EDSON CORDEIRO – PARADIES VOGEL (PRESENTE
QUE GANHEI DE CEZAR VERONESE)

EDSON CORDEIRO – “PARADIESVOGEL”
(PRESENTE QUE

GANHEI DE CEZAR VERONESE)

Amigos,
Zanin e eu almoçamos,

aqui em Santos, hoje, ao som de
EDSON CORDEIRO (“Paradies Vogel”), CD que ganhei de presente de Cezar Veronese, e de TEMPO FELIZ, disco de BADEN POWELL (sim, aquele disco que o Eduardo Gudin ama e garante, convicto, que “Deus tocou com ele, Baden”, tamanha a perfeição iluminada do disco). É nosso hábito ouvir, com imensa frequência, o TEMPO FELIZ. Mas, confesso, não ouvia EDSON CORDEIRO há uns dez anos… Incrível, ganhei o disco (dedicado pelo artista) das mãos de Veronese justo no dia em que Cordeiro fez 50 anos (nove de fevereiro). Acabo de descobrir esta coincidência agora. Estava em São Paulo para moderar o debate sobre a obra de Nelson Pereira dos Santos, no Cine Caixa Belas Artes, e marquei encontro com Veronese lá. Ele foi rever RIO ZONA NORTE e assistir
ao bate-papo com Bigode (Luiz Carlos Lacerda, o Madame Moustache do “Amulto de Ogum”), Carlos Alberto Riccelli, Ricardo Dias e Breno Lira Gomes. Sabia que Cordeiro estava radicado na Alemanha. E lembrava da sensação que este contratenor, nascido em família humilde, em Santo André, no ABC Paulista, fizera no Brasil, nos anos 1990.
****QUANDO ME ENTREGOU O CD, Veronese me avisou que eu ia amar as interpretações de Edson Cordeiro para dois sucessos gonzaguianos: “Assum Preto” e
“Asa Branca” (ambos em parceria com Humberto Teixeira, pai da querida atriz Denise Dumont). Pois acertou em cheio. Ambas ficaram maravilhosas na interpretação do artista brasileiro-germânico. Mas as surpresas foram se multiplicando: meu coração ficou apertado quando ele cantou AZULÃO, de Jayme Ovale & Manuel Bandeira, que amo desde que a ouvi na trilha de INOCENCIA, de Walter Lima Jr). ******Cantando em italiano, ou inglês ou português ou alemão, ou espanhol (“Cucurrucucu Paloma”, aquela que na voz de Caetano Veloso deixa o personagem de Dario Grandinetti com “los pelos en punta” no lindíssimo e almodovariano FALE COM ELA + LA TIRANA, de Curet Alonso) Edson nos enleva. Lindíssima sua interpretação de “Coração Vagabundo”, de Caetano, e de “The Lunatic’s Ballad” (dizem que sou louco…) do Arnaldo Baptista (aliás, colega de escola — a Caetano de Campos — do Zanin)…. Enfim, são 15 faixas… Uma
delas — LOVESONG — está na trilha sonora da novela “A Lei do Amor” (da qual, confesso, nunca vi um capítulo sequer: pela primeira vez, em meus 61 anos de vida, não estou seguindo nenhum folhetim: espero a volta de Gilberto Braga ou João Emanoel Carneiro ou Benedito Ruy Barbosa ou a dupla de “Cordel Encantado”… Gosto de Maria Adelaide Amaral em projetos que adaptam obras literárias, como A Muralha, Os Maias, etc). Para finalizar, mais uma vez, meus mais sinceros agradecimentos a
CEZAR VERONESE, que trouxe Edson Cordeiro de volta aos meus lar
e ouvidos…… bjs rô

Anúncios