DOIS LIVROS DE PAULO SCHETTINO + UGO GIORGETTI E OS TECNICOS DO CINEMA PAULISTA + O WALTER CARVALHO PAULISTANO E O WALTER
CARVALHO PARAIBANO-CARIOCA

+ DOIS LIVROS DE

PAULO SCHETTINO
Poucos meses atrás, em busca de fotos de Alinor Azevedo (1913-1974), pedi, via internet, a amigos-pesquisadores que me enviassem fotos do roteirista de “Moleque Tião”, “Também Somos Irmãos”, “Cidade Ameaçada” e colaborador de “Assalto ao Trem Pagador”, além de um dos fundadores da Atlântida Cinematográfica. Foi um verdadeiro mutirão. Recebi vários emails. Um deles veio de Paulo Schettino. (As fotos me chegaram, abundantes, do crítico José Carlos Monteiro e de Vânia Alinor Azevedo Venâncio). Esta semana, recebi, de Schettino, dois livros: “Diálogos Sobre o Cinema Brasileiro” (Ateliê Editorial, 2007) e DE BELLO MEDIA – O NovoCinema Brasileiro (OJM-EdiPUCRS, 2014). Primeiro, fui me informar sobre Schettino. Descubro que ele, além de pesquisador incansável e apaixonado, é homem de cinema e professor universitário. Formou-se em Física, passou pelos Laborátórios Líder e Rex, fez-se mestre e doutor em Cinema pela USP, com pós-doutoramente na UnB. Dirigiu dois curtas: Migrações” e “Ora (Direis) Ouvir Estrelas!”. Além dos dois livros aqui citados, tem um terceiro: “Da Pedra ao Nada: a Viagem da Imagem – Escritos Apolíneos sobre os Media”. O livro “Diálogos sobre a Tecnologia do Cinema Brasileiro” tem proposta das mais intrigantes: promover “acerto de contas com a memória coletiva da cultura no Brasil, ou melhor, de uma cultura muito especial” (…) ou seja, “resgatar CINEASTAS NUNCA LEMBRADOS, escondidos atrás da câmaras e das ideias contidas nos roteiros, nas salas escuras dos laboratórios ou à frente das moviolas”. Resumindo: “trata-se de um resgate dos técnicos e da técnica que fizeram o cinema brasileiro”. Já “DE BELLO MEDIA – O NovoCinema Brasileiro” traz um prólogo sobre “A Guerra dos Meios” (as complexas relações entre cinema e televisão).
Na Parte I, ele aborda As Relações Cinema e Televisão Fora do Brasil (EUA, Inglaterra e Itália). Na Parte II estão “As Relações Cinema e Televisão no Brasil”. Na parte III: O NovoCinema Brasileiro (Ecos da década anterior; 1990 – O Ano Fatídico, 1995 – O Ano Mítico, 2000 – O Ano Renovador). Epílogo: 2010 – O Ano do Contato Estabelecido”. A conferir.

+ GIORGETTI E OS TÉCNICOS
DO CINEMA PAULISTA (SPCINE):
Ugo Giorgetti está preparando, para o site da SPCINE,
pequenos documentários sobre técnicos de cinema que atuam em São Paulo. Torço para que o primeiro e sintético doc seja dedicado a Walter Carvalho, fotógrafo de “Sargento Getúlio”, “Sete Dias de Agonia” e de alguns filmes do próprio Ugo (como “Cara ou Coroa” e “Amor em Sampa”). Só assim, todos saberão que há dois Walter Carvalho na direção de fotografia de filmes brasileiros: um paulistano e outro paraibano-carioca (irmão de Vladimir Carvalho e diretor de fotografia (de dezenas de longas-metragens) e de filmes como “Budapeste” e “Raul, O Início, o Fim e o Meio”.

Anúncios