CINEMA NO FEMININO: MARIA MAIA APRESENTA DOCUMENTÁRIO SOBRE DRUMMOND NA UBE (UNIÃO BRASILEIRA DE ESCRITORES)

***MARIA MAIA:

PROFISSÃO DOCUMENTARISTA

“DRUMMOND, POETA

DO VASTO MUNDO”

A UBE (União Brasileira de Escritores) convida para a exibição do filme “Drummond, Poeta do Vasto Mundo”, da cineasta Maria Maia. Exibição seguida de debate, na sexta-feira, dia 25 de maio, às 19h00, na sede da UBE – Rua Rego Freitas, 454 – 6o. Andar – São Paulo (centro)

CINEMA NO FEMININO (Por Rô Caetano) — Impressionante como o cinema feminino, muitas vezes, se faz em silêncio. Ao ler o livro “Feminino e Plural: A Mulher no Cinema Brasileiro” (Editora Papirus, 2017), deparei-me, surpresa, com artigo da professora e ensaísta Sheila Schvarzman (“Gilda Bojunga: Caminhos e Percalços de Uma Afirmação”) sobre mais uma documentarista “apagada” por nossa história audiovisual. Se não fosse a pesquisa de Sheila, os filmes documentais de Gilda — neta de Roquette Pinto e atuante secretária do cineasta Humberto Mauro, em sua fase INCE (Instituto Nacional do Cinema Educativo) – teriam passado em branco. Ou seja, continuariam “silenciados” nos arquivos da antiga TV Educativa (hoje EBC-TV Brasil).

Caso semelhante ao de Gilda Bojunga é o da cineasta Maria Maia. Ela já realizou quase 50 documentários de curta, média e longa-metragem. A maioria para a TV. Saiba, pois quem é a diretora que, no próximo dia 25 de maio, mostrará (e debaterá), na UBE (União Brasileira de Escritores), instituição que promove o prestigioso Troféu Juca Pato, o documentário “Drummond, Poeta do Vasto Mundo”. Curioso notar que as duas (Gilda e Maria) realizaram documentários sobre Humberto Mauro.

REDESCOBRINDO O BRASIL:

SÉRIE DE DOCUMENTÁRIOS

DE MARIA MAIA

MOSTRA DE LEVI-STRAUSS

A GLAUBER, DE

PORTINARI A JK, DE DARCY

A CHICO MENDES

A documentarista Maria Maia nasceu no Acre, há 58 anos, estudou na UnB (Universidade de Brasília) e vive na capital da República há algumas décadas. É socióloga, antropóloga e mestre em comunicação social pela mesma UnB, tendo defendido dissertação de mestrado sobre a “Escritura Fílmica”, o processo de criação da linguagem cinematográfico.
Roteirista e diretora de quase 50 documentários de curta, média e longa duração, além de programas especiais para TV , ela realizou, na TV Senado, títulos de grande importância e sobre personagens da grandeza de Levi-Strauss, Candido Portinari, Glauber Rocha, Darcy Ribeiro, entre muitos outros. É companheira do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, que atuou na Embrafilme na gestão de Celso Amorim, e foi adjunto do Ministério das Relações Exteriores, Governo Lula.

Confiram os principais documentários de Maria Maia:

. 3 Refeições

. Machado de Assis, Alma Curiosa de Perfeição

.Portinari, Poeta da Cor;

. Zé Lins, Engenho e Arte

. Sousândrade, O Guesa Errante

. Athos Bulcão, Ritmo,Forma e Cor

. JK, um cometa no céu do Brasil

. Chico Mendes Vive

. Abdias, Raça e Luta

. Darcy, Um Brasileiro

. Diretas Já

Seu mais novo documentário – “3 Refeições” – teve pré-estreia recente, em Brasília, no Cine Liberty Mall. A realizadora destaca, entre sua prolífica produção para TV, a série Redescobrindo o Brasil, que incluiu documentários sobre Glauber Rocha, Humberto Mauro, Ângelo Agostini, Lampião, Mulheres Pioneiras e “Lévi-Strauss, Saudades do Brasil”.

Maria Maia acumula, também, vasta produção independente: Inferno e paixão; Espelhos Abomináveis; Mais Uns, Deuses na Cidade, Um dia no Juruá, Deuses no Juruá (este último em co-direção com Rogério Sganzerla), Reservas Extrativistas na Amazônia; clips com Renato Matos, Akneton, Susana Maris, entre outras realizações.

Ela exibiu muitos de seus documentários em diversos festivais:Albacete Documental, Espanha – 2004; BrazilianFilmWeek, em Londres 2004; AltroviSguardi, em Milão