. Vou reabri o caderno-roteiro RIO (Globo) para ver a recepção dele no Rio (ou ainda não estreou lá???). A atriz,
Palma de Ouro em Cannes, é um espanto. E que trabalho FÍSICO, devastador!!!!!!!! ((((Ela estava em Tulpan, filme realmente encantador??????????))))) ……….E o retrato de MOSCOU, coberta pela neve??? Um “personagem”….Achei o roteiro engenhosíssimo. Sem nenhum furo. As conversas dela com a irmã pelo celular, o sonho de não ser encontrada pois “MOSCOU é IMENSA”, tudo é bem engendrado. Achar imigrante em pensões-muquifo é a coisa mais fácil do mundo!!! (ih, contei um dos mil momentos do filme!!!!!)… AGORA, uma atriz fantástica já vale 2 estrelas. EU DOU 4!!!!!! (risos)
MULHERIO, este filme é para nós!!!
Não percam!!!!! rô, a missionária de algumas causas!!!!

(…) a faxineira indica uma médica a Ayka,
o que será fundamental na trama… E acho que tira o BRUTALISMO total do filme. Há irmandade entre duas mulheres imigrantes (ambas de tipo oriental), pelo menos, já que as eslavas não ajudam Ayka, nem a que comanda a limpeza da neve, nem a que a convoca para vaga preenchida por causa de atraso, etc. E ela, AYKA, não é mostrada como santa. Ela apronta com a moça que a substiuiu no emprego anterior (um teatro de balé!!!!! ou um estúdio de cinema? ). O filme é da Zeta Filmes. Bjs rô

(…) AIKA, FILME RUSSO-CASAQUE:

quem escreveu critica deste filme???? POR FAVOR,
me mande. Gostei demais. Vi ONTEM, no Cinearte 2.
A crítica francesa foi negativa, pois enfiaram na cabeça que é um sub-ROSETTÁ (dos Dardenne). Para mim, é um mergulho na tragédia de uma mulher. Impressionante a compreensão do corpo feminino pós-parto. O sangue (uma hemorragia que lembra sempre o ciclo menstrual, que é só feminino), os peitos cheios de leite (também só femininos) causando febre… E mais: a neve em Moscou que vira quase um personagem, os males da IMIGRAÇÃO. Eu teria restrições ao filme se todos fossem insensíveis à dor dela… Mas a faxineira da clínica veterinária, que também é mãe, a ajuda…. Enfim, tudo indica que este filme, um dos nove pré-indicados ao OSCAR, vai passar batido como os russos SEM AMOR VERÃO. A hegemonia norte-americana em nossa circuito tornou-se AVASSALADORA… Vide o Prêmio Sesc Melhores do Ano. Parece que dos 20 filmes estrangeiros, só 4 não são made in USA. Sérgio Rizzo fez de sua fala no Seminário da CRITICA, lá no CineSesc, um manifesto sobre o tema. Cadê as outras geografias??? Cadê o cinema japonês, chinês, russo, alemão, grego???????

bjs rô