*******CINECEARÁ 2017– Acabo de receber do cineasta Rosemberg Cariry um exemplar do livro DO SERTÃO A SATURNO – O CEARÁ NO CINEMA (1900-1940), de autoria do documentarista e professor da UFCE, Firmino Holanda. O discreto Firmino está na competição de curtas nacionais com seu trabalho mais recente, A BALADA DO SR. WATSON, documentário de 21 minutos, que tem Petrus Carry na fotografia, e Bárbara Cariry, com Teta Maia, na produção. LIVROS E FILMES de Firmino amam a Historia. Ele, que fez com Petrus Cariry, um notável DocTV –sobre a passagem de Orson Welles pelo Ceará, para realizar o episódio JANGADEIROS, de “it’s all true”– mergulha agora na historia de engenheiro inglês, nos tempos em que Fortaleza era iluminada a gás, que desposou uma cearense e fincou raízes na cidade. Com o depoimento de dois netos do casal, Firmino dá luz à memória de um Brasil dependente e colonizado pelo Império Britânico. Já o livro DO SERTÃO A SATURNO é fruto de reunião de ensaios do pesquisador sobre as quatro primeiras décadas da fragmentada história cinematográfica do Ceará, passando por Padre Cícero e o Juazeiro, o pioneirismo da produtora ABA Film, os registros do Bando de Lampião feitos pelo mascate libanês Benjamin Abrahão, a seca nordestina em documentários e no drama “Eterna Esperança” e chegando à Sociedade dos Amadores de Cinema. Capa e contracapa, belíssimas, trazem fotos da Fortaleza dos tempos dos lampiões a gás. O projeto gráfico, de Carlos Cidrão, é notável. O livro, que contém fotos raras, é apresentado por Antídio Oliveira. Editora Interarte, 272 páginas. Tão logo Possa, lerei o livro para entender este belo e enigmático título: DO SERTAO A SATURNO….

Enviado do Ipad de Rosário

Anúncios