BILHETERIAS BRASILEIRAS + REVISTA DE CINEMA/Uol + CONGONHAS , A CIDADE SOS PROFETAS + SILVIO TENDLER
+ CURTA E LONGA: MARCOS MEDEIROS

Rô Caetano
Maria do Rosário Caetano
Blog: www.almanakito.wordpress.com

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS

+ REVISTA DE CINEMA/Uol + CONGONHAS E A
BASILICA DO BOM JESUS DE MATOSINHOS

(ALEIJADINHO E A CIDADE DOS
PROFETAS EM POEMA DE OSWALD DE ANDRADE)

+ SILVIO TENDLER + O PROCESSO + CURTA E

LONGA: MARCOS MEDEIROS:“Codinome

Vampiro” (PARCEIRO DO GLAUBER
EM “Hystória do BRASIL”, documentário

realizado em CUBA)

***SILVIO TENDLER/
DEDO NA FERIDA:
**AMIGOS me perguntam pela
saúde de Sílvio Tendler, que acaba de lançar
DEDO NA FERIDA, seu mais novo documentário.
Em matéria que escrevi para a Revista de Cinema/Uol,

ele diz que está bem, tem vários filmes em processo de realização (Amir Labaki fala de alguns
deles em texto que publicou, ontem, 21-06-18, na

Folha de S. Paulo) e que continua dando aulas
de Cinema na PUC-Rio (ofício ao qual se dedica

há quase 40 anos). Ele me disse que
de “tetraplégico, passou aparestésico”.

Em síntese: está bem!!!!!!!

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS

+ REVISTA DE CINEMA/UOL

(NOVAS MATÉRIAS)

+ A IMPRENSA E A REGIÃO

DO OURO DE MINAS GERAIS.

+ LIVROS DE MARCELO

JANOT E DE GERALDO VELOSO

+ COPIA RESTAURADA DE

” L’ATALANTE”, CULT DE VIGO

+ LANÇAMENTO DO LIVRO “CINEMA

FALADO”, DE EMERSON MARANHÃO,

NESTE SABADO, 23, EM FORTALEZA

+ BRICHOS (PAULO MUNHOZ)

+ WALNICE NOGUEIRA GALVÃO E O

POEMA DE OSWALDi ANDRADE

SOBRE OS PROFETAS DO ALEIJADINHO

+ CONGONHAS (DO CAMPO)

FAZ FESTA PELA RESTAURAÇÃO
DO SANTUARIO DO BOM JESUS DE

MATOSINHOS (DIA 28)

+ RUY GUERRA: DOUTOR

HONORIS CAUSA (UFRJ, DIA 28)

+ “ANIMAÇÃO BRASILEIRA –

100 FILMES ESSENCIAIS”:
LIVRO EDITADO PELA ABRACCINE,

ABCA, CANAL BRASIL E LETRAMENTO

SERÁ LANÇADO NO FEST ANIMA

MUNDI, NO RIO.

+ PAULO BETTI & DADÁ COELHO:

CASAL FAZ “DR”
NA RUSSIA, EM PLENA COPA

DO MUNDO – ASSISTAM
AOS ESQUETES DA DUPLA,

NO CANAL BRASIL

+ LIVRO DE REINALDO

(O ATLETICANO GOLEADOR)

+ CENTENARIO DE INGMAR

BERGMAN (MOSTRAS EM VÁRIAS

CIDADES: EM BRASILIA, NO CINE

BRASILIA, EM SP – NO CINESESC)

+ “REI”, DO CHILENO NILES ATTALAH

* BILHETERIAS
BRASILEIRAS:
Data: 19-JUNHO-2018

ESTREIAS:

. Do Jeito Que Elas Querem………………35.066
. Talvez Uma História de Amor………..11.401
. Amores de Chumbo………………………….1.177
. Baronesa……………………………………………1.006
. Em 97 Era Assim………………………………….285

. CONTINUAÇÕES:

. Não se Aceitam Devoluções……………….270.602
. O PROCESSO……………………………………..58.693
. Paraíso Perdido…………………………………..17.709
. Severina………………………………………………13.248
. A Cidade do Futuro…………………………….11.566
. As Boas Maneiras………………………………….5.782
. Em Um Mundo Interior………………………..1.672
. Dedo na Ferida……………………………………..1.600
. Comboio do Sal e Açúcar……………………..1.478

**Anna Karenina (Rússia)………………….5.458 (o filme distribuído pelo CPC-UMES está com média melhor que a de blockbusters como “Hans Solo”). Claro que o filme russo está em poucas salas e o estadunidense, em centenas.

******** A Copa do Mundo derruba brutalmente a frequência aos cinemas. Médias por cópia estão baixíssimas. Derrubou até produções talhadas para blockbuster. ******O PROCESSO não deve, por tal momento, ultrapassar os merecidos 100 mil espectadores. ***Falaram tanto que
“o Brasil não estava nem aí para a Copa do Mundo!”. Foi só começar e a maioria só pensa nos gramados russos. Também, que começo maravilhoso: a Rússia, que Karen Shakhnazárov pensava que ficaria ali no meio/meio começou arrebentando a boca do balão; o meu amado México derrotou a Alemanha, Portugal e Espanha fizeram jogo de arrancar o fôlego, Senegal, o único time com um técnico black, também causou sensação. O Brasil vai indo, sem brilho, mas indo. E os russos dando show como anfitriões. E os BOÇAIS (torcedores) brasileiros nos matando de vergonha (leram a crônica da Ana Paula Lisboa, em O Globo-20-06-18??? Recomendo). A Seleção Brasileira é nossa, sua camisa também. Jamais a entregaremos aos coxinhas. É isto que eles querem!!!!

*****NA REVISTA DE CINEMA/Uol:
Ampla cobertura do cinema brasileiro.
Novas matérias sobre:
1. Restauro de “O Atalante”, cult de Jean Vigo,
sem Père Jules (Michel Simon) ‘fumando pelo

umbigo’.
2. “Dawson City – Tempo Congelado”, de

Bill Morrison:
mostrado e debatido na CineOp
3. Maria Gladys, a homenageada da Mostra

de Cinema de Ouro Preto
4. Textos sobre o Olhar de Cinema 2018

(Curitiba-Paraná).
. No Blog Almanakito:
. Amaranta César: pesquisadora, professora
universitária e (ótima) cineasta bissexta.
. Congonhas e o restauro da
Basílica do Bom Jesus de Matosinhos.

****CONGONHAS, A
CIDADE DOS PROFETAS:
Walnice Nogueira Galvão,

professora da USP, me mandou o
belo poema que Oswald de Andrade escrever quando visitou a cidade (ver abaixo). Ela me alertou que o certo — no último verso — é “NAS” e não “das”. OK???. ****Geraldo Veloso, que colocou trecho de tal poema na
boca de um personagem dele (no filme-coletivo “O Circo das Qualidades Humanas”) me mandou também farto material, que divulgarei depois.
No Almanakito, num textinho, falo das comemorações da próxima quinta-feira, dia 28, quando serão festejadas as obras de restauração do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, que duraram quase dois anos. Segue o poema oswaldiano:
O POEMA OSWALDIANO:
“No anfiteatro das montanhas
Os profetas do Aleijadinho
Monumentalizam a paisagem
As cúpulas brancas dos Passos
E os cocares revirados das palmeiras
São degraus da arte de meus país
Onde ninguém mais subiu

Bíblia de pedra-sabão
Banhada no ouro nas minas”

****DUAS CAPAS EM O CRUZEIRO:
Ao visitar em Congonhas (do campo) o novíssimo e belo Museu de Congonhas (obra do Governo Dilma), entendi, pelo menos parcialmente, uma das razões do esquecimento que tomou conta de muitas das cidades da Região do Ouro de MG. E que razão seria esta? O desinteresse da mídia brasileira (jornais, revistas, TV) pelo Brasil (o que realmente vale a pena!) e sua troca por temas mundanos, fúteis e pelo denuncismo. Páginas e páginas e mais páginas são gastas em denúncias, na condenação da Política, em casamentos reais e nascimentos de seus rebentos… Visitando a exposição disponibilizada em caráter permanente no Museu de Congonhas, na derradeira sala, encontrei livros (do francês Germain Bazin, da brasileira Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, do inglês John Bury, etc, etc), revistas, recortes de jornais, selos, cédulas, enfim, impressos sobre a Cidade dos Profetas e geniais criações do Aleijadinho… E me deparei com duas capas da revista O Cruzeiro dedicadas a obras de Antônio Francisco Lisboa, o aleijadinho que criou os Profetas (que encataram Oswald e nos encantam no “anfiteatro da montanha”) e as 64 esculturas que estão nas seis capelas do Passo, no complexo arquitetônico da Basílica do Bom Jesus de Matosinhos. Uma das revistas O Cruzeiro é de 1954. A outra, de 1963. Que interesse têm nossas revistas atuais por tal patrimônio? Quantas capas dedicaram a ele? Quantos Globo Repórter a Globo dedicou ao tema? (A zeladora da Capela de Nossa Senhora do Ó, em Sabará, me disse que a Globo Minas tem um programa que passa bem cedinho e que dá espaço às igrejas e esculturas da Região do Ouro). Mas admitiu que o turismo na região está muito fraco.
Para mim, Chatô era um homem cheíssimo de muitosss defeitos. Mas tinha uma qualidade: amava o Brasil. Seus veículos prestavam imensa atenção em nosso patrimônio artístico. Numa das sedes de seus Diários Associados, havia uma réplica do profeta Jonas (o da Beleia). Barretão até fotografou Glauber Rocha junto a tal réplica (ver numa das páginas do livro-álbum “Passagem – A Memória Visual de Luiz Carlos Barreto”, Editora Objetiva, 2001). Hoje, o que a família Marinho, os Frias, os Mesquita, etc, etc pensam do Brasil? Basta ler as CAPAS das publicações que editam, para que saibamos a resposta.

**** MARCOS
MEDEIROS DOC:

Militante político e parceiro de
Glauber Rocha em “Hystória do Brasil”
que já fôra tema de um curta, agora é
tema de longa-metragem produzido por

Cavi Borges.
*** Filme segue inédito em São Paulo —
Seria maravilhoso ter sessões deste longa

somadas ao curta do
RICARDO ELIAS (ou errei o nome do

diretor de tal curta?????).
Podia ser no CineSesc, ou na Reserva

Cultural, ou no CINEARTE-Petrobras,

no Cine BELAS ARTES, etc……
O produtor, repito, é o Cavi Borges
******Carlos Beto escreve:
MARCO MEDEIROS: “Codinome Vampiro”
é altamente recomendável e quase obrigatório
por quem se interessa pelo tema (SIGAM LENDO)

Assunto: Ditadura – filme: “Marco Medeiros:
“Codinome Vampiro” é altamente recomendável
e quase obrigatório por quem se interessa pelo tema

https://www.facebook.com/joaocarlos.rodrigues.18/posts/1816461005059889

Por João Carlos Rodrigues

Dica de filme: “Marco Medeiros: Codinome Vampiro”
Direção Vicente Duque Estrada
Brasil, 2018

Não costumo escrever sobre filmes nos quais tenho alguma participação (aqui depoimento e ajuda na pesquisa),

mas vou abrir uma exceção para essa estreia de Vicente Duque Estrada no cinema, depois de anos trabalhando

com vídeo, inclusive em comunidades de baixa renda etc. Ele escolheu um tema tão escorregadio quanto interessante e eu diria mesmo corajoso.

Agora que completamos 50 anos das agitações de 1968, o ano que não terminou, nada mais justo do que lembrar um de seus líderes estudantis mais destacados e a surpreendente trajetória de sua vida no exílio e na volta ao Brasil. Conheci Marcos Medeiros de vista quando ainda era um dândi, campeão de frescobol no Posto 5 em Copacabana, assíduo nas sessões de cinema de arte no Paissandu, ator num instigante curta hoje desaparecido que passou no Festival JB em 1966 (“O trajeto” de Jorge Guimarães), pinta de galã. Depois o reencontrei nas passeatas como líder estudantil radical, bem mais tarde como cineasta na Fundação Rio durante a administração Brizola.

Há toda uma coerência nesse aparente paradoxo. Ao contrário da maioria das outras lideranças, MM nunca foi ligado à ALN, à Vanguarda Popular Revolucionária nem ao PC do B – as três fontes principais da luta armada no Brasil. Como diria Godard “um filho de Marx com a Coca Cola”. Era ligado ao PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário) de Mário Alves, Jacob Gorender e Apolonio de Carvalho, de curta duração (durou apenas de 1968 a 1970 sendo barbaramente reprimido pela ditadura militar).

Sua formação era intelectual e não teórica e as tendências pessoais estavam mais próximas do anarquismo e mesmo do existencialismo. Assim acabou abandonado à sua sorte pelos outros grupos, nunca sendo citado pela maioria dos pesquisadores, historiadores e jornalistas, mesmo tendo integrado a pequena comissão tirada na Passeata dos Cem Mil para dialogar com o ditador Costa e Silva, o que acabou não funcionando (quem não sabe veja o filme para saber por que).

Retirado do Brasil pela atriz Maria Lucia Dahl, namorada que lhe deu uma filha, ele foi para Itália e França, depois Cuba, depois voltou à Europa. Trabalhou com os cineastas Chris Marker e Glauber Rocha, o que não é pouca coisa. Entrou noutra. Cometeu todas as imprudências da cocaína. Na volta ao Brasil fez vídeos e agitação cultural. Acabou internado no Pinel e faleceu em 1997 na pior, brigado com deus e o mundo. Uma peça rara, oscilando entre brilhante e irresponsável. Um personagem de sua época. Metamorfose ambulante sem ter velhas opiniões formadas sobre tudo.

Vicente foi um de seus poucos amigos fiéis até o fim.

Nos depoimentos mais de uma pessoa se refere a ele como poeta e não como cineasta ou guerrilheiro ou líder estudantil. Acho uma boa definição. E acrescento: um poeta cujo melhor poema foi sua própria trajetória trágica, única e interessantíssima. É preciso entender personagens assim para melhor compreender o período. Rever tudo todo tempo e para sempre.

Portanto “Codinome Vampiro” é altamente recomendável e quase obrigatório por quem se interessa pelo tema. O filme entrou em cartaz no Rio de Janeiro…. É preciso mais. (Texto de João Carlos Rodrigues)