+ SEIS CINEASTAS BLACK

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS

+ BILHETERIAS DE “OS PARÇAS”
+ DON PAULO EVARISTO ARNS EM FILME
+ JORGE SANJINÉS (LIVRO)
+ FEST HAVANA NA REVISTA DE CINEMA/Uol
+ “FEMININO E PLURAL” (LIVRO)
+ COLUNA DE NABIL BONDUKI (FSP, 19-12-17:
sobre o Museu do Trabalhador-SBC)

******SEIS DIRETORAS BLACK:
Marcus Mello acrescenta à lista de
realizadoras black brasileiras mais um nome:
o de Camila de Moraes, do longa documental
“O Caso do Homem Errado”.

.2005 – Lilian Solá Santiago (diretora do doc “Família
Alcântara”, em parceria com Daniel Solá Santiago)

. 2010 – Luciana Bezerra, um das diretoras do longa “5X Favela, Agora por
Nós Mesmos” (episódio “Acende a Luz”)

. 2011- Sabrina Rosa, que dirigiu “Vamos Fazer um Brinde”
em parceria com Cavi Borges (o filme nasce de uma peça teatral dela)

. 2017 – Glenda Nicácio, que dirigiu “Café com Canela” ao lado de Ari Rosa.

. 2017? – Camila de Moraes, que dirigiu o longa documental
“O Caso do Homem Errado”

+ BILHETERIAS
BRASILEIRAS:
Data: 19-12-17

ESTREIAS:
. Cora Coralina – Todas as Vidas………………………………784
. Coragem! As Muitas Vidas dos Cardeal Arns………..244
. Tudo É Projeto (P.M. da Rocha)………………………………133
. Silêncio no Estúdio (Edna Savaget)…………………………100

CONTINUAÇÕES:
. Os Parças…………………………………………………………………923.578
. LINO………………………………………………………………………..310.122
. Gosto se Discute……………………………………………………….172.096
. Gabriel e a Montanha…………………………………………………40.456
. No Intenso Agora…………………………………………………………12.136 (não atualizado)
. On Yoga – Arquitetura da Paz………………………………………11.439
. Vazante…………………………………………………………………………..8.809
. Cromossomo 21……………………………………………………………….3.639
. Encantados (lançamento no Norte)………………………………….3.326
. Antes o Tempo Não Acabava……………………………………………1.197
. Corpo Delito…………………………………………………………………………669

. BREVES COMENTÁRIOS:
***Dia destes, Inácio Araújo espantou-se com a bilheteria de “Vazante”,
longa solo de Daniela Thomas: chegando, agora, a 9 mil ingressos. Ele supunha que,
com a polêmica em torno do filme (por causa da “falta de subjetividade”
de personagens negros), “Vazante” — tema de muitos artigos na imprensa,
vindo de várias vozes e espalhados por várias editorais — teria
melhor resultado em seu diálogo com o público. Tenho
para mim que a polêmica ajudou muito na bilheteria do filme. Sem
ela, ele ficaria na média em que se situam, hoje, a maioria dos nossos filmes de
empenho cultural: 3 mil/4 mil espectadores. Até Ziraldo, pai
da cineasta, achou o filme de difícil diálogo com o público.
**** Outro espanto de Inácio:
GABRIEL E A MONTANHA
fez mais público na França (mais de
60 mil ingressos) que no Brasil (só
agora superou os 40 mil). Neste caso,
o espanto de Inácio é o mesmo meu: pensei que
o filme ultrapassaria 100 mil tíquetes.
**** Surpresa, para mim,
é o bom desempenho de
“On Yoga, Arquitetura da Paz”, de Heitor
Dhalia. Este documentário já
vendeu quase 12 mil ingressos.
Li matéria de página inteira
com Dhalia, em A Tribuna (da Baixada
Santista) e soube que está concluindo
mais dois longas-metragens.
**** Dia destes, em O Globo, o colunista
Lauro Jardim publicou nota na qual
dizia que “No Instante Agora”, de João Moreira Salles,
“não emplacara”. Ao contrário
de “Santiago”, do mesmo realizador, que vendera 51 mil ingressos. O filme deve
ter ultrapassado, esta semana, os 13 mil ingressos (o Boletim Filme B ainda
não atualizou seu dado sobre o imperdível documentário de Salles). Há
que se levar em conta, ao comparar “Santiago” e “No Intenso
Agora”, alguns fatores: lançado em 2007, “Santiago” pegou um
momento bom, em que o país ainda não mergulhara no baixo-astral que
o arruína-envenena há uns dois-três anos. A duração de “No Instante Agora”
também conta (o filme dura 2h10′), bem mais tempo que “Santiago”. Este é um filme com
as confissões de um mordomo, enquanto “No Intenso Agora” é um filme sobre
política revolucionária, seus momentos de vivacidade e alegria e seus momentos de
derrota. Li, em algum lugar, um comentário de alguém que desejava que “No
Intenso Agora” deixasse a política de lado e se concentrasse na viagem
da mãe do cineasta… Vivemos um dos mais trágicos (e planetários)
momentos de rejeição à política. ***Um registro: o filme de Eduardo Coutinho
que mais deu público foi “EDIFICIO MASTER”
(uns 80 mil ingressos). Os demais — exceção para “Cabra Marcado para Morrer” (1984),
que parece ter vendido 200 mil ingressos — alcançaram quantias pequenas de tíquetes.
Até o magnífico JOGO DE CENA teve bilheteria modesta.

+ FEST HAVANA NA
REVISTA DE CINEMA/Uol

+ DOM EVARISTO ARNS EM LONGA
DOCUMENTAL + LIVRO JORGE
SANJINÉS (COLETA DE FUNDOS)

+ DVDs DO CPC-UMES: CINEMA RUSSO

+ CD DE AIRTO MOREIRA (TEXTO
DE CHARLES GAVIN, no Portal Sesc)

***NA REVISTA
DE CINEMA/Uol:
PREMIADOS DO
FEST HAVANA 2017:

Segue o link:
http://revistadecinema.com.br/2017/12/festival-de-havana-consagra-cinema-feminino/

+ SERIE “LUIZ DA
CÂMARA CASCUDO
E A CULINARIA BRASILEIRA

De: Eugenio Puppo

+ COM AMOR, VAN GOGH:
Vai bem, nas bilheterias brasileiras, a belíssima
animação britânico-polonesa dedicada ao pintor
Vincent Van Glogh: 48.584 ingressos até o último
domingo. O filme, premiado pelo Público da Mostra SP,
é finalista ao Globo de Ouro. E deve ser, também,
finalista ao Oscar de melhor longa animado. Para mim,
não há páreo para ele. Já vi (umas oito vezes) o trailer de “Viva”, a nova
animação da Disney, sobre o Dia dos Mortos,
no México. Há quem acredite que este filme, que só nos cinemas
aztecas vendeu 22 milhões de ingressos, é imbatível.
Aguardemos, pois. VIVA estreia no Brasil em janeiro.

+ COLUNA DO
NABIL BONDUKI
(MUSEU DO TRABALHADOR:
hoje, na Folha de S.Paulo)

+ “O JOVEM MARX”:
De Raoul Peck. Estreia nesta
quinta-feira (ver matéria de
Jotabê Medeiros, na Carta Capital).
Ano que vem, será comemorado
o bicentenário de
nascimento de Karl Marx”

******* “Os Parças”,
de Halder Gomes,
deve vender ingresso
número um milhão nesta quinta-feira.
Na internet, Roberto Carlos convoca seu
público para assistir ao filme, que tem Tom
Cavalcanti como um dos protagonistas.

+ PUBLICO APLAUDE
“LUMIÈRE, A AVENTURA
COMEÇA”, em projeção
aberta (foi o que Zanin eu testemunhamos,
ontem, na Reserva Cultural)

+ FEMININO E PLURAL
(A Mulher no Cinema Brasileiro):
lançamento da Editora PAPIRUS

+ Cinema BLACK encapa
Cahiers du Cinéma deste mês.

+ PAULO FREIRE E A
CULTURA DO SILÊNCIO:
artigo de Venício A. de Lima (UnB),
no portal Carta Maior. Leitura obrigatória.

+ “CORAGEM! AS MUITAS

Vidas do Cardeal

Dom Paulo Evaristo Arns”

Em cartaz em salas paulistanas:

.Verei sem falta. Em especial a parte

referente à corajosa atitude tomada

pelo cardeal de S. Paulo quando

da morte, sob tortura, de Vlado Herzog.

*****PROJETO DE LIVRO

SOBRE JORGE SANJINÉS:

Mais informações com Sávio Leite:
leitefilmes@gmail.com

+ NOVO DVD DE
KAREN SHAKHNAZAROV:
O CPC-UMES está lançando mais
um filme em sua coleção de filmes russos.
Trata-se do longa “Cidade dos Ventos”,
do mesmo diretor de “Cidade Zero” e
“Tigre Branco” (atual presidente da Mosfilm)

+ FEST ARUANDA 2017:
Um comentário final: a edição
número 12 do festival paraibano
mobilizou bom público e recebeu boa
cobertura da imprensa local. Os jornais
A União e Correio da Paraíba dedicaram aos
filmes e a seus realizadores um
bom espaço. No Correio da Paraíba,
houve pelo menos duas capas dedicadas
ao evento. E boa matéria sobre a premiação. As
homenagens (e debate ou coletiva de imprensa)
em torno de Ruy Guerra, Elba
Ramalho, Paulo César Pereio,
Paulo Caldas e Servílio Holanda
tiveram significativo impacto.

***WALTER CARVALHO:
O diretor de fotografia e cineasta
Walter Carvalho, paraibano
de nascimento e carioca adotivo, fez
questão de usar sua folga nas gravações
da série da Rede Globo “Onde Nascem os Fortes” — que
acontecem, principalmente, no Lajedo
do Pai Mateus, em Cabaceiras, a Roliúde Nordestina),
para ir a Jampa, capital da Paraíba, prestigiar o amigo
Ruy Guerra. Participou do debate sobre a obra do diretor
de “Os Cafajestes” e “Os Fuzis” ao lado de Peréio, Wills Leal,
Vladimir Carvalho, Diogo Oliveira e Fernando
Trevas. E entregou a Ruy, no Cinepólis Manaíra,
um Trofeu Aruanda. “Onde Nascem os Fortes”,
de George Moura (o mesmo da maravilhosa
AMORES ROUBADOS)
tem Walter entre seus diretores e como fotógrafo.
No elenco, Débora Bloch, Alexandre Nero, Fábio Assunção,
Zé Dumont, Maeve Jinkings, Irandhir Santos, entre outros.
Estreia prevista para abril. Aguardemos, pois o Lajedo do
Pai Mateus (uma formação rochosa) é um dos mais
belos cenários deste nosso país.

+ CINE DANUBIO
(de João Carlos Rodrigues) + ROTEIRO
DE “Os Desafinados” (de Walter Lima jr):
coleção da Editora Giusti, organizada por
Luiz Carlos Lacerda. O cineasta, que
todos conhecem como Bigode, está lançando
“Reis de Paus”, livro de poemas
de sua lavra (edicão artesanal)

Anúncios