PETRONIO LORENA + FRIDA & DIEGO + CINEMA MEXICANO + MOSTRA MICHELANGELO ANTONIONI + CENTENARIO DE JUAN RULFO NA TV MEXICANA
+ CONHEÇA O BLOG DO ESCRITOR HOMERO FONSECA

+ PETRONIO LORENA (na foto acima, de camisa clara, ao lado do cineasta Thiago Scorsa) E A POESIA POPULAR NORDESTINA + MOSTRA DE CINEA MEXICANO COMEÇA NESTA QUINTA-FEIRA (CINE BELAS ARTES DE SP)

+ HOJE, CENTENARIO DE JUAN RULFO (MATERIA NA ILUSTRADA CONTA QUE O FILHO-CINEASTA DO ESCRITOR ACABA DE LANÇAR SÉRIE DE TV SOBRE O PAI)

+ “FRIDA & DIEGO” (TEATRO) + MOVIDA LITERARIA EM BRASILIA (MATERIA NO ESTADÃO) + OLHAR DE CINEMA (CURITIBA 2017) + FAM-FLORIPA

+ CIRANDA DE FILMES (ESPAÇO ITAU AUGUSTA) + CPC-UMES + DOSSIÊ FEST É TUDO VERDADE + FIME B 20 ANOS (EDIÇÃO ESPECIAL EM PAPEL)

+ DIA 3 DE JUNHO: NA TV EDUCATIVA DA BAHIA, PRIMEIRO EPISODIO DA SÉRIE “O SENHOR DAS JORNADAS” (GUIDO ARAUJO E O CINEMA BAIANO)

+ “FRIDA & DIEGO”:
Li numa revista de TV, que a peça “Frida & Diego”, de Maria Adelaide Amaral, protagonizada por Leona Cavalli e José Rubens Chachá, já foi vista por 200 mil pessoas. Um fenômeno. E segue em cartaz. Está de volta aos palcos cariocas. Quando Leona & Chachá regressarão aos palcos paulistanos?????

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS (AGUARDAR)

****JEAN-CLAUDE BERNARDET:
um dos signatários do
Manifesto dos Críticos
em Apoio aos Cineastas
que retiraram seus filmes do Cine PE

****O FILME DE
PETRONIO LORENA
NO EMBALO DA POESIA
POPULAR NORDESTINA:
******DOCUMENTARIO
“O SILENCIO DA
NOITE É QUE TEM SIDO
TESTEMUNHA DE
MINHAS AMARGURAS”:

REPUBLICO ESTA NOTA DO ALMANAKITO,
DE DEZEMBRO 2016, PARA QUE O NOME
DO CINEASTA E MUSICO

PETRONIO LORENA,

UM DOS SIGNATARIOS
DO MANIFESTO DOS REALIZADORES (não confundir com o dos CRITICOS)

QUE RETIRAM SEU FILMES

DO CINE PE 2017, SEJA LEMBRADO,
JUNTO COM SEU DOCUMENTARIO

DE IMENSO NOME:

DEZEMBRO 2016 — Acabo
de chegar da sessão (Repescagem

da Mostra SP Ano 40 , no CineSesc) de
“O Silêncio da Noite É Que Tem Sido Testemunha das Minhas Amarguras”, do pernambucano Petrônio Lorena, cineasta e músico (trilheiro, inclusive) do “grupo” Petrônio e as Criaturas. Com ótima fotografia do cearense Roberto Iuri, o filme
mergulha no universo da

poesia popular pernambucana e paraibana (São José
do Egito, em PE, e Prata e Ouro Velho, na PB). Com pegada também feminina
(abre espaço significativo para poetas-glosadoras, ao ponto do título de filme
ser glosa de Severina Branca,

uma coroa que bebe todas!!!), o
documentário tem a criatividade e o gosto pela imagem (e um pouco do delírio etílico-emaconhado tão caro ao inquieto realizador!!!) que marcam o cinema de Petrônio (até este filme, o primeiro sem a parceria com Tiago Scorsa). Acompanho com imenso interesse o cinema “petronílio”. E desta vez ele fez tudo com empenho especial:
legendou a fala dos poetas populares (muitos se expressam quase em “dialeto”),
colheu excelentes depoimentos e versos-glosas, improvisos, etc, editou na medida
certa (79 minutos) e construiu um final que tira a poesia popular nordestina do
campo do “folk-lore” (Bráulio Tavares vai adorar!). Colocou-a em diálogo com
poetas como Augusto dos Anjos (“Budismo Moderno”) e Fernando Pessoa.
O filme, aliás, termina em clima de música lusitana.

+ MARATONA ANTONIONI
NOs CCBBs E CINESESC

(ante-ontem, domingo, e ontem, ótimo
público em todas as sessões do CineSesc).
Catálogo (na verdade, um livro) de mais de 700 páginas,
com textos de Aprà, Godard, Miccichè, Moravia,
Soldati, Carlo di Palma, etc.

Anúncios