Rô Caetano

Maria do Rosário Caetano
Blog: www.almanakito.wordpress.com

* ALMANAKITO – SEGUNDA-FEIRA (04-09-17)
+ GRANDE PREMIO BRASIL DE CINEMA (TROFEU GRANDE OTELO: BREVE COMENTARIO) + BILHETERIAS (AMANHÃ) + CINECLUBE CPC-UMES + ITAU CULTURAL COMEMORA CENTENARIO DA ANIMAÇÃO BRASILEIRA + SEMINARIO DO ADAUTO NOVAES + FEST BRASILIA 50 +
****GRANDE PREMIO

BRASIL DE CINEMA:

Amanhã, terça-feira, dia 5, 20h45,

com transmissão ao vivo pelo Canal Brasil, XVI

PREMIO BRASIL DE CINEMA (Troféu Grande Otelo).

BREVES REFLEXÕES

O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro – Troféu Grande Otelo, entregue anualmente pela Academia Brasileira de Cinema, chega à sua décima-sexta edição. Nesta terça-feira, no Teatro Municipal do Rio, filmes como “Aquarius”, “Mãe Só há Uma”, “Boi Néon”, “Elis” e “Nise” disputarão vários trofeus. Atrizes que brilharam em festivais, como Sônia Braga e Andrea Horta, também estarão em cena.

Haverá transmissão ao vivo, pelo Canal Brasil, com apresentação de Simone Zuccolloto e comentários de Roger Lerina e Luiz Zanin Oricchio. A partir das 20h45. Torçamos para que não haja atraso como o do Fest Gramado 45, também transmitido pelo Canal Brasil. O atraso gaúcho passou de 60 minutos. A transmissão acabou no começo da manhã seguinte.

Nunca é demais repetir: o Grande Prêmio Brasil de Cinema é muito importante. Pena que aconteça tão tarde: setembro, ao invés de fevereiro ou março, quando os filmes do ano anterior estão frescos na memória do espectador. Seis meses depois, fica difícil.

Se não quer disputar espaço com o Oscar, a Academia poderia (e deveria) realizar a festa dos OTELOs em abril, mais tardar em maio. No segundo semestre, o prêmio perde muito de seu possível impacto.

A Academia Brasileira de Cinema, que agora escolherá também (são 23 os inscritos deste ano) a produção brasileira que disputará vaga entre os finalistas ao Oscar de melhor filme estrangeiro, selecionou 35 longas e 18 curtas para disputar seu “estranho” trofeu. Otelo, o homenageado com toda justeza do mundo, ganhou representação que não se impõe. Pela TV, mal vemos o troféu nas mãos dos vencedores.

Ninguém espere uma disputa entre filmes-cabeça. Como os eleitores são profissionais de cinema, eles buscam a valorização de filmes de empenho artístico e, ao mesmo tempo, capazes de dialogar com públicos mais amplos. Como as comédias não conseguiam vagas entre os finalistas a melhor filme, criou-se o prêmio de “melhor comédia”. Este ano, pelo menos três pesos-pesados disputam esta categoria: o blockbuster ” Minha Mãe é Uma Peça 2″, que — registre-se, tem muitas qualidades (até Walter Salles surpreendeu-se com o filme, conforme registro do Boletim Filme B), o delicioso “BR716”, de Domingos Oliveira, e a comédia metalinguístico-pop-maluquete “O Shaolin do Sertão”, de Halder Gomes.

Na categoria melhor documentário, sete candidatos: Cinema Novo, Curumim, Menino 23, O Compadre de Picasso, Marias, Eu Sou Carlos Imperial e Quanto Tempo o Tempo Tem.

Nas categorias técnicas, grandes nomes do cinema brasileiro. Entre os trilheiros, destaque para DJ Dolores (Big Jato) e Alceu Valença (A Luneta do Tempo).

Na fotografia, craques como Adrian Teijido (Elis), Mauro Pinheiro Jr (Meu Amigo Hindu), Diego Garcia (Boi Neón), Marcelo Corpanni (Reza a Lenda) e André Horta (Nise).

Dois dos melhores filmes brasileiros do período examinado pela Academia (creio que de outubro de 2015 a outubro de 2016) — “Sinfonia da Necrópole”, de Juliana Rojas, e “Mate-me, Por Favor”, de Anita da Silveira — receberam duas míseras indicações. O primeiro, para melhor som. O segundo para trilha sonora. Um pouco mais de ousadia injetaria vida no Grande Prêmio Brasil de Cinema. Desconfio que boa parte do corpo de associados da instituição (majoritariamente carioca) nem viu estes belos e inventivos filmes.

Curtas ficcionais e documentais e curtas de animação também estão na disputa. Pena que muitos deles sejam totalmente desconhecidos, pois faltam vitrines para o formato.

Para finalizar, um último comentário: a categoria que mais defasagem apresenta na noite do Trofeu Grande Otelo é a de “melhor filme estrangeiro”. Além de demonstrar que os acadêmicos não assistem a filmes latino-americanos, nem asiáticos, nem africanos (ou seja, são total e assumidamente colonizados por Hollywood), este segmento parece coisa de passado longínquo. Confiram os finalistas:

Filho de Saul, Spotligth e A Garota Dinamarquesa (bem antigos), A Chegada, Animais Noturnos e Elle.

Placar final:

EUA: 5 x França: 1.

América Latina: zero. Ásia: zero. África: zero.

+ CINECLUBE CPC-UMES:
BRANCALEONE E MATTEI:
SEGUNDA E QUARTA-FEIRA

+ CARLOS CALADO E CARAVANAS + SERGIO AUGUSTO
E OS SEMINARIOS DE ADAUTO NOVAES + CENTENÁRIO
DA ANIMAÇÃO BRASILEIRA NO ITAU CULTURAL

+ O FANTASMA DA SICÍLIA NA MOSTRA DE CINEMA PENINSULAR,
COM DEBATE NESTA SEGUNDA-FEIRA + CINEJORNAL, MARTÍRIO,
PREMIO GRANDE OTELO: NO CANAL BRASIL + PEÇAS DE BRAULIO
TAVARES E PAULO BETTI

..DIA 17 DE SETEMBRO:
Inauguração da sede paulistana
do Instituto Moreira Salles, na
Avenida Paulista, perto
do Cine Belas Artes.

…NO ESPAÇO
AUGUSTA,

até quarta-feira,

OITO E MEIO – MOSTRA DE CINEMA ITALIANO.

Nesta segunda tem conversa com um dos diretores

do ótimo “O FANTASMA DA SICILIA”…. É isto, não???

****COLOCANDO

LEITURA DE JORNAIS EM DIA:

que maravilha a análise de CARLOS CALADO,

no caderno EU, do Valor Econômico, sobre

CARAVANAS, o novo disco de Chico Buarque.

Análise artística e técnica, com a devida

contextualização, texto muitoooo bem

escrito.. Melhor impossível.

******No Estadão (02-09-17), CADERNO 2,

Sergio Augusto conta que SÃO PAULO

não assistirá às conferencias de novo ciclo

organizado por ADAUTO NOVAES, com grandes nomes internacionais e brasileiros, pois o MinC interrompeu apoio que vinha de governos de várias orientações há três décadas….

*****Na Folha leio matéria

sobre nova intervenção de

NUNO RAMOS, agora ao

som de Lígia, de

TOM JOBIM (Aaeros.com)….

******No mesmo VALOR

da semana atrasada, ótima

entrevista de LAIS BODANZKY.

…No Itaú Cultural SP,

homenagem ao

CENTENARIO DA

ANIMAÇÃO BRASILEIRA.

******CANAL BRASIL

vai transmitir MARTIRIO

em duas partes, comentadas

por Amir Labaki, dias 11 e 18 deste mês.

******REPRISES

DO CINEJORNAL.

***CINECLUBE CPC-UMES:

SEGUNDA (04/09):
Mostra Permanente de Cinema Italiano

Nesta segunda-feira (04), a Mostra Permanente de

Cinema Italiano apresentará o filme “O Incrível

Exército de Brancaleone”, de Mario Monicelli. Aproveite,

só na UMES você confere o cinema italiano com entrada franca!

A sessão será iniciada às 19 horas no Cine-Teatro Denoy de Oliveira, na Rua Rui Barbosa, 323, Bela Vista.
Chame sua família e seus amigos, participe!

O INCRÍVEL EXÉRCITO DE

BRANCALEONE (1966), DE MARIO MONICELLI

SINOPSE: No ano 1.000 d.C., um bravo cavaleiro parte da França para tomar posse de suas terras. No caminho, ele é assaltado e assassinado por um bando de foras-da-lei que, de posse da escritura, decidem pegar por si o terreno. Para isso, eles precisam de alguém que finja ser o cavaleiro e acabam encontrando a pessoa perfeita no atrapalhado Brancaleone de Nórcia. Começa aí uma longa jornada, onde Brancaleone e seus homens enfrentam os mais diversos perigos.

O DIRETOR

Crítico cinematográfico desde 1932, de 1939 a 1949 colaborou em cerca de 40 filmes, como argumentista, roteirista e assistente de direção. O começo de seu trabalho como diretor ocorre em 1949, em parceria com Stefano Vanzina, em “Totò Cerca Casa”. A colaboração dos dois diretores deu origem a oito filmes, dentre os quais os célebres “Guardie e Ladri” (1951) e “Totò a Colori” (1952). Em 1953 inicia o trabalho solo. “Os Eternos Desconhecidos” (1958), com elenco composto por Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Totò e Claudia Cardinale, é considerado o primeiro do filão da commedia all`italiana. Em 1959, “A Grande Guerra” ganhou o Leão de Ouro do Festival de Veneza e rendeu sua primeira indicação ao Oscar. A segunda viria em 1963, com “Os Companheiros”. Diversas outras películas merecem destaque, em sua carreira de mais de 60 filmes: “O Incrível Exército de Brancaleone” (1966), “Meus Caros Amigos” (1975), “Um Burguês Muito Pequeno” (1977), “Quinteto Irreverente” (1982).

Fique por dentro de nossa programação completa: https://goo.gl/lQeT4Q

SERVIÇO

Filme: O Incrível Exército de Brancaleone (1966), de Mario Monicelli

Duração: 120 minutos

Quando: 04/09 (segunda-feira)

Que horas: pontualmente às 19 horas.

Quanto: entrada franca

Onde: Rua Rui Barbosa, 323 – Bela Vista (Sede Central da UMES SP)

QUARTA (06/09): Uma Volta Ao Mundo Em 30 Filmes

Na próxima quarta-feira (06), a mostra “Uma Volta Ao Mundo Em 30 Filmes” apresentará o filme “O Caso Mattei”, de Francesco Rosi. Aproveite, só na UMES você confere o cinema mundial com entrada franca!

A sessão será iniciada às 19 horas no Cine-Teatro Denoy de Oliveira, na Rua Rui Barbosa, 323, Bela Vista. Chame sua família e seus amigos, participe!

ITÁLIA: O CASO MATTEI (1972), DE FRANCESCO ROSI

SINOPSE

Em 27 de outubro de 1962, cai o avião que levava o presidente da estatal italiana do petróleo. A investigação oficial considerou acidente, mas a história de Enrico Mattei à frente da Eni e seus confrontos com o Cartel das Sete Irmãs indicam outra conclusão.

Fique por dentro de nossa programação completa: https://goo.gl/8Rw3fj

SERVIÇO

Filme: O Caso Mattei (1972), de Francesco Rosi

Duração: 116 minutos

Quando: 06/09 (quarta-feira)

Que horas: pontualmente às 19 horas.

Quanto: entrada franca

Onde: Rua Rui Barbosa, 323 – Bela Vista (Sede Central da UMES SP)