FIM DA MARATONA PATRICIO GUZMAN EM SP + FÁBULA PELÉ + FEMININO PLURAL + MOSTRA SP 41 (CLÁSSICOS
no Vão Livre do MASP)

+ FIM DA MARATONA PATRICIO GUZMAN EM SÃO PAULO + FÁBULA PELÉ (NA REVISTA DE CINEMA/Uol) + FEMININO PLURAL (LIVRO) + PREMIO CABIRIA + LIVRO DA ABRACCINE SOBRE DOCUMENTARIOS BRASILEIROS(dia 26, DE OUTUBRO, NA MOSTRA SP)

+ A COMÉDIA BRECHTIANA DE AKI KAURISMAKI NA MOSTRA SP + CLASSICOS DO CINEMA NO VÃO LIVRE DO MASP – SEMANA DA PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO AUDIOVISUAL (MOSTRA SP 2017)

+ “AUTO DO REINO DO SOL”,
TEXTO DE BRAULIO TAVARES SOBRE O UNIVERSO SUASSÚNICO conquista o “Prêmio Bibi Ferreira” de melhor musical brasileiro (Direção de Luiz Carlos Vasconcelos, montagem do grupo carioca Barca dos Sonhos… errei o nome do maravilhoso grupo?? Foi isto que aconteceu na noite de premiação??? Me esclareçam!!!!!!!!!!!!!!!

+ O FIM DA MARATONA GUZMÁN
Concluimos, ontem (20-10-17), nossa Maratona Guzmán: dez aulas de mais de três horas cada, 3 debates, uma retrospectiva com 12 filmes (um sobre a trajetória dele, dirigido por Boris Nicot) e um livro (“Filmar o Que Não Se Vê”). Foi um mergulho na obra do grande realizador chileno (radicado na França). Além de ver todos os filmes, assistir a todas as aulas e aos 3 debates, já li metade do livro… Estou exausta, pois a maratona da MOSTRA SP começou na última quarta. Mas muito contente com esta oportunidade única. Falta-me, agora, assistir a dois filmes do realizador: “O Primeiro Ano” (do governo Allende), seu primeiro longa, que estava desaparecido e, agora, reencontrado, encontra-se em processo de restauro, e “A Ilha de Robinson Cruzoé”, do qual não conheço um fotograma sequer. Guzmán fez três filmes fora do universo Allende-Golpe de 1973-Pinochet: “Meu Júlio Verne” (encantador), “Madri” (do qual ele nos mostrou trechos maravilhosos: um construído só com sombras) e “A Ilha de Robinson Cruzoé”. Nos mostrou trechos (ou íntegra, quando eram curtos) de grandes documentários do cinema mundial. A maioria de autores pouco conhecidos entre nós (indianos, latino-americanos, russos, franceses, suecos…). Ontem, no último dia, nos mostrou trechos de filme de Mariana Otero (“Segredo”), francesa de origem espanhola (ela ganhou chamada de capa na novíssima Cahiers du Cinéma para seu novo filme) e alguns curtas que ele realizou com ótimos materiais que não couberam em “Nostalgia da Luz” ou “O Botão de Pérola”). Finda a aula, ele autografou mais algumas dezenas de livros para os alunos que não puderam ir ao concorridíssimo lançamento de “Filmar o Que Não Se vê”, no CineSesc. Ou seja, ele autografou perto de 250 livros, em duas oportunidades, em SP. E o volume segue à venda pelas Edições Sesc (R$52,00, edição fartamente lustrada).

+ PREMIO CABIRIA (PARA FILMES DE MULHERES)

+ PELÉ, O NOVO
FILME (REVISTA DE CINEMA/Uol):
….”PELÉ, O
NASCIMENTO DE UMA LENDA”:
UMA SIMPÁTICA FÁBULA GRINGA
FEITA PARA ARRANCAR LÁGRIMAS.
Filme dialoga com “Cidade de Deus” e
“Ginga”, ambos da O2,
de FERNANDO MEIRELLES
www.revistadecinema.com.br

.Vimos PELÉ em inglês, só podemos contar do ridículo que é ver personagens das periferias brasileiras falando em inglês (a maioria absoluta do elenco é brasileira: o Pelé menino e o Pelé adolescente + Seu Jorge, Mariana Nunes, Milton Gonçalves, Rodrigo Santoro em aparição relâmpago, etc). Na minha matéria na Revista de Cinema falkto disto… E falo do ponto fraco do filme: o delírio em colocar Mazzola (que está vivo e lúcido, na Itália, com 79 anos, como rival de Pelé desde a infância em BAURU, seguindo até a Copa de 1958. Há outros “absurdos” mas sem a gravidade deste… Comparar as duas versões, a original e a dublada, é algo interessante. Para mim, mais importante que a ORIGEM do filme, é respeitar a língua dos personagens. Daí que eu preferia ter visto a versão dublada, neste UNICO caso… (Para mim, trata-se de uma simpática fantasia GRINGA, feita para arrancar lágrimas)….

+ MOSTRA SP: LORENZO VIGAS (O VENDEDOR DE ORQUÍDEAS) + VITTORIO STORARO, O MESTRE DA LUZ, NA OCA PAULISTANA (DIA 31 DE OUTUBRO)

+ 41ª Mostra leva clássicos
e inovação ao Vão Livre do MASP

+ AKI KAURISMI EM MAIS UMA BELA COMEDIA BRECHTIANA + LIVRO DA ABRACCINE (DOCUMENTARIO): NA BLOOKS FREI CANECA – DIA 26 PROXIMO

+ “IL DIVO”, DE PAOLO SORRENTINO, NO CINECLUBE DO CPC-UMES (NESTA SEGUNDA-FEIRA), NO BIXIGA PAULISTANO + ADEUS AO GRANDE ARGENTINO, FEDERICO “UM LUGAR NO MUNDO” LUPI, ATOR CULT
DE GUILLERMO DEL TORO (Cronos, A Espinha do Diabo, O Labirinto do Fauno).

+ CONVITE DE MILA ARAUJO E FAMÍLIA:
MISSA PELO 30o. DIA DA PERDA DE GUIDO ARAUJO (JORNADA INTERNACIONAL DE CINEMA DA BAHIA): DIA 26 DE OUTUBRO, ESTA QUINTA-FEIRA, 19h30, NA IGREJA DA RESSUREÇÃO, EM ONDINA (SALVADOR-BA)

+ CABIRIA: PREMIO FEMININO
+ JOSÉ ROBERT TOLEDO (ESTADÃO, 19-10-17) + COLUNA DE MARIO SERGIO CONTI (FOLHA, 21-10-17: SOBRE FILMES AMBIENTADOS EM ESCOLAS) +

FEMININO PLURAL (NOVO LIVRO):
***Livro Feminino Plural lançado na Socine. Ainda não comecei a ler, mas a edição está bem bonita, com a foto na capa de um frame de A Entrevista, de Helena Solberg.

.***** MOSTRA SP —
INDICAÇÕES E NÃO
INDICAÇÕES
(Por CEZAR VERONESE)

Várias recomendações de
O MOTORISTA DE TÁXI
e impressões muito negativas sobre
MARLINA, SATÃ…
e SAMBÁ (*).
Vários amigos recomendando
. 1945,
. O VENDEDOR DE ORQUÍDEAS,
. SCARY MOTHER e
. JERICÓ (que dizem ser delicadíssimo). césar (*)
Eu, rô, coloquei esta marca (*) no SAMBÁ, porque não acho o filme desprezível. Trata-se de um drama simples, ambientado em periferia dominicana (com lutador de rua que se aproxima de um lutador de box, já veterano). Claro que o filme não tem as qualidades de “Dólares de Areia” (aquele com Geraldine Chaplin), mas os autores (Laura Guzmán & Israel Cárdenas) vêm ajudando a desenvolver o cinema da pequena República Dominicana, com filmes dignos de atenção.