100 NOVOS FILMES DE LONGA-METRAGEM DO NORTE, NORDESTE E CENTRO OESTE + SUSY LOPES EM SETE LONGAS NORDESTINOS. TRÊS DELES FAZEM PARTE DA SAFRA PARAIBANA, QUE SOMA 13 LONGAS JÁ CONCLUÍDOS OU EM PRODUÇÃO.

FEST ARUANDA 2018 (ANO 13) – A mostra SOB O CÉU NORDESTINO continua no centro das atenções na 13a. Edição do FESTIVAL ARUANDA do Audiovisual Brasileiro. A ponto de colocar em segundo plano a competição nacional, composta com seis longas (uma ficção, “Simonal”, um híbrido, “Azougue Nazaré, e quatro documentários, um sobre Mussum, outro sobre Clementina de Jesus, outro sobre Adoniran Barbosa e o quarto sobre um festival de rock e surf em Saquarema, no litoral fluminense).
Jean-Claude Bernardet, professor da USP e cinéfilo de dedicação ímpar, está acompanhando com renovado interesse a produção nordestina, a brasileira e — pasmem — revendo filmes em mostras dedicadas a filmes do passado. No debate dos filmes “Rebento”, de André Morais, “Beiço de Estrada”, de Eliezer Rolim, “Estrangeiro”, de Edson Lemos Akatoy, e “O Seu Amor de Volta”, de Bertrand Lira, Bernardet disse estar surpreso não só com quantidade de longas paraibanos, mas sim com a qualidade do que está assistindo a cada novo dia, no festival que encerra suas atividades nesta quarta-feira, 12 de dezembro, em João Pessoa, capital da Paraíba. Propôs, inclusive, que a Crítica Cinematográfica presente ao festival eleja o melhor dos seis filmes paraibanos, e não apenas o melhor filme da mostra nacional.
O cineasta cearense Rosemberg Cariry, por sua vez, contou, em debate, que há 100 (cem!) novos longas-metragens prontos ou em filmagens (ou finalização) no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, áreas abarcadas pela CONNE (Conexão do Audiovisual do Norte, Nordeste e Centro-Oeste). Regiões, registre-se, que historicamente, só produziam longas-metragens esporadicamente. E na maioria dos casos, documentários. Agora, a ficção começa a ganhar vulto. No caso paraibano, dos seis filmes exibidos na mostra Sob o Céu Nordestino, só um é documental.
A prova desta espantosa primavera da produção realizada fora do Sudeste e Sul foi fornecida pela atriz paraibana SUSY LOPES (foto) durante o debate do longa SOL ALEGRIA, de Tavinho e Mariah Teixeira. Ela lembrou que integra o elenco de três filmes paraibanos reunidos pela mostra SOB O CÉU NORDESTINO (além de SOL ALEGRIA, atua em BEIÇO DE ESTRADA, de Eliezer Rolim, e AMBIENTE FAMILIAR, de Torquato Joel). Participa também de quatro longas pernambucanos: “Bacurau”, de Kleber Mendonça e Juliano Dornelles, “Divino Amor”, de Gabriel Mascaro, “Fim de Festa”, de Hilton Lacerda, e “Vestido Branco, Véu e Grinalda”, de Marcelo Gomes.

Enviado do meu iPhone