ALMANAKITO (01 DE JUNHO 2016) + ROSSELLINI,
MAGNANI E BERGMAN + AS SUFRAGISTAS + MAX EXPÔ: MG
ANUNCIA R$ 23,5 MILHÕES PARA O AUDIOVISUAL
+ CINEOP (PROGRAMAÇÃO) + CINE CEARÁ HOMENAGEIA O
CINEMA MEXICANO COM MOSTRA DE 22 LONGAS-METRAGENS

+ ELY AZEREDO ME LEMBRA QUE
A NEOZELANDESA JANE CAMPION
FEZ DEZ LONGAS E DOIS DOS MELHORES DELES
ESTAO DISPONÍVEIS EM DVD:
UM ANJO EM MINHA MESA, 1990,
E, CLARO, O PIANO, 1993.

*********ALMANAKITO (01 DE JUNHO 2016) + MAX EXPÔ MG: GOVERNO DE MG ANUNCIA R$ 23,5 MILHÕES PARA
O AUDIOVISUAL + CINEOP (PROGRAMACÃO) + SAIU, EM DVD, O FILME BRITÂNICO “AS SUFRAGISTAS” + AS MULHERES QUE AMARAM (E FORAM AMADAS POR) ROBERTO ROSSELLINI

Rô Caetano
Maria do Rosário Caetano
Blog: www.almanakito.wordpress.com

ALMANAKITO
QUARTA-FEIRA (01-JUNHO-2016)

+ PROGRAMAÇÃO COMPLETA DA CINEOP 2016

+ MAXEXPÔ MG: GOVERNO DE MG ANUNCIA
R$ 23,5 MILHÕES PARA O AUDIOVISUAL

1. SAIU, EM DVD, O FILME
BRITÂNICO “AS SUFRAGISTAS”.

2. AS MULHERES QUE AMARAM (E FORAM
AMADAS POR ) ROBERTO ROSSELLINI

Documentário “Bergman & Magnani:
A Guerra dos Vulcões ” é destaque
desta sexta-feira, dia 3 de junho, no Arte 1
HORARIOS: 1h00 e 17h00
Direção de Francesco Patierno

*** FEST GRAMADO PRORROGA
INSCRIÇÕES ATÉ 20 DE JUNHO

+ OLHAR DE CINEMA 2016
– FESTIVAL
INTERNACIONAL DE
CINEMA DE CURITIBA COMEÇA
NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA, DIA 8 DE
JUNHO. NO FINAL DESTA REMESSA,
FILMES SELECIONADOS.

++ CINEOP VAI HOMENAGEAR
EDUARDO COUTINHO
E FRANCISCO SÉRGIO MOREIRA

+ NO CANAL BRASIL: “CIDADE
DE DEUS – DEZ ANOS DEPOIS”
(REPRISE), COM APRESENTAÇÃO
DE AMIR LABAKI. E FIQUEM
ATENTOS À DIVERTIDA (E FRANCA)
ENTREVISTA DE SELTON
MELLO A LAZARO RAMOS
(NO ESPELHO-REPRISE)

+ FEST BRASILIA ABRE INSCRIÇÕES PARA EDIÇÃO 49

****CINE CEARÁ 2016 – MOSTRA DE CINEMA MEXICANO
REUNE 22 LONGAS-METRAGENS DE BUÑUEL, RIPSTEIN,
REYGADAS, IÑARRITU, ESCALANTE E JOVENS DIRETORES

+ LEITURAS DE JORNAL:

* Belo texto de Marcelo Coelho
(FSP, 01-06-16), no qual cita um
belo conto “sob flocos de neve” e os filmes
PONTO ZERO e PROVA DE CORAGEM. Por falar em
PONTO ZERO, o filme do gaúcho José Pedro Goulart
vem gerando animadora fortuna crítica.

* Coluna iluminada de
FRED COELHO (O Globo, 01-06-16)

* Belo e de leitura obrigatória o texto da escritora
NOEMI JAFFE, na FSP 01-06-16 (primeiro caderno, página três)

* Excelente coluna do escritor MARCOS LUCCHESI, em
O Globo (01-06-16): Título: UNIVERSIDADE VIVA

*QUATRO ESTREIAS BRASILEIRAS:
. Campo Grande, de Sandra Kogut
. O Outro Lado do Paraíso, André Ristum
. Uma Loucura de Mulher, Marcos Ligocki
. Vampiro 40 Graus, Marcelo Santiago

****O PÃO E A PEDRA
Nova montagem da Cia do Latão

**AUDIOVISUAL MAXEXPÔ BH-MG

Evento começa hoje, e dura três dias, em Belo Horizonte.
Governo de Minas e Sebrae buscam oportunidades de
trabalho no terreno do audiovisual.
*****HOJE: PRIMEIRA
Minas Gerais Audiovisual Expo (MAX)
em Belo Horizonte: encontro quer gerar
negócios e compartilhar conhecimento.
São esperados 3 mil profissionais
do cinema e do audiovisual.
www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br

*** CINECLUBE SALA ESCURA
promove, na Cinemateca do MAM-RIO,
Sessão Latina :: Com exibição de
“NOITES PARAGUAYAS”,
co-produção Brasil-Paraguai, dirigida por Aloysio Raulino
Amanhã, quinta-feira, dia dois de junho, às 18h30min

********CEARÁ 2016 – ANO 26

“Que Horas ela Volta?” e “As Aventuras do
Pequeno Colombo” nas Mostras Sociais do festival
cearenses, que acontece em Fortaleza, de 16 a 22 de junho

** REVISTA DE CINEMA 129
DISPONÍVEL EM
BIBLIOTECAS
E NA GIBITECA DA
REDE MUNICIPAL
DE SÃO PAULO.
Na capa, o ator Edimilson Silva, o protagonista de “Cine Holiúde”, que protagoniza também o novo filme de Halder Gomes, O SHAOLIN DO SERTÃO (matéria sobre o “cinema de ação” no Brasil). Em pauta, ainda, no número 129: entrevista com a produtora Sara Silveira, matéria sobre novo filme de Sandra Kogut (Campo Grande), efeitos especiais em “Malasartes”, novo longa de Paulo Morelli, Aspirantes e o futebol, etc.

+ BILHETERIAS BRASILEIRAS + ARTIGO DE WANDERLEY GUILHERME DOS SANTOS (CARTA CAPITAL) + VAQUINHA VERMELHA + LIVRO DE ANTONIO LEÃO

+ REVISTA DE CINEMA 129 (NA CAPA, “O SHAOLIN DO SERTÃO”): DISPONÍVEL PARA NÃO-ASSINANTES
NAS BIBLIOTECAS DA REDE PUBLICA DO
MUNICIPIO DE SÃO PAULO

+ OLHAR DE CINEMA (CURITIBA) + CINECEARÁ + FAM FLORIPA + CINEOP (OURO PRETO-MG) + GUARNICÊ DE SÃO LUIS DO MARANHÃO

*****OLHAR DE
CINEMA 2016 – FESTIVAL
INTERNACIONAL DE
CINEMA DE CURITIBA

DATA: DE 8 A 16 DE JUNHO
Na Mostra competitiva de curtas está o brasileiro
“A Moça Que Dançou com o Diabo”, de João Paulo Miranda Maria, que acaba de ganhar Menção Honrosa em Cannes. Será a primeira sessão do filme num festival brasileiro. O jovem cineasta atua no coletivo Kinocine, em Rio Claro, interior de São Paulo.
O filme anterior dele, “Command Action”, foi selecionado
para a Quinzena de Realizadores e exibido
em vários festivais brasileiros.
www.olhardecinema.com.br

+ COMEÇA NESTA QUARTA-FEIRA,
EM BH-MG, A MAX – MINAS GERAIS
AUDIOVISUAL EXPÔ,
evento que une esforços da Secretaria de Cultura do Estado de Minas, Codemig e o Sebrae, com curadoria da ABPITV. Durante cinco dias, o evento reunirá 500 profissionais do audiovisual brasileiro para rodadas de negócio e paineis sobre diversos temas. Até dia 5 de junho. Mais informações:
www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br

**************MAXEXPÔ MG:

Governo de MG anuncia
R$ 23,5 milhões para o audiovisual

Governo de Minas Gerais lança o Programa
de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro

DA ASSESSORIA DE IMPRENSA

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, lançou na noite dessa terça-feira (31/5) o Programa de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro (Prodam), que vai destinar R$ 23,5 milhões ao segmento audiovisual mineiro, distribuídos em editais destinados a roteiros, produção e finalização de longas-metragem para cinema e séries para televisão, além do pré-licenciamento de 37 projetos de obras seriadas e não-seriadas de ficção, animação e documentário.

O lançamento ocorreu durante a abertura oficial da Minas Gerais Audiovisual Expo (MAX), maior evento de fomento ao segmento realizado no estado, no Museu de Artes e Ofícios em Belo Horizonte. A MAX recebe, entre hoje e domingo, dia 5, os 31 principais players do mercado audiovisual brasileiro para expor seus modelos de trabalho e negociar com produtores e realizadores de todo o Brasil. A programação é gratuita e conta ainda com 66 painéis e palestras com especialistas nacionais e internacionais.

Fernando Pimentel destacou a capacidade da produção audiovisual mineira para a realização do programa, com o objetivo de fazer de Minas Gerais um polo do setor no país. “Mesmo com toda a dificuldade financeira e orçamentária do Estado, nós estamos conseguindo aportar o maior volume de recursos que já foi destinado ao audiovisual em toda a história. O futuro da nossa indústria é a economia criativa. E é nisso que nós estamos apostando fortemente. É uma aposta sem risco, porque, na verdade, é um investimento. O futuro da indústria, o futuro da economia passa pela economia criativa. E nós mineiros vamos ter o orgulho de ser o maior polo de produção audiovisual do Brasil”

A presidência da plataforma fica a cargo de Gilvan Rodrigues, diretor de Relações Institucionais da Fundação Clóvis Salgado e ex-diretor do Centro de Referência do Audiovisual de Belo Horizonte, o atual Museu da Imagem e do Som.

Cidade do audiovisual — Durante a solenidade de lançamento da MAX, o governador Fernando Pimentel assinou o protocolo de intenção entre Codemig e PucMinas para revitalização e modernização da antiga edificação do Sistema Salesiano de Vídeocomunicação (SSV), em Belo Horizonte.

“São 4 mil metros quadrados de edificação, tudo isso apropriado a grandes estúdios de audiovisual para fazer ali uma cidade do audiovisual mineiro, um grande polo para que nós estejamos em condições de concorrer no Brasil e até no exterior pela qualidade na produção que teremos aqui, com profissionais, com geração de emprego, de renda. Somos a partir de agora o novo polo cinematográfico do Brasil”, destacou o secretário de Cultura, Ângelo Oswaldo.

Editais — A partir da instituição do grupo de trabalho interinstitucional, por meio de decreto do governador Fernando Pimentel, publicado no dia 19 de maio de 2016, o programa chega com novas oportunidades para o público, artistas, pesquisadores, empreendedores e empresários interessados pelo setor audiovisual com o lançamento de diversos editais. São elas:

– Edital de desenvolvimento de roteiros audiovisuais de longa-metragem para cinema e séries para televisão (Codemig). Valor de R$1,5 milhão;

– Edital de produção e finalização de longa-metragem para cinema e séries para televisão (Codemig e Ancine), a ser lançado nas próximas semanas. Valor de R$ 5 milhões;

– Edital de Pré-licenciamento de obras seriadas e não-seriadas de ficção, animação e documentário – A Rede Minas e a Codemig vão selecionar, por meio de concurso, 37 propostas de projetos de produção de obras seriadas e não-seriadas de ficção, animação e documentários que receberão recursos financeiros para o licenciamento dos direitos de primeira janela para comunicação pública no segmento de televisão, por meio dos mecanismos oferecidos pelas linhas de financiamento Prodav 01 e Prodav 02, no valor de até R$ 17 milhões. O edital será publicado nas próximas semanas. A proposta encontra-se em consulta pública no site
www.redeminas.tv

– Lançamento da Câmara da Indústria do Audiovisual (Fiemg).

***** CINEOP 2016 – ANO 11
OURO PRETO – MINAS GERAIS
PROGRAMAÇÃO COMPLETA

11ª CineOP – Mostra

de Cinema de Ouro Preto

22 a 27 de junho de 2016

EM SUA 11ª EDIÇÃO, CINEOP DISCUTE O CINEMA BRASILEIRO DA REDEMOCRATIZAÇÃO, A TELEVISÃO COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL E O OLHAR COMO ELEMENTO DE EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS

De 22 a 27 de junho, Mostra de Cinema de Ouro Preto exibe 91 filmes em pré-estreias e retrospectivas, presta homenagens ao cineasta Eduardo Coutinho e ao restaurador Chico Moreira, promove oficinas, debates e encontros da preservação e educação, sempre com entrada franca

Em sua 11ª edição, a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto – único evento audiovisual brasileiro dedicado à preservação, história e educação vai reunir entre os dias 22 e 27 de junho na cidade histórica mais de 200 profissionais do setor audiovisual, pesquisadores, acadêmicos, arquivistas e críticos de cinema para participar do Encontro Nacional de Arquivos e do Encontro da Educação e, ainda, propõe colocar em evidência as discussões contemporâneas sobre a política brasileira através de um olhar conceitual e histórico no audiovisual.

O eixo temático da 11ª CineOP será Cinema, TV e Educação. Na Temática Preservação, o enfoque será “Arquivos de Televisão” e a entrega do Plano Nacional de Preservação, na temática histórica “O Cinema e o processo de abertura política” (período 1976-1988) e na Educação, “O Cinema, a TV, Educação: a escola como unidade comunitária”.

“A CineOP se constitui um espaço único e privilegiado para problematizar possibilidades e limites da pesquisa, acesso, difusão de conteúdos dos mais variados em diálogo com o setor do audiovisual e da educação e, a cada edição, renova seu compromisso colaborativo e de vanguarda a favor do patrimônio audiovisual”, afirma a coordenadora do evento e diretora da Universo Produção, Raquel Hallak.

HOMENAGENS

A 11ª CineOP celebra a memória de dois nomes de destaque na cena audiovisual brasileira: Eduardo Coutinho (1933-2014), um dos diretores mais importantes e referenciais da história do cinema brasileiro; e Francisco Sérgio Moreira (1952-2016), o Chico, considerado pioneiro no trabalho de restauração, por anos tendo trabalhado na Cinemateca do MAM e na Labocine e com carreira também de montador. De Coutinho, serão exibidos na mostra homenagem, o filme emblemático do cinema brasileiro Cabra Marcado para Morrer (1984), Jogo de Cena (2007), Últimas Conversas(2015); de Chico, o público vai poder conferir dois títulos montados por ele: Jango (1984), de Silvio Tendler, e Lost Zweig (2002), de Sylvio Back.

As homenagens serão prestadas na abertura oficial do evento, a ser realizada no dia 23 de junho de 2016quinta-feira, às 20h30, no Cine Vila Rica, em Ouro Preto-MG, ocasião que será feita a entrega do Troféu Vila Rica para familiares e amigos dos homenageados. Na sequência, o filme de abertura Cabra Marcado para Morrer, dá o tom da reflexão histórica que o evento se propõe para esta edição.

FILMES

A programação é estruturada em três temáticas de atuação: preservação, história e educação, com a oferta de uma programação abrangente egratuita que inclui homenagens, exibições de 91 filmes (19 longas, 7 médias e 65 curtas, 42 deles realizados em contexto escolar) em pré-estreias e retrospectivas divididos em várias mostras temáticas: Contemporânea, Preservação, Histórica e Educação em 34 sessões de cinema. Os títulos expressão a produção brasileira em diferentes formatos e épocas, representando 12 estados brasileiros (SP, RJ, MG, PR, RS, SC, RN, PB, PE, CE, GO e SE). Destacamos, ainda, as duas pré-estreias nacionais: Filhos de Bach, uma co-produção Brasil-Alemanha, dirigida por Ansgar Ahlers, e Crônicas da Demolição, dirigido por Eduardo Ades.

Entre os títulos selecionados, destacamos as produções históricas com um recorte que enfoca a temática proposta para esta edição em que o evento se volta para o período da chamada Abertura Política que vai de 1976 até a nova Constituição, em 1988, com o propósito de ver nas telas e nos debates como o cinema sentiu, pensou e reagiu ao processo de abertura democrática. O filme emblemático desse período é o Cabra Marcado Para Morrer, de Eduardo Coutinho (1964-1984), os filmes Eles não usam Black Tie, de Leon Hirszman (1981) e A Próxima Vítima, de João Batista de Andrade (1983), fazem uma avaliação mais direta desse período político no País. Já o longa Extremos do Prazer, de Carlos Reichenbach (1983), tentava entender a experiência de uma juventude, filhos da ditadura; o média Superoutro, de Edgard Navarro (1989) é uma perspectiva tardia da contracultura frente a falta de horizonte político num período de pós-ditadura e, por fim, um filme que exemplifica bem o processo dessa Nova República pós-constituinte é Festa, de Ugo Giorgetti (1989).

A programação de filmes da 11ª CineOP traz ainda produções contemporâneas que, em diversas medidas, dialogam diretamente com a noção de Cinema Patrimônio tão única e característica do evento. Em 2016, alguns dos destaques são: Mar de Fogo, de Joel Pizzini; Satan Satie ou Memórias de um Amnésico, de Juruna Mallon e Lucas Parente; Sem Título #2: La Mer Larme, de Carlos Adriano; e Filhos de Bach, de Ansgar Ahlers. Há ainda os filmes que são da Mostra HistóricaCase Cinema e TV (4), os longas que integram o programa Cine-Escola (4), a programação da Mostrinha de Cinema (4), da Mostra Praça e a diversidade da produção em curtas-metragens da Mostra Venturas (8 filmes), Mostra Horizontes (4), cujo propósito é apontar caminhos e possibilidade de se trabalhar a imagem como registro, retorno e reflexão.

A edição deste ano conta, ainda, com oficinas, debates, seminário, exposições, lançamento de livros e atrações artísticas em três espaços em Ouro Preto: Cine Vila Rica (plateia de 500 lugares), Centro de Artes e Convenções – sede do evento, que abrigará diversas atividades, além de receber a instalação do Cine-Teatro (plateia 510 lugares) e a Praça Tiradentes, que recebe a instalação do Cine BNDES na Praça (1000 lugares).

TEMÁTICA PRESERVAÇÃO

Na Temática Preservação, a CineOP propõe em 2016 como eixo central os Arquivos de Televisão, com todos os desdobramentos conceituais, históricos e políticos da questão. Alguns assuntos propostas serão acesso ao audiovisual, descentralização e a recente proposição de uma “Netflix” de produções brasileiras, para acesso público. A ideia da temática veio de integrantes da ABPA (Associação Brasileira de Produtores Audiovisuais) e da percepção de que, dentro do próprio setor e do evento mineiro, a televisão estava um tanto esquecida em anos anteriores.

O filme-emblema da Mostra Preservação em 2016 é o documentário Jango (1984), de Silvio Tendler, que se utiliza de vasto material de arquivo para acompanhar a trajetória do ex-presidente João Goulart, deposto no golpe civil-militar de 1964. “A formação de uma cultura de preservação de acervos de televisão e correlatos está começando a ultrapassar as barreiras utilitárias e a enfrentar questões espinhosas e importantes, dado o modelo privado dominante no país e seu sucedâneo cibernético”, afirma Hernani Heffner, curador da Temática Preservação. “Do uso comercial do registro audiovisual, está se passando a uma percepção de que a grande memória coletiva recente da nação reside nesses repositórios. Como acervo, bem e patrimônio, a criação televisiva, videográfica e virtual é algo mais do que uma notícia efêmera. Ela conta várias histórias, em vários níveis e dimensões, que cumpre conservar e acessar, como forma de construção cultural da nação”.

TEMÁTICA HISTÓRICA

O atual momento que vivemos no país convida a uma reflexão profunda sobre a trajetória política brasileira desde a ditadura, que vai culminar justamente na crise institucional e política de hoje que parece indicar o fim da “Nova República”, que se iniciou na fase final da ditadura civil-militar até a promulgação da Nova Constituição em 1988.

Tendo isso em vista, a Temática Histórica da 11ª CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto se volta ao período da chamada Abertura Política que vai de 1976 até a nova Constituição, em 1988 definida como O Cinema e o processo de Abertura Política, coloca em evidência nas telas e filmes, de que forma a produção reviu experiências políticas na vida brasileira.

O curador Francis Vogner dos Reis partiu da proposição de diversas perguntas: de quais maneiras o cinema brasileiro viu, sentiu e reagiu a esse período e às heranças (malditas) da ditadura? Qual Brasil acabava ali e qual surgia? Por que não fomos capazes de construir nacionalmente uma narrativa unificada sobre a ditadura? Éramos (e somos), de fato, uma nação? Qual é o testemunho dos filmes brasileiros e as contradições flagrantes da democratização? “Interessa, a partir dessas indagações, ver as como os filmes desse período entenderam as experiências políticas na vida brasileira na perspectiva do futuro (com esperança ou desencanto), suas reflexões sobre as marcas do regime militar nas classes mais baixas e no perfil da juventude que nasceu e cresceu na ditadura e sobre a quase intocada tradição autoritária que permaneceu no cotidiano e nos quadros políticos nacionais”, destaca ele.

TEMÁTICA EDUCAÇÃO

Na Temática Educação, a 11a CineOP promove o Encontro da Educação: VIII Fórum da Rede Kino e enfoca O Cinema, a TV, Educação: a escola como unidade comunitária em debates, filmes, apresentações de projetos comunitários audiovisuais e diálogos da educação.

Atualmente, a escola como unidade comunitária é atravessada pelos movimentos que a contemporaneidade e suas novas tecnologias vem produzindo em termos de cultura e comunicação. Falar de cinema e televisão trazia, até faz pouco tempo, uma tensão, uma polaridade quase antagônica para alguns setores do audiovisual e da educação. Isso mudou? Como?

“Embora ainda predomine uma pauta clássica histórica em relação aos monopólios de comunicação e à centralidade dos meios, hoje discutimos o conceito de democracia participativa, que se manifesta na maneira como novos agrupamentos – nas escolas, nos bairros, nas ruas – se criam, resistem às injustiças, produzem conhecimento e cultura e as compartilham”, afirma a curadora Adriana Fresquet. “Hoje a internet divide espaço com a mídia impressa, o rádio, a televisão. A crise da influência dos canais abertos se revela pela diminuição gradativa da audiência em seus principais programas, como as novelas e os telejornais. Assistimos a conteúdo televisivo pelo computador, tablets, smartphones e celulares, numa enorme diversidade de possibilidades de comunicação que deslocam o poder”.

O eixo dos trabalhos será a relação entre cinema, TV e sala de aula, através de discussões sobre a presença maciça dos meios de comunicação na vida e no processo de aprendizado de alunos de diversas faixas etárias. A proposta destas discussões, devem contar com a presença de acadêmicos, professores e interessados em geral de todo o Brasil em encontros diários e intensos durante a 11ª CineOP, com o propósito de pensar o papel do educando e do educador nesta nova e moderna maneira de se relacionar com a produção e difusão de informação – num tempo em que não apenas se consome, mas principalmente se produz muito conteúdo com as facilidades tecnológicas. O próprio cinema tem se adaptado a essa realidade, expandindo-se para além das formas tradicionais e se espalhando por outras telas, suportes, plataformas e sistemas.

Uma das mesas aguardadas é sobre a lei 13.006 sancionada em 26 de junho de 2014, que estabelece a exibição obrigatória de filmes brasileiros nas escolas de educação básica, em que a CineOP de 2015 lançou uma reflexão sobre a proposta e perspectivas desta Lei e, que agora, propõe fazer um balanço dos avanços e resultados um ano depois de problematizar as possibilidades e limites da lei.

Além das diversas mesas de debates, o público vai poder conferir os filmes da Mostra Educação. São mais de 40 filmes produzidos no Brasil por educadores e estudantes no contexto escolar e espaços não-formais de ensino, num demonstrativo da diversidade e infinidade de linguagens que podem surgir dos núcleos de educação em todo o Brasil. O evento apresenta também 15 projetos comunitários audiovisuais selecionados em três eixos temáticos: Projetos Cineclubistas; TV comunitárias: projetos de educação e audiovisual nos níveis da produção, exibição e difusão; Produção de conteúdos audiovisuais educativos para plataformas digitais

OFICINAS E WORKSHOPS INTERNACIONAIS

A CineOP promoverá, ainda, oficinas e workshops audiovisuais gratuitos, que integram o programa de capacitação que a Universo Produção realiza no âmbito do programa Cinema sem Fronteiras 2016, com o objetivo de contribuir para formação, capacitação, qualificação de profissionais – questão vital para o crescimento da indústria audiovisual no Brasil e, ao mesmo tempo, estímulo à formação de novos talentos, oportunizar o encontro e o intercâmbio de ideias e conhecimento.

Nesta edição são quatro oficinas e três workshops internacionais com a oferta de 250 vagas atendendo a públicos e interesses diversos. Estão abertas as inscrições até o dia 3 de junho pelo site oficial do evento (cineop.com.br)

***

CONFIRA A RELAÇÃO COMPLETA DE FILMES DA 11ª CINEOP

LONGAS

MOSTRA CONTEMPORÂNEA

CRÔNICA DA DEMOLIÇÃO, Eduardo Ades – RJ

FILHOS DE BACH, Ansgar Ahlers – RJ

MOSTRA HISTÓRICA

A PROXIMA VÍTIMA, João Batista de Andrade – RJ

ELES NÃO USAM BLACK TIE, Leon Hirszman – RJ

EXTREMOS DO PRAZER, Carlos Reichenbach – SP

FESTA, Ugo Giorgetti – SP

MOSTRA HISTÓRICA – CASE CINEMA E TV

DOCE DE MÃE, Jorge Furtado e Ana Luisa Azevedo – RS

Série O VIGILANTE RODOVIÁRIO | Episódios DIAMANTE GRAN MOGOL, A HISTÓRIA DO LOBO E AVENTURA EM OURO PRETO |SP

MOSTRA PRESERVAÇÃO

JANGO, Silvio Tendler – RJ

LOST ZWEIG, Sylvio Back – RJ

MOSTRA HOMENAGEM

CABRA MARCADO PARA MORRER, Eduardo Coutinho – RJ

JOGO DE CENA, Eduardo Coutinho – RJ

MOSTRA HOMENAGEM / MOSTRA JOVEM

ÚLTIMAS CONVERSAS, Eduardo Coutinho – RJ

MOSTRA EDUCAÇÃO

ACABOU A PAZ, ISTO AQUI VAI VIRAR O CHILE, ESCOLAS OCUPADAS EM SÃO PAULO, Carlos Pronzato – SP

MOSTRA CINE-ESCOLA

ANTES QUE O MUNDO ACABE, Ana Luiza Azevedo – RS

AS AVENTURAS DO AVIÃO VERMELHO, Frederico Pinto e José Maia – RS

O QUE QUEREMOS PARA O MUNDO?, Igor Amin – MG

TUDO QUE APRENDEMOS JUNTOS, Sérgio Machado – SP

MÉDIAS

MOSTRA CONTEMPORÂNEA

BAHIA SCI FI, Petrus Pires – BA

DIAS DE TROVÃO, Alexandre Rafael Garcia – PR

SATAN SATIE OU MEMÓRIAS DE UM AMNÉSICO, Juruna Mallon e Lucas Parente – RJ

SEM TÍTULO #2: LA MER LARME, Carlos Adriano – SP

MOSTRA HISTÓRICA

SUPEROUTRO, Edgar Navarro – BA

MOSTRA HISTÓRICA CASE CINEMA E TV

PATROA X EMPREGADA, Alberto Salvá – SP

RETRATO DE CLASSE, Gregório Bacic – SP

CURTAS

MOSTRA CONTEMPORÂNEA

AS INCRIVÉIS HISTÓRIAS DE UM NAVIO FANTASMA, André Bomfim e Gustavo Rosa de Moura – SP

MAR DE FOGO, Joel Pizzini – RJ

TESTEMUNHA OCULAR DA HISTÓRIA, José Carlos Faria, Matheus Topine e Telma Barros – RJ

MOSTRA HORIZONTES

CINEFILIA, Calac Nogueira – RJ

MEMÓRIA DA PEDRA, Luciana Lemos – BA

RETALHO, Hannah Serrat – MG

SUPER FRENTE, SUPER-8, Moema Pascoini – SE

MOSTRA PRAÇA

A BOLSA, Deborah Perrotta, Jason Tadeu e Marcela Cardoso – SP

LÁPIS SEM COR, Iuri Moreno – GO

O HOMEM QUE VIROU ARMÁRIO, Marcelo Ikeda – CE

PARQUE PESADELO, Aly Muritiba, Francisco Gusso e Pedro Giongo – PR

MOSTRA VENTURAS

A CASA SEM SEPARAÇÃO, Nathália Tereza – PR

ANTONIETA, Flávia Person – SC

BRUTALIDADE, Henrique Zanoni – SP

CUSCUZ PEITINHO, Rodrigo Sena E Julio Castro – RN

DIVA, Luiz Rodrigues Jr – PE

HISTÓRIA DE UMA PENA, Leonardo Mouramateus – CE

PORFÍRIO, Henrique Borela – GO

RAPSÓDIA PARA UM HOMEM NEGRO, Gabriel Martins – MG

MOSTRINHA

A ORELHA DE VAN GOGH, Thiago Franco – MG

MÃE D’ÁGUA, Lamonier Angelo – BA

MEU PEQUENO HERÓI NÃO SABE VOAR, Pedro Jorge – SP

NO TEMPO DAS FORMIGAS, Anahi Borges – SP

MOSTRA EDUCAÇÃO

42 curtas brasileiros realizados em contexto escolar

Mais informações sobre a 11ª CineOP estão disponíveis em www.cineop.com.br.

Link para as fotos do evento e programação – 11ª CineOP

***

Acompanhe a 11ª CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto e o programa Cinema Sem Fronteiras 2016

Participe da Campanha #eufaçoaMOSTRA

Twitter: universoprod

Facebook: universoproducao / cineop

Instagram: universoproducao

Web: cineop.com.br

Informações pelo telefone: (31) 3282.2366

***

Serviço:

11ª CINEOP – MOSTRA DE CINEMA DE OURO PRETO

22 a 27 de junho de 2016

Idealização e realização: UNIVERSO PRODUÇÃO

Patrocínio Máster: BNDES

Patrocínio: CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

Incentivo: LEI FEDERAL DE INCENTIVO A CULTURA

Parceria: UFOP – Universo Federal de Ouro Preto

Apoio: Instituto Universo Cultural, Prefeitura Municipal de Ouro Preto, Café 3 Corações, Coca-Cola|Heineken

Realização: UNIVERSO PRODUÇÃO

GOVERNO FEDERAL|PÁTRIA EDUCADORA

LOCAIS DE REALIZAÇÃO DO EVENTO

Cine Vila Rica (plateia 400 lugares)

Centro de Artes e Convenções |Cine-Teatro (plateia 510 lugares)

Praça Tiradentes – Cine-Praça (plateia 1000 lugares)

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Universo Produção – (31) 3282.2366 – Lívia Tostes – (31) 99232.2256 imprensa@universoproducaocom.br
Atendimento – ETC Comunicação – Núdia Fusco e Luciana d’ Anunciação (31) 2535.5257 |9120.5295 – nudia@etccomunicacao.com.br / luciana@etccomunicacao.com.br

Produção de Textos: ETC Comunicação e Marcelo Miranda

Redes Sociais: Universo Produção | Lívia Tostes

CREDENCIAMENTO IMPRENSA

O credenciamento para a cobertura de imprensa da 11ª CineOP- Mostra de Cinema de Ouro Preto deverá ser solicitado no período de 12 de maio até o dia 03 de junho pelo site www.cineop.com.br. As informações sobre a retirada da credencial e o funcionamento da sala de imprensa serão enviadas após a confirmação do credenciamento pela organização do evento até o dia 06 de junho.

Enviado por ETC Comunicação
www.etccomunicacao.com.br
Se

***BILHETERIAS

BRASILEIRAS

Fonte – Boletim Filme B

Data – 31-05-2016

Assinaturas – filmeb@filmeb.com.br

ESTREIAS:

Ponto Zero…………………………………………….1.942

Uma Noite em Sampa……………………………1.325

São Sebastião do Rio de Janeiro………………932

A Pintura de Gerhard Richter………………….182 (prod. brasileira??)

Os Outros…………………………………………………177

CONTINUAÇÕES:

Em Nome da Lei……………………….227.467

Nise, o Coração da Loucura……………126.585

O Começo da Vida (doc)……………………..31.215

Nos Passos do Mestre………………………….22.804

Espaço Marina Abramovich…………………..7.651

Ralé……………………………………………1.662

Exilados do Vulcão…………………………..977

NÃO ATUALIZADOS:

De Onde Eu Te Vejo…………………….32.421

Quanto Tempo o Tempo Dura…………5.233

Prova de Coragem………………………..3.482

Eu Sou Carlos Imperial…………………………3.071

Amores Urbanos………………………………….2.844

Sinfonia da Necrópole…………………………..1.751

A Frente Fria que Traz a Chuva……………979

O Futebol………………………………………………..514

Geraldinos…………………………………….110

FILMES ESTRANGEIROS:

Truman……………………………129.512 (Espanha)

A Juventude………………..……..56.093 (Itália)

O Abraço da Serpente…………………30 mil (Colômbia) – não atualizado

A Vingança Está na Moda……………26.899 (Austrália) — Imagem Filmes

A Assassina…………………………………….10.943 (Taiwan)

OS ANARQUISTAS……………………….9.672 (cresceu 11%)

DESAJUSTADOS……………………………8.843 (Islândia)

Roteiro de Casamento……………………..5.546 (Argentina)

O VALOR DE UM HOMEM……………2.004 (boa média: 659 por sala)

Maravilhoso Boccaccio…………………..INDISPONÍVEL:

**** NISE, O CORAÇÃO DA LOUCURA,

MELHOR FILME NO FESTIVAL DE TÓQUIO,

JÁ FOI VISTO POR 126.585 ESPECTADORES

O longa de Roberto Berliner vendeu, até sua

sexta semana em cartaz, quase 127 mil ingressos. Da quinta para a sexta semana, aumentou seu circuito de salas e cresceu 3% (número de espectadores). Está em 32 salas e com média razoável: 283 (semana passada a média era de 190). Berliner me disse que o filme, que não vem preenchendo todos os horários da grade, “tem tido sessões lotadas”.

*****PONTO ZERO + CINEOP + CINE CEARÁ 2016 – MOSTRA DE CINEMA MEXICANO REUNE 22 LONGAS-METRAGENS DE BUÑUEL, RIPSTEIN, REYGADAS, IÑARRITU + FESTIVAIS DE CINEMA DE GRAMADO E DE BRASILIA (INSCRIÇÕES) + MAXEXPÔ BH-MG COMEÇA HOJE + FILME DE ALOYSIO RAULINO NA CINEMATECA DO MAM-RIO + ARTIGOS DE JORNAL

ALMANAKITO
QUARTA-FEIRA (01-JUNHO-2016)

*****CINE CEARÁ 2016
Mostra de Cinema do México

reúne 22 longas-metragens.

Filmes selecionados trazem assinaturas de realizadores jovens e de diretores consagrados como Arturo Ripstein, Alejandro Gonzalez Iñarritu, Carlos Reygadas e Amat Escalante.

Do espanhol Luiz Buñuel, que desenvolveu parte significativa de sua obra no México, será exibido “O Anjo Exterminador”, filme que compõe com “Los Olvidados” e “El” os momentos mais iluminados de sua fase azteca.

POR Alessandra Marques – Produtora, Pablo Arellano – Curador, e

Wolney Oliveira – Diretor Executivo Cine Ceará

Pelo quarto ano consecutivo, o Cine Ceará mantém seu compromisso de realizar uma mostra paralela centrada em alguma das grandes cinematografias da região ibero-americana. Depois de percorrer o cinema contemporâneo de Portugal, Argentina e Espanha, este ano nosso foco é o Cinema Mexicano, em sua vertente mais lúcida, arriscada e pessoal.

Este ano estamos dando um salto de qualidade graças à parceria da Associação Cultural Cine Ceará junto à Caixa Cultural, que possibilitou dobrar o número de filmes em exibição para 22 longas-metragens, muitos deles inéditos no Brasil.

Como sempre, desejamos realizar uma Mostra ambiciosa, apresentando desde títulos clássicos de diretores que marcaram a história do cinema, passando por uma seleção do cinema mexicano contemporâneo reconhecido nos últimos anos em diferentes festivais e, finalmente, uma retrospectiva de dois grandes faróis do cinema do México, Amat Escalante e Carlos Reygadas.

Grandes Diretores — Mantendo a proposta que iniciamos na Mostra do Novo Cinema Espanhol, este ano também queremos recuperar alguns diretores que já imprimiram suas marcas na história do cinema mundial. Em primeiro lugar não poderíamos deixar de oferecer uma parte da obra do diretor espanhol, que desenvolveu parte significativa de sua carreira no México, Luis Buñuel. O realizador, que como ninguém trabalhou o mistério em todos e cada um de seus filmes, foi nomeado pai adotivo de todos os diretores contemporâneos que trazemos à Fortaleza. Exibiremos sua obra mexicana mais representativa: “O Anjo Exterminador”.

Outro grande diretor a quem renderemos tributo é o genial e barroco Arturo Ripstein, de quem exibiremos o mais recente filme, com estreia em Veneza, “La Calle de la Amargura”, que mostra o estilo grotesco do realizador. Não poderíamos perder a oportunidade de programar uma sessão especial pai e filho, visto que Gabriel Ripstein, filho de Arturo, acaba de lançar uma obra prima de enorme maturidade, “600 Milhas”.

Junto com Buñuel e Ripstein, outros dois grandes diretores europeus que acabam de realizar duas películas no México: Peter Greenaway, que desdobra toda sua destreza plástica homenageando um dos grandes diretores do cinema mundial em “Eisenstein en Guanajuato; e Gustav Van den Bergue, uma das grandes apostas da Mostra, com o genial “Lucifer”, maravilha visual e narrativa que nos orgulhamos de estrear no Brasil.

Novo Cinema Mexicano — A Mostra de Cinema Mexicano se completa com uma série de obras contemporâneas que estão em circuito em festivais internacionais. A maior parte ainda é inédita no Brasil, de jovens diretores com admirável personalidade e pulso cinematográfico. Autênticas joias do novo cinema mexicano, como o duro, austero e maturado filme de Joshua Gil, “La Maldad”, que abrirá a Mostra.

Pablo Chavarría e Nicolás Pereda são diretores que trabalham entre o documental e o cinema experimental. Na Mostra, iremos disfrutar de dois trabalhos de cada um deles. Seguindo a linha do documentário, iremos apresentar o mexicano “Tempestad”, recentemente premiado no Festival de Berlim, uma das grandes estreias que trazemos ao Brasil. E, por último, filmes de enorme frescor e urgência, como o são “Mañana Psicotrópica” e “Los Muertos”.

Retrospectiva Amat Escalante e Carlos Reygadas — Durante os 12 dias da Mostra de Cinema Mexicano, vamos apreciar todos os longas-metragens daqueles que consideramos os dois grandes estandartes do cinema autoral mexicano: Amat Escalante e Carlos Reygadas, recentemente ganhadores do prêmio de melhor direção no Festival de Cannes. Viscerais. A crua realidade de Escalante e a transcendência que envolve todos os filmes de Reygadas serão os pratos principais, marcando, de alguma forma, o passo e a personalidade da Mostra: exibir filmes que envolvem grandes doses de mistério.

Quatro Master Class — Nos últimos quatros dias da Mostra receberemos cinco convidados, que realizarão diversas Master Class. Do lado brasileiro, Janaína Marques e Lucas Coelho, dois jovens e talentosos cineastas do Nordeste, que foram alunos de nossos homenageados Amat Escalante e Carlos Reygadas. Do México, a diretora Yulene Olaizola e o diretor Rúben Imaz, que comentarão com profundidade o trabalho de criação do último longa-metragem deles, “Epitáfio”, selecionado para a Competição de longas-metragens do 26º Cine Ceará.

Encerraremos a Mostra com a Master Class de Jorge Yglesias, crítico, historiador de cinema, ensaísta e poeta cubano, que nos brindará com uma aula magna sobre o mais recente filme de Carlos Reygadas, “Post Tenebras Lux”, realizandouma extensa análise, com foco na obra do diretor mexicano.

Estamos muito felizes em realizar um recorte tão extenso do cinema mexicano, ao mesmo tempo, lúcido, poético e singular. Esperamos que seja um presente cinematográfico para a cidade de Fortaleza.

*****CINEOP 2016

EDUARDO COUTINHO E
FRANCISCO SERGIO MOREIRA
são os homenageados da 11ª edição

Mostra de Cinema de Ouro Preto

CineOP – Ano 11 – Mostra de Cinema de Ouro Preto

Data: de 22 a 27 de junho de 2016

DA ASSESSORIA DE IMPRENSA

A CINEOP , que acontece de 22 a 27 de junho, escolheu para homenagear dois homens de cinema que moldaram suas trajetórias a partir do mundo da televisão, onde trabalharam entre os anos 1970 e 1980. Eduardo Coutinho e Francisco Sérgio Moreira passaram respectivamente por Globo e TVE aprendendo ou reaprendendo novas dramaturgias e novos olhares e descobrindo o valor do que ali havia se acumulado. Os dois se cruzaram em um ou outro momento e por motivos vários, um dos quais a preservação e a restauração de filmes.

A ausência de Coutinho e de Chico nos lega a saudade do convívio e a responsabilidade pela manutenção do espírito que os unia, o conhecimento do Brasil através das imagens do presente e do passado, onde a obra dos dois agora se insere. Com Chico perdemos mais do que o artista. Sua expeditamente em conservação e, sobretudo, restauração de filmes criou uma imensa lacuna que cumpre agora reparar com a mesma energia, entusiasmo e compromisso que ele teve em tempos pioneiros. Com Coutinho perdemos o diretor consagrado de documentários, que se dedicou por muitos anos a conversar com as pessoas que filma, a registrar os mais diversos tipos brasileiros, de camponeses a moradores de grandes metrópoles. Diante da câmera, indivíduos comuns tiveram a oportunidade de contar suas histórias. Algumas delas serão exibidas na programação da 11ª CineOP.

As homenagens serão prestadas na abertura oficial do evento, que acontece no dia 23 de junho, às 20h30, no Cine Vila Rica – um dos poucos e preciosos cinemas de rua que resiste ao tempo no interior de Minas Gerais. Amigos e parentes já confirmaram presença e receberão o Troféu Vila Rica em nome de Eduardo Cotuinho e Chico Moreira. Na sequência será exibida uma das produções mais emblemáticas do cinema brasileiro, “Cabra Marcado para Morrer” (1964-1984), com direção de Eduardo Coutinho.

Link para as fotos do evento e programação – 11ª CineOP

***

Acompanhe a 11ª CineOP – Mostra de Cinema

de Ouro Preto e o programa Cinema Sem Fronteiras 2016

Participe da Campanha #eufaçoaMOSTRA

Twitter: universoprod

Facebook: universoproducao / cineop

Instagram: universoproducao

Web: cineop.com.br

*****MERCADO AUDIOVISUAL SE REÚNE EM

BH NESTA SEMANA PARA FOMENTAR

NEGÓCIOS E COMPARTILHAR CONHECIMENTO

Primeira edição da Minas Gerais Audiovisual Expo (MAX)

espera reunir mais de 3 mil pessoas em rodadas de

negócios, painéis e debates, mostra de filmes e exposição.

Belo Horizonte, junho de 2016 – Entre os dias 1º (hoje) e 5 de junho (domingo), Belo Horizonte receberá os principais responsáveis pela produção, comercialização e distribuição de conteúdos para TV, cinema, internet, games e novas mídias no Brasil e no exterior. Eles estarão reunidos na Minas Gerais Audiovisual Expo (MAX), maior salão de negócios audiovisuais já realizado em Minas Gerais. O evento, que visa potencializar toda a cadeia de valor do segmento, contará com uma Rodada de Negócios e terá atividades gratuitas de capacitação e formação de público. A programação completa está no site www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br.

A iniciativa do Governo do Estado de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, o Sebrae Minas e o Sistema Fiemg/Sesi, conta com o patrocínio da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e da Taesa. A expectativa é de que mais de 3 mil pessoas passem pela Serraria Souza Pinto e pelo Museu de Artes e Ofícios nos cinco dias de evento, sendo 1.500 somente para as atividades de formação e geração de negócios.

A realização da MAX vai ao encontro das políticas públicas desenvolvidas pela Codemig e pela Secretaria de Estado de Cultura para o fomento ao setor audiovisual em Minas Gerais, com um foco estratégico para a economia criativa, um dos pilares de atuação do Sebrae. “Esse esforço conjunto visa evidenciar as principais tendências do mercado atual e apresentar a força dessa indústria, que impacta diretamente em segmentos variados da sociedade, como o turismo, a publicidade ou a tecnologia da informação”, afirma Marco Antônio Castello Branco, presidente da Codemig.

“O evento reforça o papel de destaque que Minas Gerais vem alcançando no fomento à economia criativa nacional. O Sebrae Minas participa dessa agenda comum de desenvolvimento e fortalecimento do audiovisual no estado, com projetos para elevar o nível de gestão das micro e pequenas empresas e promover um ambiente favorável à expansão de negócios do setor”, ressalta o diretor Técnico do Sebrae Minas, Marden Magalhães.

Além da oportunidade de ampliação de mercado para criadores, produtores e realizadores mineiros, a MAX pretende ser também uma vitrine para o próprio estado de Minas Gerais, apresentando-o como território estruturado e aberto para receber produções de outros estados e países. O evento tem como objetivo sistematizar a articulação de parcerias entre a administração pública e produtores, para facilitar as produções audiovisuais.

Rodada de Negócios

Ao longo dos cinco dias de programação, 31 empresas âncoras do mercado nacional, selecionadas em curadoria da Associação Brasileira de Produtores Independentes de Televisão (ABPITV), realizadora do Rio Content Market, evento internacional dedicado à produção de conteúdo audiovisual, participarão da Rodada de Negócios com realizadores de todo o País. Entre os 310 projetos inscritos, 209 foram selecionados, de 130 empresas. Serão mais de 500 encontros, e os proponentes terão 20 minutos para apresentação de suas propostas.

Para a diretora de Fomento à Indústria Criativa da Codemig, Fernanda Machado, o encontro entre produtores, realizadores, distribuidores e exibidores é fundamental para a geração de negócios para o Estado, fomentando toda a cadeia produtiva. “Apesar de estar na primeira edição, a MAX já nasce grande, como maior evento do segmento em Minas Gerais e um dos maiores do País. Em pouco tempo veremos os resultados desses encontros por meio de produções e novos negócios”, salienta.

Entre os players participantes, estão as principais empresas habituadas à coprodução, licenciamento e aquisição de conteúdos de pequenos e médios realizadores: GNT; +Globosat; A&E; Lifetime; H2; History Channel; Prime Box; Travel Box; Music Box; Canal Combate; CINEBRASIL TV; Curta!; E! Entertainment; Elo Company; Opera TV; PlayTV; TNT; Warner; Space; TBS; Woohoo; Looke/Encripta/Net Movies; Rede Record; Vitrine Filmes; Arte 1; EBC/TV Brasil; Synapse; Gloob; Rede Minas.

Conteúdo e capacitação

A programação da MAX será voltada também aos profissionais, estudantes e interessados que desejam se capacitar e atualizar os conhecimentos sobre o audiovisual. Serão realizados 66 painéis e palestras com a presença de executivos, consultores e especialistas do mercado, organizados em quatro salas com programação simultânea e gratuita. Em pauta, temas relevantes do setor, como distribuição, modelo de negócios, políticas públicas, desenvolvimento territorial, mercado internacional, licenciamento, legislação e games.

No dia 1º de junho, diretamente da Índia, os diretores Arjun Pandey, CEO da produtora 24 Frames Films, e Anamika Kalia apresentam aos participantes cases e oportunidades de coprodução que o país asiático oferece. A produção nacional no mercado estrangeiro também estará na pauta do painel que abre a programação: “Animação brasileira ao redor do mundo”. Produtores e criadores do segmento, como Kiko Mistrorigo, fundador da TV Pinguim, Luciana Eguti, sócia e produtora executiva da Birdo, e Zé Brandão, diretor criativo do Copa Studio, vão analisar o momento da animação nacional no mundo e a presença de conteúdo de produtoras independentes em canais de TVs aberta e paga. A programação segue com outros 64 painéis.

Mostra “Imagem em construção”

Paralela à programação de negócios, de 1º a 5 de junho a Serraria Souza Pinto receberá a mostra “Imagem em construção”, que apresentará um recorte sobre o que de mais recente está sendo produzido no audiovisual mineiro. Em uma sala de cinema montada especialmente para o evento, 39 títulos entre curtas, longas-metragens e obras em processo serão exibidos gratuitamente. Os ingressos serão distribuídos 30 minutos antes de cada sessão (restritos a dois ingressos por pessoa).

A curadoria assinada por Adyr Assumpção busca acompanhar a dinâmica atual do setor, decorrente principalmente da implantação do Fundo Setorial do Audiovisual, que, diretamente pela Ancine e parecerias com o Estado e o município de Belo Horizonte, possibilitou, a partir de 2014, o início de uma nova fase da indústria local. Nesse contexto, e considerando os diversos tempos necessários para a realização das obras audiovisuais e as características contemporâneas intermídias, a Mostra pretende apresentar um instantâneo da produção em animação, cinema ficcional e documental, televisão, internet e games.

Exposição “História do audiovisual”

Com curadoria de Fabíola Moulin e Marconi Drummond, o Museu de Artes e Ofícios terá em cartaz uma exposição inédita que pretende apresentar ao público as dimensões material e conceitual do audiovisual a partir dos anos 60, em Minas e no Brasil. Sob o conceito da videoarte, a mostra passa pelos pioneiros do vídeo no Brasil e por recortes conceituais e tipológicos como os livrídeos, o vídeo-poema, a vídeo performance, vídeo-instalação, o videoclipe, vídeo-projeções na cena pública, entre outros. Estende-se pela efervescência da produção nacional e local do cinema na década de 90 e pela popularização de equipamentos eletrônicos.

A exposição, que vai além da programação da MAX e fica em cartaz no Museu de Artes e Ofícios até o dia 31 de julho, tem como objetivo evidenciar a potência e a pluralidade da linguagem audiovisual e a forma como ela está inserida no meio urbano e cada vez mais ao alcance da mão de todos aqueles que vivem no mundo contemporâneo.

Mercado do Audiovisual no Brasil

Especialistas e profissionais da área do audiovisual seguem otimistas com números do mercado. Segundo o estudo “Impacto econômico do setor audiovisual brasileiro”, elaborado pelo Sebrae, em 2013 o setor do audiovisual foi responsável por 0,57% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, obtendo participação similar à de outros grandes setores, como têxtil, vestuário, autopeças e produtos farmacêuticos, chegando a movimentar em torno de R$ 15,7 bilhões na economia brasileira.

De acordo com a Ancine, autarquia vinculada ao Ministério da Cultura, até 2020 o Brasil pode transformar-se no quinto mercado do mundo em produção e consumo de conteúdos audiovisuais para cinema, televisão e novas mídias — atualmente, o País ocupa o décimo lugar no ranking. Além disso, a estimativa é de que se alcancem 4.500 salas digitais, com capacidade para atrair 220 milhões de espectadores. Conforme dados de 2014 da Ancine, existem 2.833 salas de cinemas na atualidade.

SERVIÇO
MAX – MINAS GERAIS AUDIOVISUAL EXPO

1º a 5 de junho de 2016

Local: Serraria Souza Pinto (Av. Assis Chateaubriand, 809, Centro, Belo Horizonte) e Museu de Artes e Ofícios (Praça Rui Barbosa, 600, Centro, Belo Horizonte)

Acesso gratuito

Os interessados em participar das atividades de capacitação devem realizar credenciamento prévio por meio do site www.minasgeraisaudiovisualexpo.com.br

****FESTIVAL VARILUX
DO CINEMA FRANCÊS 2016,
QUE COMEÇARÁ DIA OITO DE JUNHO,
EM 40 CIDADES BRASILEIRAS, VAI
HOMENAGEAR OS CINQUENTA ANOS DE “UM HOMEM, UMA MULHER”, DE LELOUCH ++++++++ SARAVAH, DE PIERRE BAROUH, ATOR-CINEASTA
QUE FAZ PARTICIPAÇÃO ESPECIAL NO FILME.

****** O FESTIVAL VARILUX DE CINEMA FRANCÊS, QUE
COMEÇA NESTE DIA OITO DE JUNHO, EM 40 CIDADES BRASILEIRAS,
PRESTARÁ HOMENAGEM AOS CINQUENTA ANOS DE “UM HOMEM,
UMA MULHER”, DE CLAUDE LELOUCH. NO ELENCO, ANOUK AIMĒE E
JEAN-LOUIS TRINTGNANT E, NUMA PARTICIPAÇÃO ESPECIAL,
PIERRE BAROUH, APAIXONADO PELA MUSICA BRASILEIRA. AQUI
ELE RODARIA O DOCUMENTÁRIO “SARAVAH”, COM PIXINGUINHA,
BADEN POWELL, PAULINHO DA VIOLA, BETHÂNIA, ENTRE OUTROS.
DISPONĪVEL EM ÓTIMO DVD DA BISCOITO FINO.

+ EDUARDO SOUZA LIMA,
o ZeJosé, lembra a perda do fotógrafo (e sambista) ORLANDO ABRUNHOSA (1941-2016) autor da espetacular foto de Pelé, Tostão e Jairzinho formando o trio (triângulo) infernal, que arrasou na Copa de 1970. ZeJosé dedicou a ele (e à foto) um tocante documentário. O novo filme de Zé também tem a ver com futebol: Uma Bola para Seu Danau. Estará na itinerância do CINEFOOT.

*********FAM-FLORIPA 2016

Anúncios