SELTON MELLO: DOIS NOVOS FILMES + WAGNER MOURA + LILIAN & HELOISA

+ SELTON MELLO: DOIS
FILMES CHEGAM NESTE MÊS
E NO PROXIMO AO
MERCADO BRASILEIRO
Amigos e Selton, em especial:
Abaixo segue, com grande atraso (por minha total responsabilidade, pois abri o email tardiamente,
só depois da pauleira na CineOP XII ),
comentário de Selton Mello, ator e
diretor, a texto que postei na véspera
da viagem a Ouro Preto.
Bjs e desculpas de rô

+ SELTON MELLO + RICARDO DARÍN + WAGNER MOURA

****COM A PALAVRA,
SELTON MELLO:

Ei querida. Tudo bem?

Estou em dia com o baú da felicidade hahahaha

Soundtrack, que protagonizo ao lado
de Seu Jorge e Ralph Ineson (ator fantástico
britânico “A Bruxa”) estréia nesta quinta-feira,
dia 6 de julho nos cinemas

O Filme da Minha Vida, que estréia dia 3
de agosto, produzido pela Bananeira
Filmes da Vania Catani, dirigido por mim,
mas encabeço o elenco também, ao lado
de Johnny Massaro, Vincent Cassel,
Bruna Linzmeyer, com participação
especial de Rolando Boldrin e Antonio Skármeta

Então não tô devendo
em produtividade ao Darin não 😉

Bj! selton

+ O PRIMEIRO LONGA DE
WAGNER MOURA (COMO DIRETOR)
Dia destes, enquanto esperava uma sessão do Festival Varilux de Cinema Francês (na sala 2, do Cinearte paulistano, no Conjunto Nacional), vi duas mulheres que saíam da sessão de “O Cidadão Ilustre”, da Argentina, entusiasmadas
com o filme (em cartaz na sala 1, muitoooo maior que a 2). Depois de elogios ao longa que acabavam de ver, uma comentou com a outra: – Você já foi ver “Neve Negra”, com o Ricardo Darín? Frente à resposta negativa, ela recomendou: “Não perca. O Darín tem mais um notável desempenho”…. Peguei esta nesga de conversa e voltei a me perguntar: quem, no Brasil atual, exerce fascínio similar ao de Darín, com um ou dois filmes lançados, por ano, na Argentina, na Espanha, em outros países hispano-americanos e no Brasil??? Confesso que não sei. Houve
um momento em que pensei que Wagner Moura e/ou Selton Mello cumpriria(m) este papel. Mas Selton passou a dedicar-se mais à direção (já está para lançar seu terceiro longa-metragem, “O Filme da Minha Vida”, baseado em livro de Antonio Skármeta, no comecinho de agosto). E Wagner Moura, depois da série NARCO, que teve ótima repercussão nos EUA e na América Latina (e creio que na Europa e até na Ásia também), anda longe de nossas telas (e telinhas). Deve estar mergulhado na pré-produção de seu primeiro longa como diretor: a cinebiografia de Carlos Marighella. No começo do ano, li, não sei se no Boletim FILME B ou na Preview Brasil, que o filme wagneriano poderia estrear no segundo semestre deste 2017. Se esta informação se confirmasse, Wagner estaria realizando o filme da forma mais discreta possível. Leitora voraz de jornais, não soubera de nenhuma filmagem. Dia destes, porém, li no “face”, um agradecimento
da produtora O2 aos candidatos que haviam
se apresentado para testes de seleção de elenco para o filme de Moura. Conclui, então, que só agora o longa-metragem engrenou para valer (já tinha lido matérias que contavam da dificuldade de captar recursos para o filme, devido a seu tema: a trajetória do guerrilheiro baiano). A figura de Marighella (1911-1969) é singular. Um mestiço de pai italiano com mãe negra baiana. O músico Marku Ribas (1947-2013) o representou muito bem no “Batismo de Sangue”, de Helvécio Ratton (2006). O cantor e compositor piraporense era alto, mestiço, de físico imponente. Mas, mesmo que não tivesse partido tão cedo, Ribas já estaria fora da faixa etária (faria 70 anos, este ano) justa para representar Marighella, que foi assassinado aos 57. Quem será o Marighella de Wagner Moura??? Aguardemos, pois. ***E
que ele e Selton façam seus filmes como diretores, mas tentem atuar em
um novo longa, se possível, a cada novo ano… (Darín tem conseguido até dois por ano). Cinema é hábito.

***Li, hoje (04-07-17), em O Globo,
que WAGNER MOURA está envolvido em
dois projetos. Primeiro, vai dirigir
MARIGHELLA em São Paulo (e na Bahia).
Até outubro deste ano. Depois, nos EUA,
vai co-produzir filme sobre o
diplomata Sérgio Vieira de Mello.

**LILIAN SCHWARZ
& HELOISA STARLING:
Depois da série “Era Uma Vez na História”, apresentada
na Band, por Lilian Schwarz & Dan Stulbach, agora a antropóloga fará nova série, desta vez para o Canal Philos,
da Globosat. O novo projeto de TV — “Brasil: Uma Biografia”,
em 4 episódios, ela fará ao lado de Heloísa Starling, da UFMG,
sua parceria no livro lançado pela Companhia das Letras.