******Lima Duarte, na foto abaixo, com a cineasta Ariane Porto, mostra foto, em seu celular, dele com Fernanda Montenegro no novíssimo filme de Andrucha, Juízo Final, escrito por Fernanda Torres. Foto de Rô Caetano, Jampa, 2016

LIMA DUARTE X SUASSUNA + FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA + TOM JOBIM + DOIS IRMÃOS (CRITICA DE ZANIN NO ESTADAO DIGITAL) + LITERATURA E CINEMA

Rô Caetano
Maria do Rosário Caetano
Blog: www.almanakito.wordpress.com

**LIMA DUARTE X SUASSUNA
**FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA
+ TOM JOBIM (Coluna de Sérgio Augusto
+ Caderno 2 Especial, neste domingo, no Estadão)
+ DOIS IRMÃOS (LEIAM CRITICA DE
ZANIN NO ESTADÃO DIGITAL)
+ CURSO: LITERATURA E CINEMA
+ OTTO, NO SOM DO VINIL
+ HOJE: CAETANO E TEREZA
CRISTINA NO CANAL BIS (20h00)

+ LIMA DUARTE
E FERNANDA
MONTENEGRO
JUNTOS EM
“JUÍZO FINAL”,
DE ANDRUCHA WADDINGTON
Como moderadora de debates no Fest Aruanda, tenho tido a missão de “tourear” as memórias de Lima Duarte, 87 anos, nas mesas das quais ele participa. E são várias. Ano atrasado (2015) ele brilhou na mesa de “Chatô” (o jornalista, o empresário, o filme). Ano passado (2016), ele estava no elenco de dois filmes (“Deserto”, de Guilherme Weber, e “O Crime da Cabra”, de Ariane Porto & Tereza Aguiar), ambos tema de debate, e na mesa que reavaliou a trajetória do teledramaturgo PERICLES LEAL, paraibano como Chatô. Então, tive que “controlá-lo” (risos) em três ocasiões. Já quase nonagenário, Lima é incontrolável. Fala o que quer e não liga para o tempo… Eu fico “louca” e, ao mesmo tempo, encantada com as histórias que ele conta (e seu jeito único de narrá-las, seduzindo o público)… Se eu cortá-lo, levo vaia da plateia… Ano passado, ele só andava com um livro debaixo do braço.. Pegava a palavra e danava a ler trechos do tal livro (sem maiores explicações)… Intrigada, perguntei: que livro é este Lima? Foi publicado no Brasil???? (Tratava-se de edição portuguesa de livro — creio que de memórias — de Manoel de Oliveira, que o dirigiu em dois ou três filmes)… Os trechos que ele lia não cabiam bem no tema dos debates… mas como impedir o grande ator de ler, com seu vozeirão de locutor e paixão de leitor de Guimarães Rosa, aqueles belos parágrafos??? No debate sobre Péricles Leal, muito bom e produtivo, por sinal, ele resolveu provocar o paraibano-brasiliense Vladimir Carvalho, autor de filme sobre uma das belas e hilárias Aulas-Espetáculo do paraibano (pernambucano) Ariano Suassuna: “Você sabia que ele nos perseguiu, a nós de Teatro de Arena, no começo dos anos 1960, quando execursionamos pelo Nordeste com “Revolução na América do Sul”? Ele era muito reacionário…” (Relembro estas e outras histórias de Lima Duarte numa longa matéria para o centenário jornal paraibano A UNIÃO, de Jampa, que deve sair neste final de semana)……
*****AMIGOS:

***Leiam hoje a deliciosa coluna de Sérgio Augusto no Estadão (sobre os 90 anos que Tom Jobim faria, se ainda estivesse conosco, e que serão comemorados na próxima quarta-feira, 25 de janeiro, dia do aniversário de São Paulo). Emocionante final, evocando Antonios do naipe dele, de Vieira, de Candido, de Callado (que faria 100 anos dia 26, dia do niver da caiçara Santos, mais velha que São Paulo e um pouquinho mais nova que a vizinha São Vicente, que aniversaria amanhã, terra de Robinho e de José Miguel Wisnik….) **** Leiam, também, mas no Globo, a estimulante coluna de Arnaldo Bloch, sobre Huppert em Elle-Verhoeven e no filme de Hansen, ambos em cartaz (que propõe uma discussão sobre feminismo)…. Depois voltarei a este assunto.
****FILMES QUE

MARCARAM ÉPOCA
O filme analisado pela magnífica série francesa, que tem em Antoine de Gaudemar seu mais consistente diretor (são vários), é Jules et Jim, de Truffaut. Há mais uma reprise (à meia-noite não sei de domingo para segunda ou de segunda para terça). Ontem, remexendo anotações e etc para ver se levantava quantos filmes desta série foram feitos e a quantos assisti, descobri, tristíssima, que desconheço o programa que foi dedicado
a ROSETTA, do Dardenne. Ao deparar-se com meu desapontamento, Zanin correu para a internet e comprou (para me presentear, dez fitas com 20 programas da série, sendo um deles, ROSETTA (a maioria dos outros 19 já vi).
Enumero aqui, os que consegui levantar (começando pelos seis programas que mais amei e mais revejo, no Canal CURTA!):
1. A Doce Vida- Fellini
2. O Desprezo – Godard
3 – A Regra do Jogo – Renoir
4- O Último Tango em Paris, Bertollucci
5. O Boulevard do Crime, Carné
6. O Império dos Sentidos – Oshima
7. Lacombe Lucien, Malle
8. Tudo Sobre Minha Mãe – Almodóvar
9. Jules et Jim – Truffaut
10. Quanto Mais Quente Melhor, Wilder
11. Rainha Margot – Chereau
12. O Testamento de Um Gangster – Lautner
13. Marius et Janette – Guediguián
14. Os Guarda-Chuvas do Amor, Demy
15. Interlúdio – Hitchcock
16 As Loucas Aventuras do Rabino Jacob – Oury
17. O Ódio – Kassovitz
18. A Fita Branca – Haneke
19. Vincent, François, Paul e Les Autres – Sautet
20. Tudo Sobre Minha Mãe – Almodóvar
21. O Pequeno Mundo de Dom Camilo
22. Le Pére Noel et une Ordure
23. Os Três Dias do Condor

AINDA NÃO VI
(os programas, claro!!!):
24. ROSETTA – Dardenne
25. Laranja Mecânica, Kubrick
26. O Porto (Le Havre) – Kaurismaki
27. A Separação – Asghar Farhardi
28. Fuga para Odessa – Gray
29 – O Processo de Viviane Amsalem
30 – Tess – Polanski
31. Encontros e Desencontros – S. Coppola
*PEDIDOrô***Quem tiver a lista completa dos programas já realizados, me manda (alô turma do Canal CURTA!)????!!!!!!!. Creio que a equipe francesa já deve ter realizado uns 50 programas. Não é possível que ROCCO ou O LEOPARDO não tenha sido, digamos, “biografado” pelo programa… Algum ROSSELLINI (Roma, Cidade Aberta, decerto)???? *****Nenhum brasileiro, nem hispano-americano, nenhum africano… dois do Oriente Médio (Irã e Israel), um da Ásia (só o japonês Oshima…. Nenhum KUROSAWA???)…

**** LITERATURA E CINEMA
– UMA VIA DE MÃO DUPLA
é o próximo curso do
Espaço Itaú de Cinema | Augusta

***LITERATURA E CINEMA

– UMA VIA DE MÃO DUPLA

é o próximo curso do Espaço

Itaú de Cinema | Augusta

Entre os dias 13 e 17 de fevereiro, de segunda a sexta-feira, o jornalista e crítico de cinema José Geraldo Couto ministra o encontro LITERATURA E CINEMA – UMA VIA DE MÃO DUPLA, no Espaço Itaú de Cinema – Augusta | Anexo (Rua Augusta, 1470). Cada aula terá três horas de duração, com início às 15h30.

1ª aula: 13 de fevereiro, segunda-feira

As falsas ideias sobre adaptação literária (“O livro é sempre melhor que o filme”; “Adaptação tem que ser fiel ao texto”, etc.). O filme como tradução de um meio a outro, mas também de uma sensibilidade a outra. Afinidades e divergências entre artistas. Os exemplos de Morte em Veneza (Thomas Mann/Visconti) e O processo (Franz Kafka/Orson Welles). Três adaptações de Macbeth, de Shakespeare: por Orson Welles, Kurosawa e Polanski.

2ª aula: 14 de fevereiro, terça-feira

O filme como diálogo de uma época com outra. Exemplos de Macunaíma (Mario de Andrade/Joaquim Pedro de Andrade) e De olhos bem fechados (Arthur Schnitzler/Stanley Kubrick). O livro como inspiração ou “estopim” para falar de outra coisa. Exemplos de Psicose (Robert Bloch/Hitchcock) e das adaptações do conto Os assassinos, de Hemingway (por Robert Siodmak, Don Siegel e Andrei Tarkovsky). Três versões de To have and have not, de Hemingway (por Hawks, Michael Curtiz e Don Siegel).

3ª aula: 15 de fevereiro, quarta-feira

Autores e livros influenciados pelo cinema. O exemplo de Dashiell Hammett e O falcão maltês. Escritores como roteiristas em Hollywood (Brecht, Faulkner, Fitzgerald, Chandler). Poetas e escritores que se tornaram cineastas para ampliar seus meios de expressão (Jean Cocteau, Graham Greene, Peter Handke, Pasolini, Marguerite Duras). Ficcionistas brasileiros no limiar entre literatura e cinema (Rubem Fonseca, Marçal Aquino).

4ª aula: 16 de fevereiro, quinta-feira

As armadilhas da linguagem. Dificuldade de adaptar autores que centram sua literatura na forma de narrar: Henry James, Proust, Joyce, Guimarães Rosa. Proust por Schlöndorff, Chantal Ackerman e Raoul Ruiz. Joyce por Jack Clayton, John Huston e Ivan Cardoso. Duas versões de Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (por Julio Bressane e André Klotzel). Tentativas de mimetizar procedimentos literários: o caso de A dama do lago (Raymond Chandler/Robert Montgomery).

5ª aula: 17 de fevereiro, sexta-feira

Afinidades e entrechoques entre escritor e cineasta. O caso Stephen King x Kubrick: O iluminado. Nelson Pereira dos Santos e sua variada relação com escritores brasileiros (Graciliano Ramos, Jorge Amado, Nelson Rodrigues, Machado de Assis, Guimarães Rosa). As “meta-adaptações”: filmes centrados no próprio processo de transposição de uma obra literária para outro meio, tempo e lugar. Exemplos de Tchecov (por Louis Malle e Eduardo Coutinho) e Shakespeare (por Al Pacino e Irmãos Taviani).

Espaço Itaú de Cinema – Augusta | Anexo

Rua Augusta, 1470 – Cerqueira César

De 13 a 17 de fevereiro de 2017, de segunda a sexta-feira

Horário: 15h30 às 18h30

Carga Horária: 15 horas em 5 encontros.

Inscrições

(11) 3266-5115

escola@cinespaco.com.br

Rua Antônio Carlos, 288 – 1º andar

Valor até 09/02

R$ 490,00 ou 2 cheques de R$ 260,00

Valor a partir de 10/02

R$ 540,00 ou 2 cheques de R$ 285,00

Valor da aula avulsa

R$ 130,00

Vagas limitadas: 30 pessoas (mínimo de 15 para a realização do curso)

Anúncios