PRÊMIOS PLATINO + FESTIVAL FEMININO + CINECLUBE CPC-UMES EXIBE FILME DE DINO RISI + “QUASE MEMÓRIA”: JOÃO MIGUEL E RUY GUERRA

+ PREMIOS PLATINO + FESTIVAL FEMININO + CINECLUBE CPC-UMES
+ “QUASE MEMORIA”: JOÃO MIGUEL NO NOVO FILME DE RUY GUERRA

+ MOSTRA JOSÉ LEWGOY, COM 22 FILMES:
DE 18 DE ABRIL A 7 DE MAIO: NO CCBB

+ FESTIVAL FEMININO EM JULHO (SP)

+ CINECLUBE CPC-UMES & FILME DE DINO RISI

+ PREMIO PRINCIPE CLAUS PARA VINCENT CARELLI

+ “QUASE MEMORIA”: JOÃO MIGUEL E A HONRA
DE TRABALHAR COM RUY GUERRA

+ PREMIOS PLATINO (DIA 29 DE ABRIL,
NA RIVIERA MAYA-MEXICO)

+ HOJE: CINECLUBE CPC-UMES
EXIBE FILME DE DINO RISI

+ “QUASE
MEMORIA”: JOÃO MIGUEL
EXALTA A HONRA DE
TRABALHAR COM RUY GUERRA

**** 1º Festival Internacional

de Mulheres no Cinema

abre inscrições competitiva nacional

*PREMIOS PLATINO + CINEMA TURCO + PREMIO PRINCIPE
CLAUS PARA VINCENT CARELLI + MURILO SALLES CONVIDA:
DIA 16 DE ABRIL: 3 VOLUMES DE “CULTURA BRASILEIRA HOJE”,

+ MOSTRA DE CINEMA TURCO, EM SP + DIA 16: LANÇAMENTO
DE 3 VOLUMES DO LIVRO “CULTURA BRASILEIRA HOJE”

+ DIA 17: VINCENT CARELLI RECEBERÁ O
PREMIO PRINCIPE CLAUS, DA HOLANDA

+ FEST É TUDO VERDADE ANO 23
COMEÇA NESTA QUARTA, EM SP
(“ADONIRAN”), E QUINTA, NO RIO (“CARVANA”)

+ NO CINESESC PROSSEGUE
O FESTIVAL MELHORES DO ANO:
QUINTA-FEIRA, DEBATE DO FILME
“ARPILLERAS, ATINGIDAS
POR BARRAGENS BORDANDO A RESITÊNCIA”

*****LANÇAMENTO
DE “CULTURA
BRASILEIRA HOJE”
DA FCRB

CONVITE DE MURILO SALLES

No dia 16, próxima segunda-feira,
na Travessa do Leblon-Rio, às 19h00,
acontecerá o lançamento
deste livro – são 3 volumes —
do qual tenho a honra de participar
com um depoimento.
Haverá um debate com
Silviano Santiago,
Flora Süssekind, Zé Resende,
Ronaldo Brito e Bia Lessa.
Vai ser um evento bacana.
Lá estarei… e NÃO vai ter a chatice
de autógrafo, pois são
muitos artistas entrevistados!
Bem, adoraria vê-los por lá!
Murilo

*****PLATINO 2018 — ANO V

+ Discurso de Antonio Banderas

nos Prêmios Platino ANO II (2015)

PLATINO DE HONOR – HISTÓRICO

2014 – Sonia Braga, em Ciudad Panamá

2015 – Antonio Banderas, em Marbella (Espanha)

2016 – Ricardo Darín, em Punta del Este (Uruguai)

2016 – Edward James Olmos, em Madri (Espanha)

2018 – ???????????????? – Na Riviera Maya (México)

***Abaixo, o discurso de Antonio Banderas

Em Marbella-Málaga, Andaluzia, Espanha- 18-07-2015

“Receber este Prêmio Platino é obviamente uma honra. E recebê-lo das mãos de uma lenda como Rita Moreno é um grande privilégio.

Desde minha Málaga fenícia, muçulmana, romana e picassiana — por parte de pai zambranista – mando uma saudação a todos os povos latinos aos quais me uno não apenas na língua, mas no desejo incomum de sonhar e de fazê-lo através da arte da tela em movimento, que nós chamamos de cinema.

Queira ou não queira, receber um prêmio nos traz uma série de tentações, de vaidades. Temos que lutar contra elas como o Quixote lutava contra os moinhos gigantes. E apesar de ter nascido nas terras da Andaluzia, em Málaga, que é um sonho tornado realidade, eu sempre acreditei dividir com o cavaleiro da triste figura, a loucura insensata, os desejos irreprimíveis e a vocação ansiosa pela aventura.

Estou contente e excitado de receber tantos amigos e tantos talentos, que espero que esta terra de Málaga lhes abra as portas e os trate com o mesmo carinho com que fui tratado em cada um dos países latinos onde tive a sorte de ter trabalhado. Fiz sete filmes no México, três na Argentina, um na Colômbia, um na Venezuela, um em Porto Rico e um no Chile. Filmes nos quais consegui compartilhar equipes de excelentes profissionais e uma forma de fazer cinema e de entender a vida.

O grande salto do nosso cinema ainda não aconteceu. Pois foi nos Estados Unidos, que aos poucos foi dando oportunidade aos talentos – e alguns dos que se encontram aqui se beneficiaram disto, temos que dar a César o que é de César e o que é dos hispânicos aos hispânicos – é ali onde consigo entender a dimensão real, o caráter universal, o potencial e a força sem dúvida do latino. Os Estados Unidos são um lugar onde – apesar do interesse insano e totalmente reprovável de Donald Trump ao chutar nosso traseiro – existe um caldeirão de comunidades que fala a língua de Cervantes e que não apenas enriquece a vida cultural do país, mas traz valores apoiados na sua própria dignidade, no trabalho duro, no sacrifício e na busca para que todos se unam, sem ser contra ninguém.

De fato, sem buscar o confronto, de coração aberto, com a curiosidade como bandeira e com ideia clara de que todos amamos nossos países de origem e podemos, sem a menor dúvida, abraçar a ideia do latino e o orgulho de nos sentirmos hispânicos, entendo que estes Prêmios Platino são a plataforma para iniciarmos um caminho que nos ajudará a consolidar o respeito que nos permitirá reivindicar a nossa língua nas produções cinematográficas e nos tornar fortes para competir em igualdade de condições, nem mais, nem menos. Ninguém vai nos dar valor se nós não o fizermos primeiro.

Terminarei com Cervantes e com seu Dom Quixote, que a partir de sua mente sonhadora – e lúcida por alguns momentos – nos mostra que quando você não tem experiência nas coisas do mundo, todas as coisas que apresentam alguma dificuldade parecem impossíveis. Confie no tempo que costuma dar doces saídas a muitas dificuldades amargas”.

***HOJE, SEGUNDA-FEIRA (09/04):
Mostra Permanente de Cinema Italiano

Nesta segunda-feira (09) a Mostra Permanente de Cinema Italiano

apresentará o filme “Este Crime Chamado Justiça”, dos Dino Risi.

Aproveite, só na UMES você confere o cinema italiano com entrada franca!

A sessão será iniciada às 19 horas no Cine-Teatro Denoy de

Oliveira, na Rua Rui Barbosa, 323, Bela Vista. Chame sua família e seus amigos, participe!

ESTE CRIME CHAMADO JUSTIÇA (1971), DE DINO RISI

SINOPSE

Um juiz italiano investiga um empresário suspeito de matar uma mulher. Na apuração surge a personalidade do empresário, um inescrupuloso que foi destruindo tudo à sua volta em seu próprio benefício. Decide investigá-lo e levá-lo a juízo, independente de ter provas para acusá-lo. Em nome do poder que o povo italiano lhe conferiu, esse juiz tem direito de agir assim? O filme discute a ação da justiça, que nem sempre se detém em seus limites.

O DIRETOR

Dino Risi nasceu em Milão, estudou medicina, formou-se em psiquiatria. Foi crítico de cinema, roteirista, trabalhou como assistente de Mario Soldati e Alberto Lattuada. Nos anos 50 se instalou em Roma, se tornando um dos grandes inventores da commedia all’italiana, ao lado de Ettore Scola, Mario Monicelli e Pietro Germi. Dirigiu 54 filmes, entre os quais “Férias com o Gangster” (1951), “O Signo de Venus” (1955), “Belas, mas Pobres” (1956), “Essa Vida Dura” (1961), “Aquele que Sabe Viver” (1962), “Operação San Genaro” (1966), “Esse Crime Chamado Justiça” (197 1). “Perfume de Mulher” valeu a Vittorio Gassman o grande prêmio de interpretação masculina no Festival de Cannes de 1975. Em 2002, recebeu um Leão de Ouro, no Festival de Veneza, pelo conjunto da obra.

Fique por dentro de nossa programação completa: https://goo.gl/ZJW6Dx

SERVIÇO

Filme: Este Crime Chamado Justiça (1971), dos Dino Risi

Duração: 103 minutos

Quando: 09/04 (segunda-feira)

Que horas: pontualmente às 19 horas

Quanto: entrada franca

Onde: Rua Rui Barbosa, 323 – Bela Vista (Sede Central da UMES SP)

1º Festival

Internacional de

Mulheres no Cinema

abre inscrições

competitiva nacional

A Avon, a Casa Redonda e a Associação Cultural Kinoforum, com o apoio do Sesc São Paulo, criaram o FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema. Essa primeira edição acontece entre os dias 4 e 11 de julho, em São Paulo, e as inscrições já estão abertas.

Podem ser inscritos filmes de ficção, documentário ou animação concluídos nos últimos 18 meses (inéditos ou não) dirigidos por mulheres. Uma comissão escolherá seis longas brasileiros e seis internacionais para compor a mostra, que é competitiva.

FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema anuncia

1ª edição entre os dias 04 e 11 de julho, em São Paulo,

e abre inscrições para mostra competitiva nacional

Criado para valorizar e premiar obras dirigidas por mulheres e apresentar o protagonismo feminino nas telas e atrás das câmeras, o Festival recebe inscrições de longas-metragens nacionais a partir desta 5ª feira (05/04)

A Associação Cultural Kinoforum, a Avon e a Casa Redonda, com o apoio do Sesc São Paulo anunciam a 1ª edição do FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema. Alinhado com agendas públicas nacionais e internacionais de equidade de gênero no cinema, o evento será realizado entre os dias 04 e 11 de julho de 2018, na cidade de São Paulo.

Valorizando e premiando a produção de obras dirigidas exclusivamente por mulheres, o FIM abre nesta 5ª feira, dia 05 de abril, as inscrições para a mostra competitiva de longas-metragens nacionais.

Podem participar da convocatória filmes de ficção, documentário ou animação concluídos nos últimos 18 meses (inéditos ou não) dirigidos por mulheres de todas as localidades do Brasil. As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas pelo site www.fimcine.com.br até o dia 03 de maio.

O comitê de curadoria selecionará dentre os filmes inscritos seis longas-metragens brasileiros e indicará pela sua livre escolha seis longas-metragens estrangeiros para a competição. O público votará ao final de cada sessão para eleger os dois vencedores – um da Mostra Competitiva Nacional e outro da Mostra Competitiva Internacional –, que receberão R$ 15 mil cada.

A programação também traz mostras especiais dedicadas à presença das mulheres nas telas e à diversidade de olhares e narrativas.

“A sigla FIM não surge por acaso. O Festival quer o fim da sub-representatividade das mulheres no cinema, estimulando o começo de um novo ciclo” afirma Minom Pinho, sócia-diretora da Casa Redonda e idealizadora do Festival.

O FIM é uma realização da Casa Redonda, em parceria com a Associação Cultural Kinoforum, que conta com o apoio do Sesc São Paulo e do grupo Mulheres do Audiovisual, patrocinada pela Avon, dentro do escopo do FAMA – Fundo Avon Mulheres do Audiovisual, ação afirmativa da marca em prol da equidade de gênero no setor audiovisual.