FEST LATINO SP 2017 — MARCELO MACHADO E O MAESTRO JACK FORTNER,
NA SESSÃO DE “GILBERTO MENDES E A MUSICA NOVA” (foto de rô caetano) + FILME COM EDGARD NAVARRO (ANGELUS NOVUS, HOJE) + MARIA NOVARO (TESOUROS, NESTE SABADO, NO CINSESC) ++ AS LONGAS VAIAS A ANDRÉ STURM

FEST LATINO SP 2017 — Na noite desta quinta-feira, 27, no CineSesc, houve exibição e debate do documentário “Gilberto Mendes e a Música Nova”, de Marcelo Machado (na foto com o maestro norte-americano Jack Fortner). O filme documenta os sonhos (e criações musicais) do idealizador do Festival Música Nova, o santista Gilberto Mendes (1922-2016), pelo olhar do casal Christina Leite e Jack Fortner. Muito bem-humorado, o maestro norte-americano relembra encontros com o amigo e rouba a cena ao falar da paixão fulminante que o uniu a Christina, artista visual brasileira. A jovem recebeu, em 1999, de Gilberto Mendes — e na edição do Festival Música Nova — a função de ciceronear o convidado vindo dos EUA. Apaixonaram-se, casaram-se e estão juntos há 18 anos, dedicados ambos a divulgar a música vanguardista de Mendes e outros criadores que alimentam as programações do Festival.
********O FEST LATINO SP prossegue hoje, em Sampa e Campinas, em diversas salas. No CineSesc serão exibidos “Angelus Novus”, produção catarinense protagonizada pelo Edgard Navarro, o uruguaio O CANDIDATO, de Daniel Hendler, e RIFLE, do gaúcho Davi Pretto. Amanhã, sábado, tem, entre outros filmes, TESOUROS, da mexicana María Novaro (no CineSesc).
************* Ainda ontem, no ambiente festivaleiro, o assunto recorrente era a vaia da noite inaugural (no Memorial da América Latina) dirigida ao secretário municipal de Cultura, André Sturm. Como fui à Vila Belmiro, em Santos, levar meu filho e nora flamenguistas (eles moram em Brasília), para assistir ao eletrizante Santos 4 X Flamengo 2 (o que garantiu a permanência do Mengão na Copa do Brasil, já que o Santos necessitava de mais um gol, pois perdera de 2 x 0 no Rio), não fui ao Memorial. Várias pessoas, de profissões e militâncias variadas, me deram seus relatos sobre a VAIA AO SECRETARIO. Todos os que falaram comigo definiram a atitude de Sturm como “inábil”, teimosa” e até “procedimento de menino mimado, que não aceita ser contrariado”. Houve até quem tenha contado, no relógio, mais de 20 minutos de vaia. Os jornais registraram 15 minutos. Pessoa ponderada me disse que faltou a Sturm jogo de cintura para compreender que havia ali uma plateia hostil a ele. Mas confrontado, ele resolveu “comprar a briga”. Ficou sob vaia intensa por imenso período. Será que Sturm vai continuar com este espírito beligerante? Se continuar assim, vai levar (ainda e cada vez mais) vaia. Pautado pela teimosia do enfrentamento, ele acabará queimando sua trajetória como produtor, cineasta, empresário e gestor. No meio cultural, esta atitude jogou carreiras no ostracismo. O meio artístico-cultural, vale lembrar, ainda se pauta pelo humanismo progressista, pela solidariedade e pela inclusão. E logo ele, que parecia uma pessoa ponderada, está se revelando um gestor inábil para o complexo jogo da política. Não????

Enviado do Ipad de Rosário

Anúncios