+ PAMELA YATES + A ATRIZ ITZIAR ITUÑO
+ SÉRIES ESPANHOLAS + CINE CULTURA LIBERTY MALL FAZ 6 ANOS COM HOMENAGEM E PROMOÇÕES

+ OTIMO DEBATE COM PAMELA
YATES, NO FEST É TUDO VERDADE.

+ ITZIAR ITUÑO (EM FOTO NO CINECEARÁ): LOREAK +
“CASA DE PAPEL”

+ MERLÍ, DESTAQUE DE
RENATO JANINE RIBEIRO

+ CINE CULTURA LIBERTY MALL FAZ SEISANOS COM HOMENAGEM E PROMOÇÕES

+ OTIMO DEBATE COM PAMELA
YATES, NO FEST É TUDO VERDADE
A cineasta norte-americana Pamela Yates, de 56 anos, participou na tarde de ontem (18 de abril) de debate sobre sua Trilogia Gatemalteca, no Teatro do Sesc 24 de Maio. Ela relembrou os 30 anos dedicados à construção dos filmes “Quando as Montanhas Tremem” (1983, narrado pela futuro Prêmio Nobel, Rigoberta Menchú), “Grãozinho de Areia” (2007) e “500 Anos” (2017). Perguntei a ela o que a motivara a embarcar em helicóptero do exército da Guatemala, que sobrevoaria as montanhas onde se encontravam a guerrilha salvadorenha (o helicóptero foi atingido, perdeu altura e fez pouso forçado) . E perguntei a Paco de Onís, produtor e companheiro de Pamela, sobre dois materiais presentes em filmes da Trilogia: um em que o presidente-ditador Ríos Montt discursa e voz-interferência (da guerrilha) entra no ar e outra em que
atores reconstituem encontro do presidente Jacobo Árbenz (deposto em 1954, por golpe apoiado pelos EUA) e sua mulher, com o embaixador norte-americano. Lembrete obrigatório: quem conhece a história de Ernesto Guevara de la Serna, o futuro Che, sabe que o golpe que derrubou Jacobo Árbenz marcou profundamente sua (de Che) conscientização política. Ele estava viajando pela América Latina e chegara à Guatemala, quando o golpe triunfou………Saio agora para mais uma maratona no Festival É Tudo Verdade e, depois, resumo as respostas de Pamela e de Onís. OK???

+ PAULO SINGER, O FILME
A professora Walnice Nogueira Galvão
me lembra que o economista Paul Singer, que nos deixou dias atrás e que é tema de filme (um longa documental de Ugo Giorgetti) era professor da FEA-USP quando foi cassado com base no mais autoritário de todos os documentos da ditadura militar brasileira: o AI-5

++++DUAS SÉRIES ESPANHOLAS
+ ITZIAR ITUÑO EM “CASA DE PAPEL”
+ MERLÍ, DESTAQUE DE RENATO JANINE RIBEIRO
Em sua coluna de TV, em O Globo, Patrícia Kogut tem dado destaque à serie espanhola “Casa de Papel”, sobre assalto à casa da moeda espanhola. E a Netflix acaba de anunciar a terceira (creio!) temporada. Ainda não vi nenhum capítulo, mas um nome me chamou atenção: o da atriz basca Itziar Ituño (foto), que integra o elenco. A conhecemos no CineCeará, dois anos atrás, quando Itziar (foi um custo guardar o nome basco dela!) a todos encantou por seu trabalho no filme LOREAK (Flores). Um filme feminino, delicado, que rendeu ótimo debate. Debate no qual ela brilhou por suas ideias inteligentes e claras sobre cinema, interpretação, etc. E era das mais animadas nas rodas de conversa e nas noitadas pós sessões no belo Cine São Luiz. Passou o festival inteiro em Fortaleza e deixou amigos no Brasil. Hoje, ao abrir minha caixa de e-mail, encontrei anúncio turístico me indicando passeio a Madri para conhecer “a verdadeira Casa de Papel: a Casa da Moeda” madrilenha. Primeiro,
preciso conhecer a série (mas vendo de três a cinco filmes por dia, no Festival É Tudo Verdade, missão impossível). E por falar em série espanhola, há outra causando sensação: MERLÍ, sobre um professor de Filosofia catalão. No facebook, o professor da USP, Renato Janine Ribeiro, foi o primeiro a chamar atenção para “Merlí”. Zanin escreveu sobre ela e, no último domingo (15 de abril), no caderno Aliás, o cineasta e doutor pela mesma USP, Daniel Augusto (diretor de vários curtas e de longa-metragem sobre Paulo Coelho, escrito e produzido por Carolina Kotscho) escreveu belo texto sobre MERLÍ. No mesmo domingo, só que na Ilustríssima, Daniel escreveu um ótimo ensaio sobre o Centenário de André Bazin.

+ CINE CULTURA LIBERTY
MALL FAZ 6 ANOS COM
HOMENAGEM E PROMOÇÕES
DE 23 DE ABRIL A 2 DE MAIO A PROGRAMAÇÃO TERÁ

HOMENAGEM AO PRODUTOR E DIRETOR MÁRCIO CURI,

MOSTRA DE CLÁSSICOS E DIA PROMOCIONAL

COM TODOS OS INGRESSOS A 6 REAIS

O cineasta e produtor Márcio Curi, que faleceu em 2017, deixou um importante legado para o cinema brasiliense e brasileiro. Um dos maiores realizadores da história do cinema brasiliense, Márcio Curi foi também um dos principais produtores e incentivadores do cinema brasileiro. Destacam-se entre os seus trabalhos a produção do longa metragem Louco por Cinema, e a direção do filme A Última Estação, premiado em diversos festivais nacionais e internacionais. No dia 23 de abril, às 20h30, o Cine Cultura Liberty Mall fará uma sessão especial em sua homenagem e exibirá o seu penúltimo longa metragem, A Última Estação, com entrada franca. Antes da sessão será descerrada a placa da sala 1 do cinema que passará a ter a denominação Sala Márcio Curi.

6 anos, 6 reais – No dia 24 de abril, terça -feira, todos os ingressos para todos os filmes em todas as sessões serão vendidos ao preço único de 6 reais. A promoção é válida para a programação normal do Cine Cultura Liberty Mall. Serão 12 filmes em 15 sessões a partir das 13h50, num total de 1500 ingressos, que poderão ser adquiridos na bilheteria do cinema a partir das 13h30. Cada cliente poderá adquirir no máximo 4 ingressos. A programação está disponível no site www.cinecultura.com.br.

Duas sessões de filmes inéditos com a presença dos diretores seguidas de debate terão entrada franca. No dia 24 de abril, terça-feira, às 20h30, será exibido o filme Ex Pajé. Após a exibição, o diretor Luiz Bolognesi debaterá sua obra com o público presente. No dia 26 de abril, quinta-feira, às 19h, será exibido o filme Híbridos, os espíritos do Brasil. Após a sessão, os diretores franceses Vincent Moon e Priscilla Telmon debaterão o filme com o público.

A Mostra de Clássicos inesquecíveis exibirá 7 filmes de grandes diretores de diferentes nacionalidade em cópias restauradas. Esta mostra ocorrerá de 26 de abril 2 de maio e terá preços diferenciados e promocionais. Em todas as sessões dos filmes que compõem a mostra, os ingressos custarão 14 reais a inteira e 7 reais a meia entrada.

ERA UMA VEZ EM TÓQUIO, Yasujiro Ozu, 1953

HIROSHIMA, MEU AMOR, Alain Resnais, 1959

A BELA DA TARDE, Luis Buñuel, 1967

A PRIMEIRA NOITE DE UM HOMEM, Mike Nichols, 1967

ESTRANHOS NO PARAÍSO, Jim Jarmusch, 1984

ACOSSADO, Jean-Luc Godard, 1961

MULHOLLAND DRIVE: CIDADE DOS SONHOS, David Lynch, 2001

Panorama Assessoria de imprensa:

Ulisses Freitas. contato: 98126 6445

Diretoria do Cinema:

Vera Corralero – 98126 0044